0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais

Que todos se tornem meus discípulos

Busca da intimidade com Deus

Nossa vida é feita de encontros e desencontros. Nesta trama de relações se fazem e se desfazem amizades. Mas quando estas são verdadeiras, elas superam as dificuldades, os desencontros e se projetam para além mesmo de nossa existência na terra…

 

  1. Situando o texto

Depois dos primeiros relatos da aparição do Senhor ressuscitado, uma nova luz brilha na vida dos discípulos de Jesus. Mais marcante ainda o encontro com ele, o poder partilhar o pão novamente com o Senhor, mas agora de um jeito todo novo. Mas o Senhor, que tinha começado uma missão, confia agora aos seus amigos a continuidade dela. Com calma e atenção, ouçamos o que Senhor tem a nos falar.

 

  1. O que o texto diz em si

Ler na Bíblia: Mateus 28,16-20.

Chave de Leitura:

  1. Qual a reação dos discípulos diante do Senhor ressuscitado?
  2. O que Jesus pede aos seus discípulos?
  3. Que garantia o Senhor dá a seus discípulos?
  4. À luz deste texto, o que o Senhor pede para nós, hoje?

 

  1. O que o texto diz para nós

Novamente os discípulos são conduzidos à Galileia. Era onde tudo tinha começado. Este encontro com o Senhor ressuscitado na Galileia indica que o caminho que Jesus fez, seus ensinamentos, suas atitudes, seu testemunho, tudo isso deve ser agora continuado pelos seus discípulos. A trajetória de vida de Jesus marca a missão dos discípulos. Marca também a nossa missão.

Neste sentido, a vida de Jesus, tal como ela se apresenta nos Evangelhos, é normativa para a vida de todos os cristãos. Ou seja, não tem como ser cristão, sem recriar, no hoje de nossa história, as atitudes e opções de Jesus. Vale a pena recordar com profundidade o cântico:

Cantando: Amar como Jesus amou. / Sonhar como Jesus, sonhou. / Pensar como Jesus pensou. / Viver como Jesus viveu. / Sentir o que Jesus sentia, / sorrir como Jesus sorria. / E ao chegar o fim do dia, eu sei que dormiria muito mais feliz. (bis)

 

Mas, quando Jesus aparece, alguns dos discípulos ainda duvidaram. Nossa fé ainda é pequena e limitada. Duvidamos da missão que o Senhor nos dá. Temos dificuldade, na verdade, de acreditar em nós mesmos. Mas o Senhor se aproxima de nós. Ele confia em nós, mais do que nós somos capazes de confiar em nós mesmos.

Jesus conta conosco. Ele nos fortalece e para isso nos dá a autoridade de agirmos em seu nome. A autoridade que Ele recebeu do Pai, agora ele a confere aos seus discípulos e a nós, seus seguidores, para que possamos dar continuidade à Sua obra salvadora no mundo.

Cantando: Eis-me aqui, Senhor (2x) / Pra fazer tua vontade, pra viver no seu amor. / Eis-me aqui, Senhor!

 

Em sua ascensão aos Céus, o Senhor nos confia a missão de “fazer” novos discípulos. Não basta seguir Jesus, é preciso despertar sempre novos seguidores, novos discípulos. E isso se dá em duas atitudes que se complementam. É preciso: A – conduzi-los ao batismo, que forma a comunidade, que edifica a Igreja; e B – que sejam instruídos, que aprendam a observar o que Jesus ensinou. Enfim, o batismo implica uma vivência cristã, um seguimento real a Jesus Cristo.

Muito nos inquieta, hoje, a multidão de batizados que desconhece a riqueza de sua fé. Nos primeiros séculos da Igreja, só eram batizados os que davam provas de sua conversão ao seguimento de Jesus. Hoje temos um grande desafio: converter os batizados para que se tornem discípulos. Eis aí nossa grande missão.

 

  1. O que o texto nos faz dizer a Deus?
  2. a) Senhor, que a celebração da ascensão do Senhor renove em nós a certeza de que o Senhor nos precede em nossa missão. Rezemos:

– Fica sempre conosco, Senhor!

  1. b) Senhor, que o sacramento do batismo seja encarado como um compromisso missionário no mundo. Rezemos:
  2. c) Senhor, que nossa missão não se reduza a exercícios de práticas piedosas, mas nos façam testemunhadores do Seu Evangelho. Rezemos:

 

  1. O que o texto nos sugere para nossos dias?

– O que eu posso fazer para vivenciar melhor a dimensão missionária do meu batismo? Buscar exemplos concretos.

 

  1. Tarefa concreta

Procurar saber como funciona a catequese de sua comunidade. Ela está conseguindo preparar missionários? Veja alguma forma de ajudar.

 

Encerramento

Recolha-se no silêncio e procure meditar a cena bíblica acima. Procure contemplar a si mesmo no lugar dos discípulos, recebendo dele o seu mandato missionário.

f/ 2.bp.blogspot.com

 

Deixe uma resposta