Destaques Atualidade
21/09/2021 Luis Miguel Modino Edição 3940 Trazer a verdade do que acontece no campo: Caderno de Conflitos na Amazônia
F/ By L M Modino
"São violências que ficam escondidas, que não são divulgadas pela grande imprensa, também não pela mídia de inspiração católica. O bispo da Prelazia de Itacoatiara lembrou a importância que tem os dados recolhidos no Caderno de Conflitos como fonte de pesquisa de muitos estudiosos, mostrando vários exemplos disso."

Os conflitos no campo têm se tornado causa de violência e morte no Brasil, especialmente na região amazônica, foco principal desses conflitos. Já se tornou costume que a Comissão Pastoral da Terra (CPT), elabore o Caderno de Conflitos, que nesta segunda-feira, 20 de setembro, foi lançado no Seminário São José de Manaus, focando na realidade da Amazônia, que concentrou o 62,4% dos conflitos por terra em 2020.

Tem sido momento para fazer memória daqueles que tem construído a história da CPT, daqueles que doaram e doam sua vida na defesa dos mais pobres, segundo lembrava Dom José Ionilton Lisboa de Oliveira. O presidente da CPT denunciava que são violências que ficam escondidas, que não são divulgadas pela grande imprensa, também não pela mídia de inspiração católica. O bispo da Prelazia de Itacoatiara lembrou a importância que tem os dados recolhidos no Caderno de Conflitos como fonte de pesquisa de muitos estudiosos, mostrando vários exemplos disso.

Dom Leonardo Steiner destacou que o Caderno de Conflitos é “uma maneira de guardar a memória do conflito, das mortes, mas também trazer sempre de novo a verdade do que acontece no campo”. Segundo o arcebispo de Manaus, “o que acontece por trás das mortes e dos conflitos, existem sempre interesses, que não são interesses justos, são interesses apenas econômicos e que vão lançando as pessoas numa situação cada vez mais difícil”.

Dom Leonardo lembrou que “a CPT tem sido uma presença pacificadora, mas também uma presença denunciadora, uma presença profética, uma presença do direito que as pessoas tem, e o direito de ter uma vida digna”. O arcebispo fez um chamado a que “nós possamos sempre caminhar, com coragem e esperança, sem nos desanimar demais”. Ele afirmou que “a pesar do conflito ter crescido muito, e estarmos em uma situação política difícil, não podemos perder a esperança”.

A CPT e o CIMI (Conselho Indigenista Missionário), segundo lembrou Dom Edson Damian, nasceram na Ditadura, sempre andaram demãos dadas e sempre mantiveram a sua postura profética. São duas pastorais que “nasceram para defender os mais pobres, os mais massacrados do nosso país, os povos indígenas e os trabalhadores do campo”, segundo o presidente do Regional Norte 1 da CNBB, que mostrou seu apoio ao trabalho da CPT.

O coordenador de pastoral da Arquidiocese de Manaus denunciou a impunidade no Brasil, que é grande, também naquilo que faz referência à questão da terra, e que tem provocado a instalação de políticas de morte. O padre Geraldo Bendaham destacou a importância de a apresentação do Caderno de Conflitos acontecer lá onde são formados os futuros presbíteros do Regional Norte 1, e que eles tenham sensibilidade para perceber as dores da Amazônia e de seus povos. Finalmente, ele insistiu em manter a alegria que nos leva a não desistir da luta.

O deputado federal José Ricardo Wendling ressaltou a importância do Caderno de Conflitos como fonte de pesquisa, inclusive para muitos parlamentares na Câmara dos Deputados em Brasília. O deputado, que faz parte do Conselho de Leigos da Arquidiocese de Manaus, destacou a importância das políticas públicas para garantir direitos em todos os campos. Ele denunciou alguns projetos no Congresso Nacional, tramitados com grande rapidez, que visam a retirada de direitos dos povos tradicionais e os indígenas.

A Amazônia é uma região com grande quantidade de terra em disputa, segundo relatou Zezinho Iborra, da Articulação da CPT na Amazônia. Os indígenas e as comunidades tradicionais são os mais atingidos por esses projetos, consequência do avanço da fronteira agrícola. Quem provoca mais conflitos é o Governo Federal, os fazendeiros e os grileiros. São conflitos que tem atrás questões antropológicas, segundo Willas Dias, quem destacou a importância de que o mundo possa olhar para a Amazônia como caminho para resolver os conflitos que estão acontecendo.

São conflitos presentes na Amazônia, em todos os cantos, como foi testemunhado em exemplos concretos: no Rio Abacaxis, em Parintins, Lábrea, Itacoatiara, Rio Preto da Eva, Careiro, que mostram as ameaças que sofrem os povos e um bioma cada vez mais decisivo para garantir o futuro do Brasil e do Planeta.

Leia também:
Pablo Richard: Força espiritual da Palavra de Deus
Somos um em Cristo Jesus

Na força da Eucaristia: XVII Capítulo Geral Sacramentino

Migrantes e refugiados: eu não, nós

Nós decidimos como tratar refugiados

Setembro mês da Bíblia

Parlamentares católicos na busca do diálogo

Sete anos da REPAM - Rede Eclesial Pan-Amazônica

Não ao Marco Temporal

Mensagem conjunta para o cuidado com a criação

Inauguração de centro médico indígena

Um país onde todos possam se sentir à vontade

Sínodo 2023: lugar de comunhão, não de confronto

50 anos do Mês da Bíblia

Memória de Casaldáliga e desinvestimento em mineração

Campanha 'Solidariedade e Missão'

Vida humana e divina

Casaldáliga: Místico e profeta

Sonho realizado: escola ticuna

Um ano do massacre dos Abacaxis

Apoio incondicional ao sistema eletrônico

A missão, maior paradigma vocacional


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
 

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS