Destaques Capa
17/07/2020 Víctor Codina Edição 3926 O Espírito nos conduz a um mundo novo
F/ Religiondigital
"O Espírito nos encoraja a construir um mundo diferente, que invista em educação, saúde e vacinas, não em armas, que não feche fronteiras ou portos para imigrantes"

Victor Codina

Se procurássemos uma palavra que resumisse tudo o que vivenciamos nesses meses de pandemia, algo imprevisto que subitamente abalou, desde à raiz, a vida, a saúde, a economia, o trabalho, as instituições e os costumes de toda a humanidade e nos fez sentir vulneráveis, sem que ainda tenhamos uma solução definitiva ou um futuro claro, talvez a palavra mais apropriada seja"caos".

 

A vida brota do Caos

O Dicionário define o caos de uma maneira um tanto surpreendente: “Estado de confusão em que as coisas estavam no momento da criação, antes que Deus as colocasse na ordem que mais tarde tinham. Confusão, desordem."

Evidentemente, essa definição de caos alude ao início do livro de Gênesis: "A terra era caos e confusão (tohu waboho) e escuridão acima do abismo e um vento (em hebraico, feminino, a ruah) de Deus flutuava sobre as águas" (Gênesis 1, 2).

A tradição eclesial interpretou esse vento de Deus como uma referência ao Espírito Santo que, com seu sopro fecunda e dá vida a toda a criação. Nesse sentido, o Espírito, criador e doador da vida , é o oposto ao caos.

É característica deste Espírito Bíblico fazer-se presente precisamente em momentos de caos , dor e adversidade, nos momentos sombrios e trágicos da história pessoal e social, quando  sobe aos céus, desde o abismo, o clamor dos afligidos.

É o Espírito que na Bíblia faz as mulheres estéreis gerarem importantes personagens bíblicos, como Isaac, Jacó, Sansão, Samuel e João Batista; o Espírito que o profeta Ezequiel anuncia aos israelitas exilados, que se derramará em um campo de ossos humanos secos para que eles voltem à vida (Ezequiel 37,114); o mesmo Espírito que cobre com sua sombra Maria de Nazaré, para que seja a mãe de Jesus; o Espírito que desce sobre o carpinteiro de Nazaré, que espera com os pecadores ser batizado por João Batista; o Espírito que guia a vida de Jesus e ao morrer na cruz, o ressuscita de entre os mortos.

 

Cristo e o Espírito: as duas mãos do Pai

Este é o Espírito que Jesus prometeu que enviaria seus discípulos após sua paixão e que o Senhor Ressuscitado derrama com a respiração os apóstolos trancados e cheios de medo; o Espírito que no Pentecostes desce sob a forma de um vento impetuoso sobre a pequena comunidade primitiva de Jerusalém e sobre toda a humanidade. Na conhecida expressão de Santo Irineu, bispo martirizado de Lyon (130-202), o Filho e o Espírito são as duas mãos com as quais o Pai cria e nos guia pela história.

Nós, cristãos, cremos que esse Espírito, que atua especialmente em momentos de confusão e a partir do clamor do abismo, é o que também está presente na situação atual do caos mundial.

Mas seria um erro pensar que tudo vai mudar milagrosamente apenas pela presença do Espírito. Não podemos ser ingênuos e cair no slogan fácil de que amanhã, depois da pandemia, tudo ficará melhor. Uma coisa é o triunfo final do Reino de Deus e outra diferente, sua realização na história de cada dia. A humanidade mudou depois de Auschwitz, Hiroshima, Gulag e Chernobyl? Depois dos incêndios na Amazônia e na Austrália? Ela mudou após a encíclica de Francisco Laudato Si´? Não existe o risco de querer voltar, depois da pandemia, para o mesmo de antes, para o mesmo de sempre?

Temos que ajudar o Espírito que sempre age através de nós , somos nós que, com sua força interior, devemos converter e mudar nosso estilo de vida: abandonar nosso orgulho de pensar que somos senhores e donos de toda a criação, abandonar o machismo e o racismo, abandonar uma economia que enriquece os poucos ricos às custas da marginalização de uma grande maioria da humanidade e destrói a natureza, polui a atmosfera e as águas, elimina florestas e selvas, causa secas, fome e migrações de populações inteiras.

 

Rumo a um mundo melhor

Hoje, o Espírito nos impulsiona a construir um mundo diferente , mais humilde, solidário, simples, sóbrio e ecológico, mais terno e afetuoso, que cuide de nosso lar comum e se sinta conectado a toda a criação, com uma economia solidária e comunitária que elimine as diferenças sociais atuais e privilegie os últimos, invista em educação, saúde e vacinas, não em armas, tráfico de drogas e tráfico de seres humanos, não feche fronteiras ou portos para imigrantes, mas compartilhe trabalho, respeite as  diferentes culturas e religiões e se abra à dimensão transcendente e espiritual da vida. Como diz Leonardo Boff , "o novo mundo, após o coronavírus ou mais tarde, será mais espiritual ou não será".

Mas isso não acontecerá sem que cada um de nós pague um preço, uma mudança de rumo e de estilo de vida , pessoal, familiar, social, político, cultural e eclesial. Estamos dispostos a fazer isso ou simplesmente queremos voltar ao que éramos antes?

Peçamos a Deus que envie novamente o vento do seu Espírito, o Ruah, para venha sobre o nosso caos e renove a face da terra.

Fonte: Religion Digital 

Veja também: 
Maria de Deus e dos pobres
A igreja queimada
O corona vírus e a ética da responsabilidade
Covid-19 e a banalização da morte
A bioética e o descaso com a saúde
Como seguir o caminho de Cristo

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS