Destaques Atualidade
11/10/2019 Vatican News Edição Santa Dulce dos Pobres Dulce dos Pobres e os cinco novos santos da Igreja
F/VaticanNews
F/VaticanNews
"Irmã Dulce dizia ver nos pobres e nos enfermos, nos indigentes jogados nas marquises, o rosto sofredor de Jesus, razão pela qual sentia o dever de agir"

Irmã Dulce dos Pobres, um grande amor à Eucaristia e à Virgem Maria

O bispo da Diocese de Irecê - BA, Dom Tommaso Cascianelli, foi orientador espiritual e conselheiro da religiosa que será declarada Santa na celebração de canonizações que o Papa Francisco presidirá este domingo, dia 13 de outubro, no Vaticano. Em entrevista concedida à Rádio Vaticano - Vatican - News, Dom Tommaso nos destaca os traços característicos da espiritualidade da futura Santa, seu amor à Eucaristia e a Nossa Senhora
Amigo ouvinte, o nosso espaço de formação e aprofundamento de hoje traz a participação do bispo da Diocese de Irecê (BA), Dom Tommaso Cascianelli, religioso da Congregação da Paixão de Jesus Cristo, mais conhecida como Congregação dos Passionistas.

Italiano, Dom Tommaso chegou ao Brasil em 1980 como missionário passionista, assumindo diferentes encargos educacionais e paroquiais no exercício de seu ministério sacerdotal em várias cidades da Bahia, entre as quais a capital Salvador, onde conheceu Irmã Dulce Lopes Pontes (nome de batismo, Maria Rita Lopes de Sousa Brito) e suas obras sociais, tornando-se mais tarde orientador espiritual e conselheiro da religiosa que será declarada Santa na celebração de canonizações que o Papa Francisco presidirá no próximo dia 13 de outubro no Vaticano.

Exemplo luminoso de caridade e de amor ao próximo, Irmã Dulce dos Pobres – como é chamada – é também conhecida como o “Anjo bom da Bahia”, recordada por suas obras de caridade e de assistência aos pobres e necessitados.

Nascida em Salvador em 26 de maio de 1914, a religiosa da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus faleceu na capital soteropolitana em 22 de maio de 1992 e foi beatificada em 22 de maio de 2011. Como orientador espiritual e conselheiro de Irmã Dulce, Dom Tommaso acompanhou a religiosa nos últimos anos de sua vida.

“Irmã Dulce dizia ver nos pobres e nos enfermos, nos indigentes jogados nas marquises, o rosto sofredor de Jesus, razão pela qual sentia o dever de agir”, ressalta Dom Tommaso, a quem pedimos que nos destacasse os traços característicos da espiritualidade da futura Santa

Biografias dos cinco novos Santos

Apresentados nesta manhã na Sala de Imprensa da Santa Sé detalhes da cerimônia de canonização que será realizada no próximo domingo, 13 de outubro, na Praça São Pedro. Serão canonizados os beatos: Irmã Dulce Lopes Pontes, João Henrique Newman, Josefina Vannini, Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, e Margarida Bays
 

Foram apresentadas, na manhã deste sábado (11/10), na Sala de Imprensa da Santa Sé, pelos seus respectivos Postuladores, as biografias dos cinco novos Santos, que serão canonizados pelo Papa, no próximo domingo, na Praça São Pedro.

Os novos Santos serão:

João Henrique Newman, convertido do Anglicanismo, fundador do Oratório de São Felipe Neri, na Inglaterra; e quatro mulheres:

Irmã Dulce Lopes Pontes, no civil Maria Rita, primeira santa brasileira, da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus;

Margarida Bays, virgem, Terciária da Ordem de São Francisco de Assis;

Josefina Vannini, no civil Judite Adelaide Águeda, fundadora das Filhas de São Camilo; e

Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, Fundadora da Congregação das Irmãs da Sagrada Família.

Eis alguns breves dados biográficos dos novos Santos

Cardeal João Henrique Newman:

 João nasceu em Londres, em 1801. Foi ordenado sacerdote pela Igreja Anglicana tornando-se pároco de São Clemente, em Oxford.

Em 1845, Newman converteu-se ao catolicismo e, alguns anos depois, foi ordenado sacerdote da Igreja Católica. Fundou o Oratório de São Felipe Neri e foi criado Cardeal em 1879, com o lema "O coração fala ao coração”.

Joao Newman faleceu em 11 de agosto de 1880 e foi beatificado por Bento XVI em 19 de setembro de 2010.

Irmã Dulce Lopes Pontes:

Maria Rita nasceu, em Salvador, Bahia, em 1914. Tinha 6 anos quando sua mãe faleceu. Aos 18, entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, onde recebeu o nome de Dulce. Fundou a União dos Trabalhadores de São Francisco, um movimento operário cristão, e o hospital Santo Antônio.

Irmã Dulce faleceu na capital baiana em 1992. Foi beatificada em 2011, durante o Pontificado de Bento XVI.

O milagre que a levou à canonização é a cura milagrosa de José Maurício Bragança Moreira, que ficou cego por causa de um glaucoma grave. Ao sofrer de conjuntivite, colocou uma pequena imagem da Irmã Dulce sobre os olhos, pedindo a sua intercessão. Quando acordou, voltou a ver de novo.

Josefina Vannini:

Josefina Vannini nasceu em Roma, em 1859. Aos quatro anos de idade, perdeu o pai e, três anos depois, a mãe. Durante os exercícios espirituais, conheceu o sacerdote camiliano, Padre Luigi Tezza, que reconheceu nela a pessoa indicada para iniciar uma nova Congregação, fundada em 1892, com o nome de Filhas de São Camilo.

Madre Josefina faleceu em 1911 e, em 1994, foi beatificada por São João Paulo II.

O milagre que a levou à canonização, refere-se a Arno Klauck, mestre de obras de Sinop (MT), que caiu do terceiro andar enquanto colocava vigas de madeira. Enquanto caía, invocou a intercessão da religiosa, salvando-se, milagrosamente, com apenas alguns hematomas.

Maria Teresa Chiramel Manki-diyan:

Maria Teresa nasceu em 1876, em Puthenchira, estado indiano de Kérala. Recebeu muitas graças místicas de Deus, como visões de Nossa Senhora e de Santos, além dos estigmas de Cristo, em 1909, que sempre manteve em segredo.

Em 1914, Maria Teresa fundou a Congregação das Irmãs da Sagrada Família. Sofrendo de diabetes, faleceu em 1926.

Madre Maria Teresa Chiramel foi beatificada por São João Paulo II, em 9 de abril de 2000.

Margarida Bays:

Margarida nasceu em Friburgo, na Suíça, em 1815. Filha de agricultores, trabalhou toda a sua vida como costureira. Acometida por um câncer, com a idade de 40 anos, ficou, inexplicavelmente, curada, em 8 de dezembro de 1854, dia em que Pio IX proclamou o Dogma da Imaculada Conceição.

Margarida teve muitas experiências místicas e experimentou os estigmas. Faleceu em 27 de junho de 1879 e foi beatificada por São João Paulo II, em 29 de outubro de 1995.

 

Fonte: VaticanNews

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS