Destaques Atualidade
14/10/2021 Assembleia Eclesial Latinoamericana Edição 3941 Mulheres indígenas se organizam pela nossa Casa Comum Criado o Movimento das Mulheres Indígenas pela proteção da Amazônia
F/ REPAM
"Fizemos reflexões profundas sobre cinco grandes temas: situação atual da Amazônia, defesa do território, direitos humanos, economias próprias e o impacto da COVID e suas estratégias para enfrentá-la."

No âmbito da Cúpula de Mulheres Nativas da Bacia Amazônica realizada de 8 a 12 de outubro de 2021, na Casa do Pensamento da OPIAC, mais de 170 mulheres porta-vozes dos 511 povos indígenas da Bacia Amazônica elaboraram um documento “Mandato”, com cinco linhas de ação.

As mulheres que participaram do encontro provêm das bases da Coordenadora de Organizações Indígenas da Bacia Amazônica - COICA, correspondentes às organizações de cada país: AIDESEP - Peru, APA - Guiana, CONFENIAE - Equador, CIDOB - Bolívia, COIAB - Brasil, ORPIA - Venezuela, OIS - Suriname, Guiana Francesa e OPIAC - Colômbia.

Resultados concretos

Destacam-se o surgimento do Movimento de Mulheres Indígenas da Amazônia Colombiana e a Construção da Agenda Própria das Mulheres da Bacia Amazônica.

“Nos cinco dias da Cimeira, nós mulheres partilhamos a doce palavra, o pensamento sábio, as alegrias e as dores; fizemos reflexões profundas sobre cinco grandes temas: situação atual da Amazônia, defesa do território, direitos humanos, economias próprias e o impacto da COVID e suas estratégias para enfrentá-la. Além disso, construímos propostas para continuar caminhando, compartilhando e aprendendo em união, mas, acima de tudo, reconhecendo nossa grande força na diversidade como povos indígenas e na liderança dentro de nossas organizações”, afirma o comunicado.

Cinco Linhas de Ação

A título de tarefa específica, foram elaborados cinco pontos onde se dispõem para a aplicabilidade deste mandato, “como o nosso compromisso de continuar a lutar pelo nosso território e de concretizar o que está no papel. Esta é uma luta que pertence a todos nós pelo presente e futuro do nosso planeta”:

  1. Formação do Fundo para Mulheres Indígenas da Bacia Amazônica;
  2. Formação da REDE de Mulheres Indígenas Defensoras do Território Amazônico;
  3. Surgimento do Movimento de Mulheres Nativas da Amazônia Colombiana;
  4. Paridade na participação das mulheres em todos os espaços de tomada de decisão a nível organizacional, local, nacional e regional;
  5. Rastreamento e monitoramento.

Fonte REPAM (com documento completo)

Leia também:
Assembleia Eclesial, da escuta a quem nos representa
Papa João Paulo I, milagre reconhecido

CEBs e Sinodalidade

Assembleia Eclesial: um sopro do Espírito

Assembleia Eclesial, uma novidade...

Lançamento da SIREPAM

Domingo do Palavra

Risco de instrumentalização do Cristianismo
Migração e povos indígenas

Poesia: o teu olhar

A vida não é mercadoria...

Redação: "Pátria Madrasta Vil"

O risco de instrumentalização do Cristianismo

Missão, Palavra, Serviço e Cuidado com a Criação

Manual Oficial para o Sínodo Bispos

Material para a V Jornada Mundial dos pobres

Ousadia para inculturar a fé e a espiritualidade
Trazer a verdade do que acontece

Pablo Richard: Força espiritual da Palavra de Deus

Somos um em Cristo Jesus

Na força da Eucaristia: XVII Capítulo Geral Sacramentino

Migrantes e refugiados: eu não, nós

Nós decidimos como tratar refugiados


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS