Destaques Igreja Hoje
06/06/2021 Imprensa CELAM Edição 3937 Uma Igreja Sinodal, praticando a sinodalidade
F? redamazonica.org
"O Papa Francisco quer que a Igreja seja imbuída de sinodalidade, que aprenda a viver em sinodalidade. Alguém que compreende os caminhos desta sinodalidade na prática é Mauricio López, coordenador do Centro de Programas de Ação Pastoral e Redes do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM)."

 

A sinodalidade poderia ser considerada a dobradiça no pontificado de Francisco, um Papa que está determinado a pôr em prática elementos que têm feito parte da reflexão eclesial desde o Concílio Vaticano II. Por esta razão, o Santo Padre chamou a Igreja universal a um novo sínodo, com uma metodologia que tem vindo a experimentar nos três sínodos anteriores que ele já liderou.

O Papa Francisco quer que a Igreja seja imbuída de sinodalidade, que aprenda a viver em sinodalidade. Alguém que compreende os caminhos desta sinodalidade na prática é Mauricio López, coordenador do Centro de Programas de Ação Pastoral e Redes do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM). O seu papel no Sínodo para a Amazônia ajudou-o a aprofundar esta dimensão e as suas palavras são uma luz que nos ajuda a compreender o processo de um Sínodo que será aberto em todas as dioceses do mundo no próximo mês de outubro.

Nesta entrevista, Mauricio López reflete sobre estes passos a dar e sobre o que a Igreja na América Latina e no Caribe pode contribuir, especialmente a partir da experiência do Sínodo Amazônico e da Assembleia Eclesial que está tendo lugar. Estamos perante um Sínodo que deve estar aberto a todos, também àqueles a quem ele chama "improváveis", os excluídos, os periféricos. Estamos perante uma nova oportunidade, que certamente encontrará "forças que impedem a revelação do Espírito", na qual a dinâmica do Kairós, da revelação de Deus no momento certo, estará mais uma vez presente.

O Papa Francisco acaba de convocar o novo sínodo, o qual, embora soubéssemos que seria convocado, surpreendeu-nos na forma como vai ser levado a cabo. Mais uma vez, a escuta é apresentada como um caminho decisivo para a Igreja sinodal que o Papa Francisco quer tornar realidade. Quais são as novas possibilidades que este sínodo oferece à Igreja?

Embora seja um processo que está apenas começando e estaremos muito atentos para abraçar o que será gradualmente definido, aqui temos de fazer uma leitura dos passos dados pelo Papa, associados às suas repetidas expressões e ações, onde ele coloca a práxis da sinodalidade como uma das formas adequadas de exercer o seu pontificado. Esta atitude de escuta, mas não uma escuta demagógica, mas uma escuta como condição indispensável para o discernimento. Uma escuta situada num contexto de oração, numa dinâmica que exige liberdade interior, não de estar ligada a posições, a ideologias, mas de procurar genuína e corajosamente o que o Espírito nos quer dizer, e de o assumir com todas as suas consequências.

Para o Papa, a forma adequada de exercer o seu pontificado em matéria pastoral e em matéria de reforma está fortemente associada à sinodalidade. Sinodalidade como práxis, sinodalidade como um conceito em desenvolvimento, sinodalidade mesmo como uma categoria estrutural dentro da Igreja, como expressa na Episcopalis Communio como constituição apostólica.

Em segundo lugar, para compreender a perspectiva sinodal do seu pontificado, é necessário percorrer os sínodos que o Papa animou. Se olharmos para o Sínodo sobre a Família, percebemos que, sendo um tema importante e complexo, onde era urgente e necessário ter uma voz, sobretudo uma voz laica, o Papa estabeleceu uma longa dinâmica preparatória, com duas reuniões pré-sinodais de ampla participação, que de certa forma processam a reflexão e preparam o caminho. Metodologicamente, ali o Papa compreendeu o sentido de um amplo discernimento para preparar também as assembleias sinodais com a ajuda de outros processos anteriores.

No Sínodo da Juventude, por outro lado, o que foi enriquecido foi uma ampliação da escuta. Foi uma ampliação da escuta como atitude, não sei se foi eficaz na forma como os documentos foram estruturados, mas a modalidade de escuta foi ampliada, sobretudo dando espaço para uma participação individual muito grande à distância. No Sínodo da Juventude, já na Assembleia, conseguiu-se uma representação mais significativa de auditores, convidados e peritos, que representam de forma mais viva o tema que estava sendo tratado, neste caso a juventude, no âmbito do processo sinodal.

Há um fato interessante, a Episcopalis Communio foi publicada alguns dias antes da assembleia do Sínodo da Juventude. O seu impacto concreto e orgânico no Sínodo da Juventude já era praticamente mínimo, em termos de estrutura, porque era um Sínodo que já estava organizado. O Sínodo da Amazônia foi o ensaio metodológico mais importante, onde as duas experiências anteriores encontraram um ponto de convergência e onde as mudanças estruturais da Comunhão Episcopal tiveram o seu ponto inicial de realização. No sentido de uma ampla participação do Povo de Deus e de uma metodologia de escuta concreta, formal e explícita, que teve um impacto em tudo o que tinha a ver com o procedimento do próprio Sínodo em todas as suas fases. E depois, a ampla presença do Povo de Deus em todo o processo, especialmente povos originários, mulheres, convidados de outros organismos internacionais ou de outras denominações cristãs, tanto nas fases anteriores como na fase de assembleia.

Quando se trata de concretizar os passos a dar neste Sínodo sobre a Sinodalidade, que elementos podemos dizer que estarão presentes?

Enquanto se espera que os aspectos concretos sejam definidos, parece a alguns que se trata de um tópico estranho e novo que não toca nos aspectos essenciais da Igreja, mas que é muito discutível. Afinal, a dinâmica sinodal está presente desde a origem da Igreja, nas primeiras comunidades, na sua forma de discernir o modo de ser, de se estruturarem e de caminharem. Mas, por outro lado, reflete fielmente, não só o pontificado de Francisco, mas também muitos dos aspectos que o Concílio Vaticano II na Lumen Gentium já descreveu e levantou como uma necessidade de reforma estrutural, e que também estará presente neste processo.

Aqui temos uma oportunidade única, onde todos estes passos anteriores do caminho sinodal foram desenvolvidos, concretizados, e o que temos agora é uma forma muito mais organizada, que toca todos estes níveis: amplitude, diversidade, metodologia de escuta, agora com a novidade de passos escalonados, de baixo para cima, para levar a voz do Povo de Deus ao evento da assembleia sinodal, pensando na Igreja particular e no Povo de Deus, e nas estruturas e experiências regionais.

Uma novidade absoluta é que terá dois documentos de trabalho, um que resultará da escuta das dioceses e de todo o Povo de Deus que fazem parte das Igrejas particulares, refletindo as realidades eclesiais territoriais, e depois uma segunda etapa nas regiões continentais, que por sua vez produzirá um segundo Instrumentum laboris, que será estruturado a partir das vozes dos conselhos episcopais regionais, ou seus equivalentes como federações ou simpósios, nas diferentes regiões do planeta. Há muito espaço para a participação, para a criatividade, e a metodologia terá de ser consistente com o que temos vivido e aprendido em todos estes anos, mas será também um desafio assegurar concreta e eficazmente a presença dos improváveis, dos excluídos.

Essas vozes tradicionalmente excluídas, periféricas, consideradas como receptoras do nosso trabalho pastoral, quando na realidade, em termos pastorais do sensus fidei, são e devem ser mais sujeitos da sua própria história de fé, sujeitos com a sua própria voz. O grande desafio continuará sendo como aproximar esta experiência destes grupos na periferia, destes grupos excluídos. Para que tudo não fique, agora com uma estrutura muito interessante de baixo para cima, sempre mediada pelos grupos já mais estruturados, ou pior ainda, filtrada apenas de acordo com grupos que estão mais em sintonia com o pensamento daqueles que governam ou dirigem as diferentes instâncias.

O que o Papa disse na sua mensagem à assembleia eclesial, cuidado para que seja uma experiência plena do Povo de Deus e para que não nos tornemos uma elite, uma elite iluminada, uma elite pastoral, é o desafio deste sínodo sobre a sinodalidade.

Fala-se da importância de ouvir neste processo sinodal e, de fato, como foi comentado na última assembleia do CELAM, a Secretaria do Sínodo dos Bispos quer contar com a experiência da Igreja da América Latina e do Caribe, primeiro com o Sínodo para a Amazônia e agora com a Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe. Como pode esta experiência eclesial da América Latina e do Caribe iluminar a Secretaria do Sínodo e a Igreja universal neste processo sinodal?

Como equipe do CELAM, já tivemos uma série de diálogos muito encorajadores com o Secretário do Sínodo dos Bispos, Cardeal Grech e os subsecretários, Dom Luis Marín e Irmã Nathalie Becquart. De fato, já nos expressaram antecipadamente o seu profundo apreço pela experiência latino-americana, por tudo o que tem sido o Magistério desta região e pela experiência do Sínodo Amazônico, em termos de metodologia, participação e forma de chegar às periferias.

Mas, por outro lado, expressaram-nos um profundo desejo de que a experiência da Primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe e toda a escuta que nela está sendo feita, possa servir de exemplo entre muitos deste processo de uma Igreja mais sinodal na sua práxis, e não apenas na sua forma de organizar eventos específicos. Isto vai ser muito interessante, fomos mesmo convidados, através de mim, a colaborar numa das comissões, a comissão sobre metodologia, que ainda está definindo o seu itinerário e acabamos de iniciar as primeiras reuniões.

A ideia é precisamente que, pelo menos no nosso caso, para a América Latina, trazer a experiência, ligá-la, valorizar os passos dados e que também pode fazer parte da reflexão geral neste novo Sínodo. Isto é o que está acontecendo com outros tipos de experiências noutras regiões do mundo, com pessoas que também estarão contribuindo neste espaço. Concretamente, a segunda fase deste Sínodo sobre a Sinodalidade, que propõe a visão da região continental, já está dando um elemento sem precedentes de querer reforçar as experiências das conferências ou conselhos. Como no caso do CELAM, que também têm um papel dentro da Igreja, um papel subsidiário, um papel articulador, não de substituição ou de se tornarem conferências macro episcopais, mas chamadas a ser outro tipo de resposta eclesial para assumir desafios de outra dimensão.

O que estamos experimentando com a Amazônia, REPAM, Sínodo, de que já falamos em algumas ocasiões, está sendo valorizado muito positivamente aqui. Embora ainda estejamos conhecendo a proposta, sentimos uma profunda afinidade com as experiências da nossa região, especialmente com a Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe.

Dada a grande diversidade que existe na Igreja Católica, que é sem dúvida uma grande riqueza, como vamos conseguir colocar em propostas comuns toda essa diversidade que deveria nascer de um processo de escuta sinodal no qual deveriam participar milhões de pessoas? Como podemos combinar tudo isso em documentos?

É isso que agora vai começar a ser concebido e definido; teremos a oportunidade de colaborar nesta questão essencial, mas difícil. Há uma consciência muito clara da dificuldade disto, mas esta é a minha apreciação pessoal, tal como Mauricio Lopez, estamos a compreender cada vez melhor o significado do discernimento comunitário. O Papa também tem vindo a introduzi-lo cada vez mais fortemente, e a Secretaria do Sínodo dos Bispos, com as incorporações que teve e com a forma como estão trabalhando neste momento, está ativando fortemente a perspectiva do método de discernimento.

Aqueles de nós que participaram nestes processos com dezenas, centenas ou milhares de pessoas, estamos descobrindo que é possível, com um método muito bem conduzido, com uma clara perspectiva de oração, e com uma disposição de discernimento, encontrar no método de conversa espiritual, o que a vontade de Deus está sendo revelada através da escuta, para além das minhas palavras, naquilo que está assumindo mais significado num sentido comunitário.

Tenho visto experiências maravilhosas na Comunidade de Vida Cristã (CVX), da qual sou membro, ou em ambientes ligados também aos Jesuítas, em ambientes complexos, onde desde que o método seja bem aplicado e que haja uma disposição interior, é possível introduzir um verdadeiro dinamismo de discernimento. Recordemos o que o próprio padre Antonio Spadaro e Austen Ivereigh disseram, um narrador do trabalho pastoral e pedagógico do Papa e o outro um dos seus biógrafos. Ambos notam que o que o Papa quer é conduzir a Igreja como um todo a uma experiência dos Exercícios Espirituais, purificar a intenção, assumir o chamamento de Jesus, discernir a vontade de Deus, entrar na chave do seu seguimento até à Cruz e olhar para a Ressurreição.

Estão sendo dados passos sérios e este sínodo vai ser o grande teste para pôr em prática este discernimento como um método que o Papa tem vindo a marcar como essencial. O Papa, como diretor espiritual, marca os pontos, mas a experiência do método tem de ser bem transmitida e o processo, no final do dia, leva ao encontro do Criador com as suas criaturas, com a sua Igreja, com o que a novidade do Espírito está produzindo. Tenho muita esperança, há progressos na revelação do Espírito Santo nesta dinâmica sinodal. Espero dentro de mais alguns meses ter mais clareza para partilhar, mas por agora estou muito esperançado.

Você falou em introduzir os improváveis neste processo, as vozes tradicionalmente excluídas, periféricas, algo que no Sínodo para a Amazônia foi conseguido com a presença dos povos originários e a ampla participação das mulheres na Assembleia Sinodal. Quem poderia e deveria ser essa voz neste Sínodo sobre a Sinodalidade e qual deveria ser o seu papel?

É uma questão muito difícil, mas temo-la muito presente com a Assembleia Eclesial da América Latina. É como um espelho da realidade em que nos queremos encarnar, o que confirma que aquilo que estamos elaborando em conceito, purifica a sua intenção perante uma realidade e torna-se verdade, compromisso concreto à luz dessa realidade. É como um espelho, que nos obriga a ver-nos, para além dos conceitos, e a garantir que existe uma convicção genuína, e que as propostas que fazemos não permanecem no ar ou em canções líricas, mas que têm uma base, que têm concretude e raízes nestas experiências concretas das periferias, que neste caso não são vozes hipotéticas, mas que estão presentes lá.

Estas realidades improváveis ou periféricas, que tradicionalmente têm sido marginalizadas, eram mais evidentes no Sínodo Amazônico. A REPAM tinha uma opção preferencial feita anos antes pelos povos originários, e em menor medida também pelos povos camponeses e outros grupos vulneráveis. Ou para a própria Irmã Mãe Terra, como um sujeito vulnerável. Neste sentido foi mais fácil identificar os improváveis ou periféricos, que no final foi a grande fonte de vida no processo, com outras perspectivas, com outras cosmovisões. Abriram-nos muito a cabeça para novos caminhos.

O Papa disse isto num encontro privado apenas com os povos originários, os que estavam no Sínodo e os que estavam fora dele, onde lhes agradeceu profundamente pelo que trouxeram a esta experiência, pela veracidade do seu testemunho e lhes pediu que continuassem falando com total liberdade.

Quanto ao Sínodo sobre a sinodalidade, é uma questão muito difícil devido à sua dimensão, mas na mesma linha da pergunta anterior, se o método é genuíno, se a abordagem é inclusiva, se fazemos o que tem de ser feito para que eles possam expressar a sua palavra, os temas e a sua presença aparecerão. Não me atrevo a enumerar os temas específicos, porque estamos falando de um Sínodo universal, mas se a escuta for feita de uma forma genuína, se os espaços forem realmente abertos e as pontes forem abertas para que estes improváveis da periferia possam ter uma palavra a dizer no processo preparatório, então todos os temas urgentes, emergentes e necessários terão de estar presentes também através da voz destes povos.

A Igreja é muito mais sensível em algumas regiões, mas veremos. Isto será também um grande teste de quanto nós estamos permitindo ser permeados por estas realidades ou quanto só gostamos de falar sobre elas. Sobre a questão da América Latina não posso dizer que temos um resultado garantido, o que posso dizer é que, com a Assembleia Eclesial, que está sendo impulsionada pelo CELAM, mas também pela CLAR, Caritas, etc., já vamos ter uma base muito poderosa de escuta que será incorporada em todo o processo do Sínodo sobre a Sinodalidade.

Aí a região da América Latina, se conseguirmos levar a cabo o processo de escuta tal como está sendo proposto, temos um pouco menos de três meses, fará a diferença, terá uma forma muito mais longa de escutar, considerando os improváveis, os periféricos, do que as outras regiões. Só espero que consigamos complementar as visões meramente norte-cêntricas, que não permaneçamos em visões eurocêntricas, que por vezes têm mais categorias de peso teológicas, mas certamente não com a força experiencial que vem de outras realidades. Espero que nos comprometamos seriamente a garantir as pontes para que estas vozes possam chegar até nós.

Falando do que diz, lembro-me das palavras do Papa Francisco alguns dias depois de ter assumido o pontificado, quando disse que gostaria de uma Igreja pobre e para os pobres. Poderíamos dizer que, com este sínodo e com estas perspectivas de que fala, se abre a possibilidade de uma Igreja dos pobres, onde os pobres são protagonistas?

Há aqui uma linha tênue. Estamos falando de um sínodo que deveria, com convicção, lançar as bases para que não sejam excluídos, que sejam genuinamente preferidos, mas não os únicos. Isto é muito importante, não é passar de uma Igreja que exclui os pobres para uma Igreja dos pobres que exclui os outros. É uma Igreja que vindica a opção de Jesus pelos preferidos, dá-lhes um espaço, e um espaço privilegiado, mas onde todos nós podemos encaixar.

A chave para este sínodo está na escuta plena e ativa permanente de uma Igreja a todos os seus membros, com especial atenção àqueles que têm sido os mais improváveis ou periféricos.

Sabemos que existe resistência ao Papa Francisco dentro da Igreja e que haverá resistência a todo este processo sinodal que terá início nos próximos meses. De onde pensa que esta resistência poderá vir e que medidas deverão ser tomadas para superá-la?

Ao longo dos anos parei de falar de resistência, que existe, e existe muito, para falar de forças que impedem a revelação do Espírito. Há aqueles que já conhecemos, os muito barulhentos, que sentem os seus interesses ameaçados, sejam eles econômicos, de poder, ou de fingir que nada muda para garantir a continuidade de formas que poderíamos chamar mais clericais, hierárquicas num sentido não inclusivo, seja de dentro da Igreja ou de fora. Vemos isso e vamos vê-lo.

Mas também vamos encontrar as mesmas forças que se opõem ao Espírito daqueles que vêm com uma tese unívoca e predefinida, baseada numa convicção ideológica que não dá lugar a discernimento. No sentido de que este Sínodo sobre a Sinodalidade só é válido, como aconteceu na Amazônia, na medida em que confirma, abraça e resolve todas as preocupações que tenho em termos de reforma eclesial de acordo com a minha visão e ideologia. Tudo o que não abraça a dinâmica do Kairós, o que significa o tempo de Deus - o tempo propício - noutro ritmo que não é o nosso e onde não há espaço para expectativas particulares ou reduzidas a interesses particulares.

Preocupa-me que, de certa forma, estas forças obstrutivas dos extremos estejam, em alguns casos, silenciando as vozes necessárias para um profundo consenso moral, que é o que produz mudança, mesmo que mais moderada, mas que vai mais longe no tempo, e que produz os novos caminhos. Mesmo que, aos olhos de alguns, por vezes não sejam tão rápidas e radicais como esperariam. As vozes profundas ficam um pouco surdas no meio dos gritos estridentes, mas tal como Elias, acredito com grande fé que o Espírito está presente na brisa e não no barulho. 

Luis Miguel Modino, assessor de comunicação CNBB Norte 1

Leia também:
Procuram-se pessoas loucas...
REPAM e CEAMA, dois rios para a sinodalidade na Igreja

Dom Mário denuncia o garimpo ilegal

Por uma Igreja Sinodal

Ecologia integral: Corpo de Cristo

Continuar sendo a Igreja que não se cala

O Sínodo requer paciência

Colômbia em chamas...
Carta do CELAM ao Papa Francisco

Sinodalidade: um processo construído aos poucos

Alegria e tristeza

O Espirito age a partir de baixo: o Sínodo
Mensagem dos Bispos do CELAM ao povo de Deus
Carta aberta dos bispos da Amazônia

O vírus da corrupção

CELAM busca estrutura mais adequeda

Uma Igreja mais missionária e evangelizadora

CELAM - Promoção do discipulado e da consciência missionária

Novas relações no seio da Igreja

Pessoas ou tijolos: o que importa mais


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
  

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS