Destaques Religião
15/02/2020 Good Shepherd Asia e Slate.fr Edição 3920 Uma freira no corredor da morte
F/ Slate.fr
"Durante quase 40 anos, Ir. Gerard Fernandez acompanhou os condenados à morte em seus últimos passos, como uma presença de paz e misericórdia."

Uma freira no corredor da morte

Durante quase 40 anos, Ir. Gerard Fernandez acompanhou os condenados à morte em seus últimos passos, como uma presença de paz e misericórdia.

 

Por longos anos, a freira Gerard Fernandez visitava pessoas na prisão na prisão de Changi, em Cingapura. Ela sentiu um chamado particular ao ministério da compaixão em relação a mulheres e homens que enfrentavam a pena de morte. Agora sua história foi capturada e retratada no filme “Sister”, do cineasta Chai Yee Whei. Surge um momento doloroso no meio do curta-metragem, quando a irmã de uma vítima de assassinato confronta a freira que tem aconselhado o cúmplice do assassino.

- "Por que você tem que fazer isso? Por que você tem que aconselhar alguém que fez tanto mal?"

Margaret Ng, então no final da adolescência, pergunta à Irmã Gerard Fernandez em um apelo agonizado e apaixonado:

- "Como você pode ajudá-los?"

Sua irmã, Agnes, tinha apenas nove anos quando ela e outra criança, Ghazali Marzuki, de 10 anos, foram assassinadas em um ritual de assassinato em um apartamento de Toa Payoh, em 1981. O médium do templo Adrian Lim e suas duas "esposas sagradas", Catherine Tan Mui Choo e Hoe Kah Hong, foram condenados à morte pelos assassinatos. Sua história lúgubre de sexo, superstição e assassinato tomou conta da nação por anos.

Mas foi a história da freira que teve pena das mulheres e as encontrou toda semana, durante sete anos, e as acompanhou em sua jornada final para a forca em 1988, que Chai escolheu contar em seu filme. Em vez de se defender de Margaret naquele momento, a irmã Gerard ficou em silêncio. As palavras não eram necessárias, disse ela ao jornal The Straits Times, em uma entrevista exclusiva antes do lançamento público do filme. Em vez disso, ela compartilhou a dor da jovem olhando-a nos olhos e abraçando-a.

 

Sustento espiritual

“Ela cometeu um grave erro” – avalia Ir. Gerard Fernandez, hoje com 81 anos de idade, antes de acrescentar: “Eu fiquei triste quando ouvi a notícia pela primeira vez, mas eu sabia que devia ir vê-la”. A freira conhecera Tan Mui Choo como aluna de seu convento. Visitou-a durante sete anos e passou com ela longas noites de oração: “Eu estava lá para sustentá-la. Penso que isto a libertou de sua prisão mental”.

Depois de Tan Mui Choo, Irmã Gerard acompanhou outros 18 condenados à morte. Para ela, “os condenados tem necessidade de muito apoio mental, emocional e espiritual. Eu queria ajudá-los a compreender que, com o perdão e a cura, eles seriam capazes de chegar a um lugar melhor”.

 

De volta à fé

O estigma e as emoções intensas que cercam o aconselhamento no corredor da morte também são retratados com pungência em “Sister”. Pioneira no aconselhamento no corredor da morte, a irmã Gerard, 80 anos, cofundou o Ministério da Prisão Católica Romana em 1977. Ao divulgar novos detalhes sobre o encarceramento de mulheres, o filme acrescenta uma dimensão extra à compreensão pública do caso de alto nível e do domínio pouco conhecido do aconselhamento no corredor da morte.

Além de mostrar o confronto entre a Sra. Ng e a Irmã Gerard, o filme também revela que as duas mulheres conseguiram vestir vestidos de cetim azuis com faixas e sapatos brancos antes de serem enforcados. Naquela época, era um protocolo padrão que os prisioneiros do corredor da morte fossem enforcados em suas roupas bege e chinelos. Mas Irmã Gerard queria dignidade para as mulheres em sua morte, e conseguiu convencer as autoridades da prisão a permitir que os vestidos fossem usados.

Quando foram informadas apenas três dias antes de suas sentenças serem cumpridas na sexta-feira, 25 de novembro de 1988, Irmã Gerard levou outra freira para costurar os vestidos em tempo recorde.

“Eles me perguntaram, enquanto usavam seus vestidos: “Como eu estou?” Eles estavam se apreciando, depois de se arrependerem e se perdoarem pelo que haviam feito. Fiquei emocionado com a mudança e a transformação que vi neles ", disse Irmã Gerard.

O filme mostra como ela colocou rosários em suas mãos e cantou o hino "How Great Thou Art" com eles, enquanto as duas mulheres caminhavam pelo corredor até a forca. Tan retornou à sua fé infantil do catolicismo na prisão, e Hoe também pediu para ser batizado como católico.

Do lado de fora da câmara de forca, Irmã Gerard ouviu a alavanca do alçapão sendo puxada enquanto ela continuava cantando.

 

Fontes: Good Shepherd Asia e Slate.fr

 

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS