Destaques Sociedade
24/09/2021 Salvatore Cernuzio - Cidade do Vaticano Edição 3940 O risco de instrumentalização do cristianismo para fins políticos
F/ Pixabay
"Parolin, secretário de Estado, presente na reunião em Roma do Partido Popular Europeu falou aos jornalistas: “A defesa da vida faz parte do cristianismo, mas também a atenção aos migrantes”, afirmou, reiterando que após o tratado de Aukus "a Santa Sé está preocupada com o rearmamento" e que para uma viagem do Papa à Rússia "atualmente não há condições""

 

“No cristianismo não se escolhe o que mais agrada ou o que é mais convém, no cristianismo tem que se aceitar tudo ...”; não é como "ir ao supermercado e comprar isso e aquilo". O risco é o de instrumentalizar e manipular a religião "para fins políticos".

O cardeal secretário de Estado, Pietro Parolin, se pronunciou na manhã de quarta-feira, 22, em Roma na reunião do Partido Popular Europeu (PPE), que teve início na tarde de terça-feira no The Westin Excelsior. À margem do encontro, que contou com a presença de representantes da Santa Sé e da Igreja na Europa, o purpurado fez uma pausa para falar com os jornalistas presentes.

À escuta da Igreja 

A eles, explicou o motivo de sua presença no evento, bem como a do cardeal Jean Claude Hollerich, presidente da COMECE (Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia), e do cardeal Peter Turkson, presidente do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral.

“Hoje o dia é dedicado à escuta da Igreja. A presença de expoentes da Santa Sé e da COMECE insere-se nesta perspectiva: o fato de que querem ouvir o que a Igreja lhes propõe e pede. Esse é um motivo contingente da nossa presença”, sublinhou o secretário de Estado.

“Depois - acrescentou - creio porque, embora não se identifique totalmente com o cristianismo, existe por parte do PPE uma atenção particular ao cristianismo. Muitos expoentes referem-se explicitamente aos princípios cristãos”.

O cristianismo não é um supermercado 

Mas também entre os membros de partidos populistas de direita, há quem se refira aos princípios cristãos, objetaram alguns cronistas. O cardeal Parolin respondeu afirmando que “é importante fazer uma escolha abrangente: no cristianismo não se escolhe o que mais agrada ou o que mais convém, no cristianismo tem que se aceitar tudo. E, portanto, faz parte do cristianismo quer a defesa da vida - em todas as suas fases, desde o início da concepção natural até a morte natural - mas também o amor ao próximo, que se manifesta como atenção ao fenômeno da migração, segundo aqueles quatro verbos que o Papa sempre nos indicou: acolher, proteger, promover e integrar”.

“A nível de princípio, para mim a coisa é muito clara”, reiterou Parolin. “O cristianismo é tudo isto, não se pode ir ao supermercado e levar isto, este outro, aquele outro ... Então há sempre o risco de instrumentalização ou manipulação do cristianismo, bem como de outras religiões, para fins políticos”.

Uma Europa alicerçada na pessoa, na comunidade, subsidiariedade e  solidariedade 

O secretário de Estado ampliou então o seu olhar à Europa, ilustrando a visão que a Santa Sé e o cristianismo em geral têm em relação ao velho continente. “Uma Europa alicerçada nos quatro valores fundamentais, nos quatro pilares que são sempre defendidos também pelos pais fundadores”, ou seja, “a centralidade da pessoa, uma pessoa em todas as suas dimensões, incluída a dimensão transcendente, portanto abertura em relação a Deus. A comunidade, a pessoa inserida em uma série de vínculos. Depois, subsidiariedade e solidariedade. Estas são as pedras angulares da visão da Europa da Santa Sé”, afirmou o cardeal Parolin.

Aukus, preocupação com rearmamento 

Quando questionado sobre questões internacionais atuais, o secretário de Estado expressou preocupação sobre os possíveis desdobramentos na área do Indo-Pacífico após o acordo de Aukus. Trata-se da aliança que prevê o fornecimento pelos Estados Unidos e Grã-Bretanha de tecnologias à Austrália, para que esta se dote de uma frota de submarinos de propulsão nuclear.

“A Santa Sé - reiterou o purpurado - se opõe ao rearmamento, todos os esforços que foram e estão sendo feitos são no sentido de eliminar as armas nucleares, porque não são o caminho para manter a paz e a segurança no mundo, mas criam ainda mais perigos para a paz e ainda mais conflitos. Dentro desta visão, não podemos deixar de nos preocupar”.

Uma viagem do Papa à Rússia, sem condições agora 

Sobre a possibilidade de uma viagem do Papa Francisco à Rússia, o secretário de Estado responde: “É uma pergunta que não posso responder. Acho que o Papa está interessado em ir para a Rússia como a todos os outros países, mas me parece que atualmente não existam condições para uma viagem. O desejo também deve se materializar com algumas situações precisas. Vejo que agora não se fala sobre isso”.

Parolin explicou ainda que não tinha informações sobre um possível encontro entre o Papa e o patriarca de Moscou, Kirill, que se seguiria ao de 2016 no Aeroporto de Havana, antes da viagem de Francisco aos Estados Unidos. Não tenho elementos para dizer nem sim, nem não, todo encontro é positivo, esse é o grande princípio. Se este encontro vai se concretizar num futuro próximo, não sei dizer”.

O comentário sobre as palavras do Papa com os jesuítas eslovacos 

Por fim, foi pedido ao secretário de Estado um comentário às palavras do Papa, divulgadas na terça-feira pelo La Civiltà Cattolica, a respeito do encontro privado com os jesuítas da Eslováquia. À pergunta "como você está?" de um confrade, Francisco respondeu: “Ainda estou vivo. Embora alguns me quisessem morto”. E, em referência à operação de cólon sofrida em julho passado no Gemelli, disse estar ciente de que havia “até encontros entre prelados, que achavam que a situação do Papa era mais grave do que se dizia. Eles estavam preparando o Conclave”.

A este respeito, Parolin comentou: “Provavelmente o Papa tem informações que eu não tenho, porque sinceramente não senti que houvesse esse clima”. “Penso, porém, sem ter muitos elementos em mãos, que se trata de algo de poucos, de alguém que tenha colocado na cabeça essas coisas. Honestamente, não tenho elementos para dizer. O Papa provavelmente faz essas declarações porque tem conhecimentos e dados que não chegaram até mim. O que eu gostaria de dizer é que não me parece que exista um clima deste tipo”.

Fonte: Vatican News

Leia também:
Missão, Palavra, Serviço e Cuidado com a Criação
Manual Oficial para o Sínodo Bispos

Material para a V Jornada Mundial dos pobres

Ousadia para inculturar a fé e a espiritualidade
Trazer a verdade do que acontece

Pablo Richard: Força espiritual da Palavra de Deus

Somos um em Cristo Jesus

Na força da Eucaristia: XVII Capítulo Geral Sacramentino

Migrantes e refugiados: eu não, nós

Nós decidimos como tratar refugiados

Setembro mês da Bíblia

Parlamentares católicos na busca do diálogo

Sete anos da REPAM - Rede Eclesial Pan-Amazônica

Não ao Marco Temporal

Mensagem conjunta para o cuidado com a criação

Inauguração de centro médico indígena

Um país onde todos possam se sentir à vontade

Sínodo 2023: lugar de comunhão, não de confronto

50 anos do Mês da Bíblia

Memória de Casaldáliga e desinvestimento em mineração

Campanha 'Solidariedade e Missão'


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS