Variedades Extras
11/05/2019 Marcelo Barros Edição 3912 Para fora dos currais que nos prendem 4º Domingo da Páscoa - Dia das mães.
F/ CEB´s do Brasil
"É bom contemplar Jesus ressuscitado como revelação do amor maternal de Deus que cuida de nós"

Marcelo Barros

Cada ano, no 4º domingo da Páscoa, a Igreja nos faz ouvir o discurso no qual Jesus se apresenta como verdadeiro pastor da humanidade (João 10). Dessa vez (ano C), escutamos a parte final das palavras de Jesus no templo de Jerusalém, durante a festa da Dedicação do Templo (Hanuká). A linguagem dessa parábola do pastor e das ovelhas está, de certa forma superada, tanto porque vivemos em um mundo urbano e não temos mais a experiência rural de pastor e de ovelhas, como porque no modo de falar normal, ninguém quer se colocar como ovelha de ninguém. A palavra “carneirada” é negativa. A nossa fé deve ser lúcida e crítica.

O evangelho conta que, no templo, se celebrava a festa da luz. Na Bíblia a luz sempre conota clareza, discernimento e capacidade crítica. Até hoje, as comunidades judaicas celebram essa festa em dezembro. Na festa da consagração do templo, Jesus, o consagrado, isso é, o Cristo, vai ao templo e se coloca como o verdadeiro pastor e não como funcionário que faz as coisas por emprego. Hoje, pastor é figura religiosa. Na época de Jesus era política. Pastor era o governante. Jesus tinha dito que só ele é verdadeiro pastor e todos os outros líderes eram ladrões e bandidos (Jo 10,8).  E a função do verdadeiro pastor é tirar as ovelhas dos apriscos e currais, onde essas estão presas para se sentir seguras. O pastor abre a porta do aprisco, chama cada ovelha pelo nome e vai à frente delas conduzindo-as para onde houver pastagens.

Provavelmente essa é uma das palavras mais radicais e duras do evangelho. No verso 24, representantes do templo tinham dito a Jesus: Até quando você continuará a não nos deixar viver?

É estranho porque Jesus tinha dito que veio para que todos tenham vida e vida em abundância (Jo 10, 10). No entanto, os religiosos se queixam de que ele, Jesus, os impede de viver. Claro, à medida que Jesus declara nula a religião de sacrifícios como era a do templo, os sacerdotes que ganham a vida com os sacrifícios têm razão em dizer: você impede o nosso meio de vida. À medida que Jesus tira o povo do templo (chama as ovelhas para fora do aprisco), destrói a vida dos que dependem do templo e dos sacrifícios comprados. Para dar a vida a todos, Jesus destrói um modo de viver dos opressores (religiosos profissionais). E aí não tem condescendência, não dialoga. Não contemporiza com pessoas que fazem da fé e da relação com Deus meio de ganhar dinheiro.

Hoje ainda continuamos a ver pessoas que se dizem representantes de Jesus, mas convivem tranquilamente com os governantes que oprimem e são responsáveis pela violência e pela marginalidade dos mais pobres. O evangelho insiste em um detalhe: era inverno. Jesus, o consagrado (o Cristo) vai ao templo na festa da consagração e no templo era inverno. Era tempo de frio no qual a vida não aparece. Na Igreja Católica, nos anos 80 e 90, o saudoso padre João Batista Libânio escreveu: “A volta à grande disciplina”. Assim, como o bom papa João XXIII, na época do Concílio Vaticano II, o papa Francisco veio trazer à Igreja uma nova primavera de liberdade e de defesa da vida dos pobres e de respeito às diversidades. Atualmente, há no meio dos eclesiásticos, um grupo que não se conforma e faz a mesma pergunta que os fariseus fizeram a Jesus: Até quando vais impedir nosso meio de vida?

São pessoas e grupos que não toleram o papa porque ele ameaça o poder e os privilégios que eles pensam deter. Querem prolongar a religião do templo, dos sacrifícios e do império da lei. Jesus veio justamente para trazer vida no próprio reinado da morte. Ele veio realizar o que dizia o Cântico dos Cânticos: “Vem, minha amada. O inverno já passou. As flores já nascem nos campos, a rolinha está cantando. É tempo de amar” (Ct 2, 11- 13).

No Brasil, precisamos disso no campo da Política e no âmbito da fé. O convite que Jesus ressuscitado nos faz hoje é para sermos ovelhas suas, porque aceitamos escutar a sua voz e segui-lo. Só que é importante ter claro: escutar a voz de Jesus e segui-lo é aceitar ser conduzidos/as por ele para fora dos apriscos, seja quais forem as prisões que ainda nos retêm, sejam sociais, políticas ou também religiosas. Se não for para sair e ser livre, é sinal de que a voz que nos chama não é a de Jesus, pastor que vem nos tirar dos apriscos e nos conduzir sempre para fora, juntos e livres.  

Nesse domingo, no qual no Brasil, celebramos o dia das mães, é bom contemplar Jesus ressuscitado como revelação do amor maternal de Deus que cuida de nós como pastor que nos conduz (na Bíblia há nos profetas imagens e figuras de Deus como  mãe que nos ensina a andar – Oseias 11 –  mãe que nos orienta – é a imagem do pastoreio – Is 49). Deus se revela assim e nos chama a sermos também pastores e pastoras assim uns para os/as outros/as.

 

 

 

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS