Destaques Em cima da hora
06/08/2021 Luís Miguel Modino Edição 3939 Um ano do Massacre do Abacaxis “Nós não podemos deixar morrer essa questão”, afirma Dom Leonardo
F/ REPAM
"Dom Leonardo pediu que o Seminário possa ajudar a acordar a sociedade, destacando o esforço dos organismos da Igreja 'para não deixar silenciar essa tragédia que aconteceu' [...] 'nós não podemos deixar morrer essa questão, não podemos deixar desaparecer'."

Um ano do Massacre do Abacaxis: “Nós não podemos deixar morrer essa questão”, afirma Dom Leonardo

Os conflitos envolvendo terra e as comunidades tradicionais e povos originários se tornaram uma constante na Amazônia. Neste 4 de agosto completa um ano do Massacre do Abacaxis, em que indígenas e ribeirinhos na região do Rio Abacaxis e Rio Marimari, entre os municípios de Nova Olinda do Norte e Borba, no Estado do Amazonas, foram assassinados.

Ao se completar um ano, para combater a impunidade, tem acontecido o seminário “Um ano do massacre do Abacaxis: Haverá justiça?”, em que a Arquidiocese de Manaus, o Conselho Indigenista Missionário, Comissão Pastoral da Terra e outras entidades civis tem promovido uma reflexão com a participação de indígenas e ribeirinhos e representantes de diferentes entidades sociais e eclesiais.

O Seminário tem sido momento para cobrar justiça, mas também para relatar as consequências de um conflito que permanece latente. A principal consequência é que “perdemos essa liberdade dentro do nosso próprio território”, segundo Jair Reis, liderança do povo Maraguá. Ele denunciava “as invasões de caça, de pesca, de madeireiro, de garimpeiro”, e junto com isso, a instauração no meio do povo do terror, o medo e as ameaças, denunciando que “não podemos fazer nada”, se perguntando se “haverá justiça para isso”, pois “passou um ano e nada foi resolvido”. Esse é um relato que também tem sido partilhado pelas lideranças das comunidades ribeirinhas da região e do povo Munduruku, relembrando o acontecido um ano atrás.

Do Seminário participaram a deputada Joenia Wapichana, que pediu a apuração das ilegalidades, denunciando as violações de direitos indígenas que estão acontecendo no Brasil, e o deputado José Ricardo, mostrando a vontade do poder público de promover leis para revogar os direitos indígenas reconhecidos pela Constituição Federal, e o fato de que o Brasil tem “um governo que de forma deliberada age contra os povos indígenas, desmontando as estruturas públicas”.

Em representação do Conselho Nacional de Direitos Humanos, Yuri Costa, que definiu o Seminário como “um ato para continuar na luta por justuça”. Desde o Ministério Público no Estado do Amazonas, Fernando Merloto Soave falava sobre as omissões do poder público, algo muito presente nas comunidades amazônicas, sendo o caso abordado uma referência nesse sentido. Também desde o Ministério Público Federal em Brasília, Felício Pontes chamava a analisar a atividades que estão colocando em risco as populações tradicionais na Amazônia, afirmando que o desejo das comunidades de viver em harmonia com a natureza foi a causa do massacre do Rio Abacaxis.

A Igreja tem estado junto desde o início, segundo Dom Leonardo Steiner, citando o acompanhamento do CIMI, CPT, SARES e Arquidiocese de Manaus. O arcebispo de Manaus definiu a situação do Rio Abacaxis como “um momento extremamente difícil, difícil porque o Estado que deveria proteger, viola, destrói, mata”, denunciando que “a Polícia Militar, ela existe para proteger, não para matar”, afirmando que todos sabemos “o que aconteceu e quem são os culpados”, esperando o agir da justiça, que definiu “não como direito, mas como a equidade necessária para a tranquilidade social, para haver relações sociais equânimes”.

Dom Leonardo pediu que o Seminário possa ajudar a acordar a sociedade, destacando o esforço dos organismos da Igreja “para não deixar silenciar essa tragédia que aconteceu”. O arcebispo espera que “permaneçamos ativos, acordados e recordando sempre de novo a necessidade de que as pessoas sejam responsabilizadas e os corpos sejam encontrados”. Por isso, ele insistiu em que “nós não podemos deixar morrer essa questão, não podemos deixar desaparecer”.

O Seminário foi momento para numa celebração ecumênica fazer memória das vítimas, que além de contar com representantes de diferentes igrejas, congregou lideranças indígenas e familiares das vítimas, recordadas na celebração. Foi momento para denunciar o sofrimento do povo e os abusos de autoridade tão presentes na Amazônia, de mostrar solidariedade e que as comunidades e familiares das vítimas não estão sozinhos.

No ato ecumênico, conduzido pelo padre Paulo Tadeu Barausse, o pastor Marcos Antônio Rodrigues, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana de Manaus, afirmava que o Rio Abacaxis poderia ser lembrado como lugar do sofrimento dos pobres. Segundo o pastor, “as águas do Rio Abacaxis se mancharam porque nós não soubemos cuidar daqueles e daquelas entre nós precisam que a justiça se faça presença e vida na vida deles”. A voz trémula dos familiares foi mais um testemunho de uma dor ainda presente na vida dos moradores de uma região e de um povo que pediu justiça em nome de Deus.

Numa carta pública, lida no final da celebração, onde foi lembrado que “o Massacre Abacaxis é um exemplo emblemático da violência das forças policiais no Estado, e também de impunidade quando a violência ocorre contra as pessoas mais vulneráveis”, denunciando abertamente “um Estado que mata, tortura, que vinga sob a mesma justificativa dissimulada de reprimir o tráfico de drogas”. A carta tem denunciado as marcas ainda gravadas na alma do povo, da falta de respostas diante da perda dos entes queridos, da falta de respeito pelos direitos fundamentais, da tortura e humilhação por parte da polícia, do aumento da violência e das invasões.

Diante de tudo isso, as organizações que assinam a carta têm mostrado seu repúdio e insistido em que “não há polícia, não há governo e não há descaso que possam derrubar quem está unido na luta por justiça”. Por isso, mais uma vez pediram o esclarecimento do acontecido e a devolução dos corpos desaparecidos. Por isso, refirmaram o afastamento de toda a cúpula da segurança pública do Amazonas diretamente envolvida nas violações.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Leia também:
Apoio incondicional ao sistema eletrônico
A missão, maior paradigma vocacional

#VacinaAmazônia, mais vacinas e maoir sensibilização

Trabalhar em rede, não isoladamente

O desafio de amazonizar o Brasil e o mundo
A vitória da indiferença diante das mortes
Pela unidade da Igreja de Cristo

A responsabilidade das religiões

Papa restringe a celebração da missa na forma anterior ao Vat. II

1ª Assembleia Eclesial e a conciência de discipulos

O futuro começa agora

#Voces: um pacto educativo global

8º Intereclesial das CEBs no Paraná

A vida de Lázaro também importa
Lei da ficha limpa - Nota de Repúdio
Igreja apostólica e sinodalidade
O processo de Escuta deve ser mútuo e transformador

"O diaconato de mulheres só precisa ser reconhecido..."

Para que serve um velho?

Precisamos de leigos como sujeitos eclesiais

Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS