Variedades Crônica
01/12/2020 Roberto Malvezzi (Gogó) Edição 3931 Piracema: força de vida e esperança
F/ Christopher Borges on Visualhunt.com
"É só nadando contra a corrente, até à exaustão, que o milagre da vida acontece. Os peixes que não migram não amadurecem seu processo hormonal, não se reproduzem, não contribuem para a perpetuação da vida. Servem apenas para serem pescados e devorados..."

Roberto Malvezzi (Gogó)*
Para os que estão desanimados 

Quando chegam as águas novas, carregadas de calor e nutrientes, dispara o ciclo reprodutivo dos peixes de piracema. Então, em cardumes, eles arrancam rio acima na busca desesperada pela reprodução da espécie. Um peixe como o dourado tem que nadar pelo menos quinhentos quilômetros contra a corrente, até à exaustão. Quando encontram um obstáculo em seu percurso, lutam para vencê-lo. Quando é impossível vencê-lo, a exemplo de uma barragem no leito de um rio, se lançam contra a parede até desfalecer, ou até morrer. Muitos preferem morrer que renderem-se ao obstáculo, porque o instinto da vida os leva a lutar até morrer. Os que se acomodam não se reproduzem, vivem seu tempo como indivíduos, até sua extinção e a extinção total da espécie.

Porém, quando é possível vencer o obstáculo, prosseguem sua “arribada” rumo à reprodução da vida. Só na exaustão as fêmeas amadurecem os hormônios, liberam os ovos na água, enquanto os machos liberam seus espermas. Então, a fecundação acontece na água.

Levados pelas correntes, os ovos fecundados eclodem no prazo de quinze horas. Agora já alevinos, levados pela enchente e pela correnteza, são carreados para seu berçário natural, isto é, as lagoas marginais. Ali ficarão pelo prazo de um ano, até a próxima cheia, quando já peixes jovens, voltarão ao leito do rio. Em alguns anos, quando estiverem maduros para a reprodução, farão o mesmo ciclo de seus pais.

É só assim, nadando contra a corrente, até à exaustão, que o milagre da vida acontece. Os peixes que não migram não amadurecem seu processo hormonal, não desovam, não liberam esperma, não se reproduzem, não contribuem para a perpetuação da vida. Servem apenas para serem pescados e devorados pela espécie humana.

Para os que têm fome e sede de justiça um dourado basta.

Membro da Comissão de Ecologia Integral da CNBB

Fonte: Fórum de ecologia integral

 

Leia também:

Os warao e a Fratelli Tutti
Missionário Incansável

O Som da cor e as sementes da coragem

Tornamo-nos aquilo que escolhemos, para o bem ou o mal

Existem padres na Amazônia?
“Nossa vida está sempre por um fio”
Consciência negra com D. José Maria Pires
Contra o racismo, a favor da vida para todos


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS