Formação Missão
20/09/2021 Luis Miguel Modino Edição 3940 Rede Clamor Brasil: perceber o clamor de justiça na pessoa do migrante
F/ By L M Modino
"Padre Paulo Parise: estamos diante de 'um apelo à construção de um ‘nós’ universal que deve tornar-se realidade antes de tudo dentro da Igreja, chamada a fazer comunhão na diversidade'."

Nós crescemos quando acolhemos, quando descobrimos o outro como um irmão. Isso nos ajuda entender o tema da mensagem do Papa Francisco dedicada ao 107º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, marcado para o próximo dia 26 de setembro: “Rumo a um nós cada vez maior”.

Para refletir sobre esse tema, a Rede Clamor Brasil reuniu-se virtualmente nesta sexta-feira, 17 de setembro, um momento que também contou com a participação de Elvy Monzant, da Rede Clamor Continental, quem partilhou a caminhada da Rede em nível latino-americano e caribenho.

Diante do clamor de justiça, uma realidade que está no ar, dom José Valdeci Mendes Souza, Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para ação Sociotransformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), da qual faz parte a Rede Clamor, insistiu em que “a grande missão da Rede Clamor é perceber o grito, o clamor de justiça que não está simplesmente no ar, mas está na pessoa do migrante, daqueles e daquelas que são vulneráveis na sociedade”.

O bispo pedia que “este seminário nos ajude a termos essa sensibilidade para assumirmos e sermos profetas e profetizas neste tempo de pandemia”, fazendo um chamado a “que possamos sempre mais, acolher, proteger, promover e integrar”.

O padre Paulo Parise, coordenador da Missão Paz, analisando o tema da Jornada Mundial dos Migrantes, destacava que estamos diante de “um apelo à construção de um ‘nós’ universal que deve tornar-se realidade antes de tudo dentro da Igreja, chamada a fazer comunhão na diversidade”. Nesse sentido, definiu a Rede Clamor  como “um nós cada vez maior”. A mensagem, com uma estrutura muito simples, faz um duplo apelo à Igreja e à sociedade como um todo, em quatro pontos.

Em primeiro lugar, o apelo é por um mundo mais inclusivo, que conduza a construir nosso futuro de paz e justiça, enriquecido pela diversidade e as relações interculturais, que nos leva a superar medos, a cuidar da Casa comum. Junto com isso uma Igreja cada vez mais católica, que viva a universalidade, a comunhão na diversidade, que seja mais inclusiva, em saída às periferias. A partir dai deve ser construido o “nós”, um apelo que nasce da imagem do Deus Uno e Trino, que supera a divisão, fruto da fragilidade humana que gera nacionalismos fechados e esquece que todos estamos no mesmo barco.

A Rede Clamor, segundo o padre Agnaldo de Oliveira Junior, diretor nacional do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR) e membro da coordenação da Rede Clamor Brasil, “está realizando um mapeamento dos serviços da Igreja para e com os migrantes, refugiados e de atenção a vítimas de tráfico de pessoas na América Latina e Caribe”. No Brasil são mais de 100 organizações, presenças de atenção a essas pessoas, afirmava o jesuíta, que relatava a caminhada da Rede Clamor no Brasil desde o primeiro encontro.

Entre as coisas a fazer juntos, colocou a partilha de experiências, formar agentes de pastoral, produzir materiais e subsídios, campanhas de comunicação, estimular e propor ações e celebrar datas significativas.Junto com isso, foi motivado a necessidade de gerar caminhos de organização da Rede nos territórios.

Não podemos esquecer que tecer e fortalecer redes é o caminho para um nós maior, que nos dá a possibilidade de chegar mais longe e de, no campo dos migrantes e refugiados, desenvolver uma maior atenção àqueles que sofrem as consequências de uma sociedade excludente que provoca que a vulnerabilidade aumente.

Leia também:
Migrantes e refugiados: eu não, nós
Nós decidimos como tratar refugiados

Setembro mês da Bíblia

Parlamentares católicos na busca do diálogo

Sete anos da REPAM - Rede Eclesial Pan-Amazônica

Não ao Marco Temporal

Mensagem conjunta para o cuidado com a criação

Inauguração de centro médico indígena

Um país onde todos possam se sentir à vontade

Sínodo 2023: lugar de comunhão, não de confronto

50 anos do Mês da Bíblia

Memória de Casaldáliga e desinvestimento em mineração

Campanha 'Solidariedade e Missão'

Vida humana e divina

Casaldáliga: Místico e profeta

Sonho realizado: escola ticuna

Um ano do massacre dos Abacaxis

Apoio incondicional ao sistema eletrônico

A missão, maior paradigma vocacional

#VacinaAmazônia, mais vacinas e maoir sensibilização

Trabalhar em rede, não isoladamente

O desafio de amazonizar o Brasil e o mundo
A vitória da indiferença diante das mortes

Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
 

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS