0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica Olutador Junho 3889 F 1 P 22

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seguro para nosso relacionamento como casal e para os sacerdotes, religiosos(as) com sua comunidade e com seus irmãos. Vejamos um pouco da riqueza vivenciada:

 

Estávamos desacreditados de nosso amor

“O FDS foi o melhor presente que poderíamos ganhar. Estávamos casados há cinco anos e com muitas dificuldades em nosso relacionamento, já não tínhamos perspectiva de um futuro juntos; até então, para nós a solução seria a separação. Quando recebemos o convite para viver o FDS, já estávamos desacreditados de nosso amor. Porém, resolvemos nos dar o que para nós seria uma última chance.

Vivemos o FDS intensamente, percebemos que não tínhamos diálogo em nosso relacionamento, com muita dedicação e decisão. Redescobrimos nosso amor que estava coberto por tantos desentendimentos e falta de diálogo. Hoje somos um casal muito mais unido e cúmplices, temos um relacionamento renovado, e com a certeza de que ficaremos unidos até o fim. Pois tomamos a decisão de nos amar! E temos muito orgulho em dizer a todos que o FDS foi o melhor presente que recebemos!” (Terence e Jô – Ponta Grossa, PR)

 

Vivíamos nos agredindo

“Tivemos uma relação estável por cinco anos. Durante esses anos passamos por momentos muito difíceis; sempre fui muito enérgico com as coisas, era grosso, uma pessoa muito impetuosa. Por outro lado, a Gleiciane minha esposa era muito atrapalhada com tudo; eu não aceitava o jeito dela ser, vivíamos nos agredindo com palavras. Isso acontecia praticamente todos os dias, não tínhamos dialogo, era só discussão. Por muitas e muitas vezes pensamos em terminar. A única solução era a separação.

Um amigo nos convidou para participarmos de um fim de semana (FDS) do Encontro Matrimonial. Chegando ao local, encontramos vários casais, alguns amigos, muitos outros desconhecidos, fomos recebidos com muita alegria por todos. No decorrer do encontro, me surpreendi com as atitudes de minha esposa; nos entregamos de corpo e alma, minha esposa se entregou de forma única, como nunca. Senti uma alegria muito grande, tentamos uma nova chance e estava dando certo. Dialogamos muito, colocamos em pratica tudo que nos era proposto pelos casais e sacerdote servidores. Nosso relacionamento estava saindo de menos zero para alcançar cem por cento.

Fizemos grandes amigos que só nos fazem bem e só acrescentaram em nossas vidas. Posso garantir que este FDS foi o melhor final de semana de toda minha vida; posso classificar minha vida como: antes e depois do FDS. Resolvemos, então, sacramentar nosso relacionamento, junto com o diálogo, a cumplicidade e o carinho, e também sentimos a necessidade de podermos participar juntos do Banquete Eucarístico. No dia 27 de janeiro de 2017, pudemos realizar o grande sonho da minha esposa: entrar de noiva na Igreja, foi uma grande alegria. Estamos muito felizes, somos eternamente gratos à Família do EMM.” (Rodrigo e Gleiciane – Campo Mourão, PR)

 

Um divisor de águas no meu ministério

“Vivi o FDS 207 na Diocese de Ponta Grossa. E para mim foi um divisor de águas no meu ministério sacerdotal. Tive a grande oportunidade de, ao lado de casais, redescobrir e aprofundar o meu relacionamento esponsal com a igreja, com minha comunidade e com minha vocação. O FDS não foi momento de ouvir palestras e pensar, simplesmente, sobre minha vocação, mas foi um momento de viver com intensidade um diálogo que mudou em mim a maneira de me relacionar com casais, com a comunidade paroquial, com a igreja e comigo mesmo.

Descobri no FDS que a intersacramentalidade entre ordem e matrimônio é vital para a “saúde” da minha vocação. O FDS me devolveu a consciência de uma vivência intensa no sacramento para que eu, de fato, ame com profundidade e na verdade. Louvo a Deus por ter vivido esta experiência do Encontro Matrimonial Mundial.” (Pe. Fábio Sejanoski – Ponta Grossa, PR)

 

Mudança de ambas as partes

“Para nós. a mudança teria que ser de ambas as partes. Havia muita esperança e expectativa, principalmente em nossa unidade, após viver o FDS, que foi um dos maiores presentes em nossa vida, que podemos comparar ao nascimento de nosso filho mais velho.

Ao nos darmos conta de como somos prioridade um na vida do outro e ao conhecermos as ferramentas do EMM, passamos a nos dedicar a esse novo estilo de vida, a escutar com o coração; os nossos diálogos ganharam mais qualidade e, claro, nossa unidade e cumplicidade ficaram em evidencia.

Por tantas maravilhas que nos permitimos viver, só temos orgulho de dizer o quanto somos felizes e gratos por fazer parte dessa família abençoada do EMM.” (Bruno e Jú – Maringá, PR)

Deixe uma resposta