0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica Olutador Juventude 800×350

Paz, incógnita da juventude ou "zoação"…

NA VIDA, a juventude é a fase mais rápida e cheia de mudanças; ela reflete o momento de sua época. Algumas descobertas foram feitas e um montão de outras ainda estão por vir. É tempo de decisão. É preciso descobrir que rumo dar à vida no sentido profissional. E como é difícil decidir por essa profissão, e não por aquela! Um ar de incertezas paira pelos ares. A vivência da sexualidade está em alta. Os hormônios afloram com toda impetuosidade. Tudo está transformado! Para muitos é começo de vida sexual ativa.

Tudo parece transitório

Ainda. Com a transitoriedade de tudo, novos paradigmas são exaltados e valores vão despencando. Quem primeiro sofre com tudo isso é a juventude. Ela traz consigo a marca das mudanças temporais; dá vida ao que chega, incorporando as novidades. Assim, ao ser observada, nota-se cheia de conflitos, internos e externos, e com dificuldade em conviver com o que representa o antigo.

Então, diante de tudo isso, os jovens parecem não ter paz. Estão sempre em guerra, ora consigo próprios, ora com aqueles com quem convivem. E o olhar dos adultos sobre eles quando não expressa pena – “Coitados! São jovens ainda. Têm muito que aprender!” -, expressa raiva, desconfiança – “São jovens. Não se pode confiar!” E assim, juventude torna-se sinônimo de desconforto pessoal, tempo de conflitos, ausência de paz.

 

Paz, uma necessidade de todas as idades

Mas a paz é uma necessidade humana que afeta todas as idades, não somente a juventude. As crianças precisam de paz para crescerem sadias e se adaptarem no novo mundo que agora habita no meio de nós. Os adolescentes necessitam de paz para serem felizes nas descobertas que fazem em si mesmos, descobrindo o mundo. Os adultos querem paz para reestruturar o que não anda bem e traçar novas metas, e os idosos carecem de paz, pois agora, mais do que nunca, são merecedores após terem uma vida de dedicação e doação em meio à turbulência da vida.

A juventude busca a paz em meio à agitação que

expressa seu estado de espírito, seu jeito de ser

A juventude busca a paz em meio à agitação que expressa seu estado de espírito, seu jeito de ser. O certo é que a juventude tem os seus meios para viver em paz! Os jovens buscam a paz em meio à agitação a que expressa seu estado de espírito, seu jeito de ser, como a criatividade, a alegria, a abertura para o novo, a capacidade para criar e adaptar.

Dizer que a juventude não tem paz é desconhecê-la totalmente, é observá-la de longe sem entrar em seu mundo, pois ao dizer que precisa de paz, se faz necessário entender seu estado emocional, o que está passando na vida para saber do que esteja de fato precisando, e não a julgar somente a partir de uma percepção.

Não há dúvida de que a paz é a necessária busca e o desejo de todos, mas nesse mundo de mutação, onde a subjetividade é a marca maior, a paz deixa de ser uma busca do bem comum e passa ser subjetiva também, algo muito pessoal. Sendo assim, pode-se afirmar que o lugar onde a juventude mais procura viver em paz é nas happies hours, quando está em plena agitação. Mesmo na agitação, na “zoação”, tem paz! Algo que parece ser contraditório a muitos olhares adultos.

Assim, mesmo sem entender, paz para você!]

 

 

* Pároco de Alto Jequitibá, MG

E-mail: pe.fagundes@bol.com.br

Deixe uma resposta