Formação Missão
24/06/2021 Félix Placer Ugarte Edição 3937 Sinodalidade e espiritualidade
F/ Religión digital
"Este novo Sínodo pode e deve ser um evento inovador para uma Igreja que se torna povo de Deus nos povos da terra afim de caminhar juntos, sinodalmente, na luta pela justiça. [...] "se a mensagem cristã sobre o amor e a justiça não mostrar sua eficácia na ação pela justiça no mundo, dificilmente será crível pelos homens de nosso tempo ”."

O caminho da Igreja é traçado, segundo a Constituição Pastoral do Vaticano II, entre “as alegrias e as esperanças, as dores e as angústias, especialmente dos pobres e dos que sofrem”. É o seu roteiro para cumprir a sua missão de ir ao mundo em que vive e para o qual é enviada, “ungida” pelo Espírito, como Jesus de Nazaré, para dar “a boa notícia aos pobres, a liberdade aos cativos e oprimidos… ”(Lc 4,18). Somente seguindo essa direção será fiel a quem veio realizar a mais profunda libertação da humanidade e a plenitude de toda a Criação. Esta é a missão que constitui a sua identidade, desde a comunidade mais humilde até a sua mais ampla presença neste mundo.

Daqui nasce e se concretiza o sentido da sinodalidade, isto é, do seu “caminhar juntos”, do seu caminho comum, movido pelo Espírito à solidariedade da humanidade.

Fazer um caminho Sinodal

Portanto, se a Igreja, como nos convida o Papa Francisco, se compromete a empreender o caminho sinodal, deve olhar, antes de tudo, para os que sofrem, os pobres e os povos, os migrantes, os refugiados, os que estão no abismo da marginalização, a que grande parte da humanidade tem sido ameaçada por sistemas e poderes desumanos, promotores de uma “economia da exclusão e de iniquidade”.

Esta sinodalidade é impulsionada pelo Espírito que se derrama e vive em espiritualidades muito diversas e plurais; especialmente naquelas que se experimentam e são vividas dentro dessa marginalidade econômica, cultural, social e política. Essas espiritualidades oferecem à sinodalidade sua direção para caminhar juntos na construção de um mundo justo e fraterno, em uma terra cuidada, casa comum, no amor universal e na fraternidade sem fronteiras, como propõe Francisco em Fratelli tutti e Laudato si'.

Esta "nova sinodalidade" inspirada pelo Espírito, presente em tantas espiritualidades, é dialógica, solidária, aberta, compartilhada, libertadora. Começa, como insiste o próprio Papa, “a partir de baixo, a partir do povo, dos problemas de cada dia”. Seu diálogo se realiza, sem exceções, com as espiritualidades plurais, em especial com aquelas que uma falsa arrogância espiritualista excluiu e esqueceu.

Por isso, a espiritualidade sinodal deve colocar-se à escuta de outras espiritualidades vividas nas periferias do mundo atual; daqueles que se estendem em outras culturas, povos e religiões; daquelas que oferecem e praticam um profundo sentido místico, como as orientais. Mas não para incluí-las em seus dogmas e doutrinas, mas para aprender com elas e com sua sabedoria, respeitando suas diferenças e pluralidade. Porque, como recordou o próprio Concílio, reconhece nelas o que há de “verdadeiro e santo” .

Portanto, a sinodalidade autêntica é também caminhar junto àqueles que buscam, vivem e experimentam a sabedoria em suas experiências espirituais tão diversas, indígenas, de outras crenças religiosas, de outras convicções e experiências, também agnósticas e ateístas. Do contrário, corremos o risco de uma sinodalidade fechada nas esferas eclesiásticas que encurta os horizontes e nos impede de caminhar para uma abertura solidária para oferecer respostas comuns e participação solidária ao mundo atormentado de hoje, especialmente nestes tempos de pandemia e suas consequências de crescente empobrecimento e desigualdade.

Escutar com empatia, dialogar com liberdade

Em consequência, a sinodalidade deve estar em diálogo com aquelas espiritualidades que, mesmo para além das instituições religiosas, vivem a presença do Espírito no coração da humanidade, em toda a Criação, com um sentido holístico.

Uma espiritualidade sinodal convida-nos, portanto, a escutar com empatia, a dialogar com liberdade, a aprender com humildade, a comunicar-nos sem medo e sem reservas, porque o Espírito sopra onde quer (Jo 4,8). Impulsionar tal sinodalidade é confiar nesse Espírito. O Papa não duvida quando insiste que o Sínodo "deve começar nas pequenas comunidades, nas pequenas paróquias... da totalidade do Povo de Deus". Estes lugares serão adequados se viverem os problemas de cada dia do seu ambiente, se estiverem próximos e partilharem as buscas, as esperanças das pessoas e grupos mais necessitados com os quais convivem, se o seu centro não for a paróquia e seu culto, mas a situação que sofrem, se o seu compromisso os leva a unir-se às lutas pela justiça, pela fraternidade, pela igualdade.

No entanto, ainda persistem relutâncias autoritárias, hierárquicas e clericais, bem como posições conservadoras recorrentes . Muitas das chamadas comunidades cristãs e Igrejas particulares estão longe da vida e se fecham com medo em suas práticas devocionais. Portanto, se faz necessário e urgente uma espiritualidade de audácia, da intrepidez (parresia), da utopia, da profecia, do diálogo onde todas as pessoas aprendem de todos, em especial das mais humildes, marginalizadas, desprotegidas. Isso supõe mudar as posturas eclesiásticas dominantes para poder ouvir o Espírito que se manifesta nos sinais dos tempos, na vida das pessoas, mulheres e homens com seus problemas cotidianos, nos conflitos e nas lutas libertadoras.

Ali o Espírito fala por quem sabe ouvi-lo na sua qualidade humana profunda, na sua relação com os outros, no sofrimento e também no progresso e nas alegrias, no silêncio contemplativo solidário; mas não, certamente, em imposição e submissão; menos ainda na distância dos problemas das pessoas ou naqueles que olham para trás quando seguem seu caminho sem atender a tantas pessoas jogadas e abandonadas na sarjeta da vida.

Claro, nem tudo que é apresentado como espiritualidade é assim. Senso crítico e discernimento são necessários para não se deixar levar por ventos aleatórios e navegar à deriva. A espiritualidade autêntica vem do Espírito que é liberdade, relacão e compromisso ético e, em última instância, amor. Para o cristão, a sua referência básica é Jesus Cristo, que a levou às últimas e plenas consequências, dando a sua vida pelos demais, para que todas e todos tenhamos vida em abundância (Jo 10,10).

Um tempo da graça (Kairós) para Igreja

Por sua vez, toda espiritualidade autêntica é sinodal, ou seja, escuta outras experiências em um diálogo comunicativo; ela caminha compartilhando sentimentos espirituais mais profundos e as lutas por aspirações a uma vida digna na justiça; conduz a uma relação profunda que leva a descobrir a unidade humana, cósmica, holística onde está o Espírito que anima a totalidade. Uma espiritualidade sinodal é, portanto, dialogante, compartilhada, relacionada, onde ninguém está acima de ninguém e a única autoridade é o serviço aos mais humildes do evangelho libertador (Lc 4,18). Não se aliena da realidade nos espiritualismos desencarnados nem, das pretensas verdades absolutas, se aproxima do diálogo aberto e livre.

Seguindo a linha e as propostas do Papa Francisco, este novo Sínodo pode e deve ser um evento inovador para uma Igreja que se torna povo de Deus nos povos da terra afim de caminhar juntos, sinodalmente, na luta pela justiça. Porque, como já afirmava o Sínodo de 1971 no seu documento sobre a "Justiça no mundo": "A esperança e o progresso que animam profundamente o mundo não são estranhos ao dinamismo libertador do Evangelho e à força do Espírito que ressuscitou Cristo da morte ... porque se a mensagem cristã sobre o amor e a justiça não mostrar sua eficácia na ação pela justiça no mundo, dificilmente será crível pelos homens de nosso tempo ”.

Por conseguinte, será uma Igreja sinodal, porque caminha, sofre, acompanha e luta guiada e animada pelo Espírito libertador, que inspira tantas espiritualidades, para alcançar povos irmãos numa terra cuidada onde a ninguém falte teto, terra, trabalho e pão, na paz que nasce da dignidade humana e da justiça.

Fonte: Religión Digital

Leia também:
Catequese Papa Francisco: Introdução aos Gálatas
Sínodo vai exigir repensar as estruturas da Igreja
A irresponsabilidade das autoridades

Sínodo 2023: Equipe de animação do Brasil

500 mil vidas presentes em nossas vida
s
Uma vida doada aos esquecidos do mundo

Nota de solidariedade a Dom Vicente Ferreira

Toda vida importa: CNBB prepara mobilização

Oração para a Assembleia Eclesial

Ação na Pandemia

A Igreja no mundo urbano

Uma Igreja samaritana que chega aos recantos

Uma Igreja Sinodal

Procuram-se pessoas loucas...

REPAM e CEAMA, dois rios para a sinodalidade na Igreja

Dom Mário denuncia o garimpo ilegal

Por uma Igreja Sinodal

Ecologia integral: Corpo de Cristo

Continuar sendo a Igreja que não se cala

O Sínodo requer paciência

Colômbia em chamas...
Carta do CELAM ao Papa Francisco

Sinodalidade: um processo construído aos poucos


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
  

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS