Destaques Sociedade
16/12/2020 José Miguel Martínez Castelló Edição 3931 O legado de Francisco: é possível uma política evangélica?
F/ Catholic Church (England and Wales) on VisualHunt.com
"O Natal encarna e permite compreender uma política evangélica, na qual a sua prioridade é iluminar onde se aninham as atuais trevas do desespero, da solidão e da incerteza."

José Miguel Martínez Castelló*

Os efeitos da pandemia estão sendo exacerbados por várias realidades que teremos que enfrentar como sociedade. Além da saúde, das inúmeras perdas humanas, da destruição de setores econômicos, do crescimento exponencial da pobreza e das desigualdades galopantes que estão embutidas como normais em nossas vidas, devemos somar o colapso da política e do poder. Seu exercício e manejo estão inundando e estão prestes a encalhar e naufragar.

Algumas semanas atrás, um aluno do primeiro ano me deixou um livro que pode nos ajudar a entender nossa realidade política, El niño de Schindler de Leon Leyson. Descrevendo a vida dos judeus na cidade de Cracóvia na década de 30 antes da ascensão irrefreável dos nazistas, o autor conta como a resposta a todas as atrocidades que sofreram após a ocupação das tropas alemãs se repetiu como um mantra. Polônia em setembro de 1939: poderia ser pior? Isso pode acontecer de novo?

Salvando as distâncias hoje nos perguntamos: qual será a próxima ocorrência? O que cada um deles será capaz de afirmar e negar? É possível piorar? Outra classe política é viável? E mais importante ainda: pode haver outra forma de conceber o poder e a política? Na rua e na mídia afirma-se que este já parece um mal endêmico, não só a nível nacional, mas também internacional e mundial.

Como cristãos, não podemos desistir

Há mais de 100 anos, Galdós fez uma descrição nada lisonjeira do que temos sob nossos pés: “Os dois partidos que concordaram em se alternar pacificamente no poder são dois rebanhos de homens que aspiram apenas a pastar no orçamento. Eles carecem de ideais e nenhuma parte superior os move. Não abordarão o problema religioso, nem educacional, nem econômico. Nada mais farão do que pura burocracia, caciquismo, estéril trabalho de recomendações, favores aos amigos, legislar sem eficácia prática.

Toca um sino? E acrescenta um prognóstico que, infelizmente, não se cumpriu, mas radicaliza o que disse: “Teremos de esperar pelo menos mais 100 anos, se tivermos sorte, por pessoas mais sábias e menos salsichas do que temos para nascer. Atualmente". O passar dos anos não significou uma mudança na situação política. Muito pelo contrário .

Agora, o que resta para nós então? Renúncia? E do Cristianismo, podemos aceitar esta realidade como um mal necessário? Como cristãos, não podemos desistir frente ao desânimo atual que inunda todos os espaços sociais . Estamos no meio do Advento que nos prepara para acolher uma nova forma de vida que se opõe ao mundanismo, aos meios de comunicação e aos valores públicos que se assumem sem questionamento e sem qualquer crítica.

Francisco, um modelo alternativo

Pelo contrário, temos em Francisco uma forma e um modelo alternativo para aplicar, compreender e viver o poder e a política de uma forma diferente, a partir da radicalidade e do sentido profundo do Evangelho. Em 22 de dezembro de 2016, perante a Cúria Romana, expressou: “O Natal é a festa da amorosa humildade de Deus. A lógica do Natal transforma a lógica do mundo, a lógica do poder, a lógica do comando”.

Não estamos enfrentando uma pose. Por trás dessas palavras se esconde o sentido último de seu pontificado, seu verdadeiro legado, seu desafio nada mais é do que o que ele anunciou a toda a humanidade, sem distinção, naquele 19 de março de 2013, uma nova forma de entender o poder e a política que é a única forma digna e necessária de a exercer.

Voltemos às suas palavras: “Jamais esqueçamos que o verdadeiro poder é o serviço e que também o Papa, para exercer o poder, deve entrar cada vez mais naquele serviço que tem o seu culminar luminoso na cruz”. O serviço é a força vital que dá força e significado ao exercício do poder. Daí a insistência na ideia, que perpassa todos os seus discursos, de resguardar, zelar pela criação e todas as suas realidades que a compõem, desde a Natureza aos rejeitados, que não contam para o sistema econômico e de mercado. Por todas essas razões, devemos nos perguntar o que se entende por política e poder, por um lado, e quais as consequências dessa concepção, por outro.

Construir pontes

Ao longo de 2016, Francisco manteve um diálogo com Dominique Wolton sobre política e sociedade. Desde o primeiro minuto dessa conversa, publicada no editorial do do Períódico: Encuentro, Francisco vira as cartas sobre como devemos entender a política. Deve ser aplicado e concebido como um poliedro no qual todos os pontos e problemas devem estar unidos, preservando sua unidade. Para que este poliedro frutifique, só há lugar para uma atitude hoje revolucionária e utópica: construir pontes.

Vivemos o fechamento ao diálogo e ao encontro. Hoje as posições não se movem, são fixas, regem-se contra, sem pensar na realidade da rua, do dia a dia, onde as pessoas sofrem e vivem. A política precisa do evangelho porque coloca a pessoa no centro de todas as situações da vida. Quando se diz que a religião ou as confissões religiosas devem estar fora da "esfera pública", ignora-se a contribuição que os valores religiosos e evangélicos poderiam dar à boa gestão do público que se presume defender.

Francisco com a sua sabedoria histórica e análise simples, mas profunda e direta, vai às origens da formação da União Europeia para estabelecer que outra política é possível, porque já o foi . Ele não fala de sonhos, quimeras, mas de realidades.

Generosidade, solidariedade e serviço

Como recordou na entrega do Prémio Carlos Magno 2016, e da figura de Robert Schuman, “a Europa não se fará de uma só vez, será feita em realizações concretas de uma solidariedade de fato. Neste nosso mundo atormentado e ferido é necessário voltar àquela solidariedade de fato, à mesma generosidade concreta que se seguiu ao segundo conflito mundial”.

Generosidade, solidariedade e serviço são as diretrizes para uma regeneração da política. No entanto, os males da política são os males da sociedade. Estamos diante de um borrão da pessoa porque hoje tudo se volatiliza por meio de uma tela. Deixamos a realidade virtual substituir a proximidade, a carne sofredora que grita e busca ajuda e um olhar de ajuda e compreensão. Ao eliminar o serviço do vocabulário político, as ambições individuais e partidárias são as que dominam, esquecendo o horizonte do povo, seus problemas e preocupações.

É por isso que Francisco nos lembra, batendo em nossas consciências, que nossa sociedade é a do descarte. Como é possível conceber e manter uma política que não tenha uma palavra calorosa e esperançosa para nossos jovens e velhos? Quando Deus desaparece de todo o cenário social, somos capazes disso e muito mais. No entanto, o Natal encarna e permite compreender uma política evangélica, na qual a sua prioridade é iluminar onde se aninham as atuais trevas do desespero, da solidão e da incerteza.

Os caminhos e consequências dessa forma de entender a política estão próximos. Francisco diz: “Não pode haver uma Igreja de Jesus Cristo separada do povo. A Igreja de Jesus Cristo deve estar ligada ao povo, próxima das pessoas. Não é possível evangelizar sem proximidade”. Um dos desafios que temos de enfrentar é o forte descontentamento que os cidadãos sentem em relação à política e aos seus líderes. Desafeto é distância, você não acredita mais no que ouve sobre política porque você nunca faz ou executa o que expressa.

Francisco fala e testemunha

Estamos enfrentando uma falta de confiança, pois o propósito do poder é servir a si mesmo. Por isso, Francisco fala de proximidade, de abordar problemas reais e de os enfrentar, mas para isso é necessária uma transformação da concepção de poder. O Filho do homem veio para servir, e não para ser servido, até a própria morte no Monte Gólgota, na cruz. A força e o poder de Francisco estão na sua coerência porque o que ele diz está corporificado nas suas ações, nos seus gestos e na sua vida . E a política atual sofre com isso.

Ao contrário, o horizonte de uma política evangélica se enquadra em dois caminhos que ainda estão por ser trilhados e que podem ajudar a curar o exercício do poder: “Não devemos esquecer os dois pilares do Cristianismo, da Igreja: as Bem-aventuranças e, depois Mateus 25 , do protocolo segundo o qual seremos julgados ”. Os pobres, a viúva, o migrante, o refugiado, os idosos solitários, os jovens sem futuro, os presos, os doentes mentais, todas as vidas sujeitas a dependências, são as prioridades de uma política evangélica.

O evangelho começa na gruta de Belém, ao ar livre, entregando-nos para compartilhar nossas misérias, lado a lado, com espírito de serviço eterno, até a morte. Esse é o legado de Francisco. Mais um fundamento para que a última palavra da humanidade diante do desespero e da morte, seja amor e esperança.

* Doutor em Filosofia. Docente da Escola Mecânica da Juventude Operária (PJO) de Valência. Autor do livro “Esperança atrás das grades: desafios do voluntariado prisional (PPC, 2020, no prelo).

 Fonte: Religión Digital

Leia também:
Carta Apostólica Patris Corde
O ano de São José
Rede brasileira de fé e política

Os Ricos e a solidão

Em defesa das populações ameaçadas

Pela unidade dos cristãos
Dom e profetismo
Sementes de um mundo novo
Piracema: força de vida e esperança
Os warao e a Fratelli Tutti

Missionário Incansável

O Som da cor e as sementes da coragem

Tornamo-nos aquilo que escolhemos, para o bem ou o mal

Existem padres na Amazônia?
“Nossa vida está sempre por um fio”
Consciência negra com D. José Maria Pires
Contra o racismo, a favor da vida para todos

 Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS