Formação Bíblia
12/10/2021 Ir. João da Silva Resende Edição 3941 MOBON: a busca da Animação Bíblica da Vida e da Pastoral  
F/ Arquivo O Lutador
"A prática missionária de Paulo tem inspirado e animado muito a itinerância missionária do Movimento da Boa Nova. Com Paulo, tem aprendido também a formação de comunidade, promovendo sua autonomia com revisão de caminhada."

 

Concluímos a pouco o mês da Bíblia 2021. Cada mês da Bíblia é para nosso trabalho da Boa Nova um memorial. Lembra-nos a origem de nossos encontros que teve sua inspiração no uso, vivência e divulgação da Palavra de Deus. O MOBON fez e faz sua caminhada nos trilhos desta Palavra, sempre fincados na realidade da vida. Hoje assume a exigência de divulgar e ser presença desta Palavra no mundo urbano, com seus desafios e de modo especial no espaço das redes sociais. É memorial, pois, não é apenas uma recordação, mas um momento de refazer-nos, de voltar às raízes, para que a seiva da Palavra de Deus continue a alimentar todo o trabalho de evangelização.

Na forma de lidar com a Palavra de Deus, podemos identificar três momentos nesta trajetória da Boa Nova: 1. A Bíblia nas mãos do povo; 2. Leitura popular e contextualizada. 3. Permanente Animação Bíblica.

  1. A Bíblia nas mãos do povo

O Movimento da Boa Nova nasceu pequeno, no meio de gente pequena e religiosa. Como uma semente, germinou, lançou raízes e foi enfrentando a terra que estava por cima. Esta semente era a Palavra de Deus até então desconhecida numa religião mais devocional. Era uma religião bonita, muitos movimentos, mas de raízes curtas. Ficava acuada diante das provocações.

O Movimento da Boa Nova nasceu da experiência de um trabalho bíblico iniciado pelas décadas de 50 para esclarecer os católicos sobre questões bíblicas. Em seus inícios, fazia uma leitura fundamentalista da Bíblia, mas teve o grande mérito de colocar a Bíblia nas mãos dos católicos de nossa região. Chamava a atenção ver os católicos abrirem própria Bíblia e a alegria de nela encontrar a passagem bíblica. O contato com a Bíblia ia fazendo o católico levantar a cabeça e recuperar a firmeza de sua fé. Houve então uma grande divulgação da Bíblia, naquele tempo era a edição Matos Soares das Paulinas.

  1. Leitura popular e contextualizada

Em um segundo momento, o Movimento da Boa Nova foi aprofundando-se na Palavra de Deus. Seus animadores foram participando de semanas e cursos bíblicos buscando conhecer melhor a Palavra de Deus. Neste aprofundamento o nosso trabalho da Boa Nova teve muita influência do Frei Carlos Mesters. Participando de seus cursos bíblicos aprendemos a fazer uso do triângulo hermenêutico: TEXTO – CONTEXTO – REALIDADE. Começamos a ler o texto com maior atenção nas palavras, nos personagens. Devagar procurava entender o texto no ambiente em que foi escrito e o que ele queria dizer. Uma vez entendido o texto, em seu contexto, procurávamos ver quais suas luzes e questionamentos ele trazia para nós hoje.

Através da leitura contextualizada da Palavra fomos descobrindo que ela foi revelada para formar um povo, uma comunidade. Comunidade que não é só ajuntar gente mas que tem finalidades missionárias e proféticas. Na busca de sempre anunciar o Reino de Deus, mas também identificar os males existentes e a forma de enfrentá-los para cuidar da vida, aprofundar a mística, buscar os marginalizados... Tendo o cuidado de não ficar rodando em torno de nós mesmos, mas sempre avançar missionariamente. A Boa Nova foi abrindo nossos olhos, soltando nossa língua, desemperrando nossas pernas e os pequenos iam recuperando sua identidade.

Nesta caminhada fomos percebendo que o contato com a Bíblia é muito mais do que o contato com um livro. É a experiência com um Deus que caminha na história e que na plenitude dos tempos se torna uma Palavra encarnada no nosso meio, Jesus Cristo. Ele é a Boa Nova que vive no nosso meio, atento a tudo o que acontece, aquele que testemunha com sua vida o seu amor por nós. A Virgem Maria, é a discípula da Palavra que acredita e canta a força e a vitória dos pequenos.

A convivência com a Palavra encarnada foi produzindo frutos no meio das comunidades. Eis uma constatação: “Quando a vida e a Bíblia se encontram o povo começa a andar”. “Quando Bíblia e o (a) leigo(a) se encontram ninguém segura mais”. Leigo sem a luz da Bíblia se clericaliza. A partir desta experiência com a Palavra encarnada vão surgindo nas comunidades organizações sociais, sindicatos e participação política. Vale aqui a lembrança de São Jerônimo: “Desconhecer as Sagradas Escrituras é desconhecer Jesus Cristo” e seu projeto.

  1. Permanente Animação Bíblica

O Movimento da Boa Nova tem muito presente em sua caminhada o segredo da continuidade do trabalho de Jesus: sua comunhão com o PAI. O evangelho de Lucas insiste que todos os atos importantes de Jesus eram precedidos de momentos fortes de oração. O trabalho da Boa Nova procura, a exemplo de Jesus, priorizar momentos orantes em seus trabalhos. Vai rezando os salmos da vida de hoje inspirado nos salmos da Bíblia. Isto lhe tem dado perseverança, força na continuidade de seus trabalhos.

A prática missionária de Paulo tem inspirado e animado muito a itinerância missionária do Movimento da Boa Nova. Com Paulo, tem aprendido também a formação de comunidade, promovendo sua autonomia com revisão de caminhada.

Para uma animação permanente da Palavra, o Movimento da Boa Nova promove, deste 1970 os Grupos de Reflexão da Bíblia. Toda semana eles se reúnem para refletir, rezar o evangelho do domingo seguinte. A participação, a gratuidade e a espontaneidade são a sua riqueza.

Esta experiência do Movimento da Boa Nova com o Novo Testamento nos ajudou a descobrir a riqueza do Antigo Testamento. Um testamento ajuda na compreensão do outro. O contato com a caminhada do povo de Deus no Antigo Testamento vai iluminando as organizações das comunidades hoje com seus desafios sociais, políticos que vão surgindo. As comunidades hoje quando passam, por situações difíceis sentem que Deus vê, sente e desce através de lideranças e vão encontrando saídas para seus desafios. Isto tem acontecido na conquista de terra para trabalhar e para morar. Rute é a grande animação na reconstrução do povo, conquistando: Terra, Pão e Futuro do povo. Os profetas têm sido a grande força inspiradora nas lutas das comunidades hoje. Os Macabeus, com sua mãe, iluminam nossa resistência e nos animam empenhar a vida quando a Vida do povo estás em jogo. O Apocalipse, que antes era o livro que assustava agora é a revelação da vitória contra os impérios de ontem e de hoje.

Em meio à busca de respostas aos desafios, o MOBON procura dar sua contribuição para a constante e permanente animação bíblica da vida e da pastoral.

Leia também:
Sínodo da Sinodalidade, grande consulta que pode mudar a Igreja
CEBs e Sinodalidade

Assembleia Eclesial: um sopro do Espírito

Assembleia Eclesial, uma novidade...

Lançamento da SIREPAM

Domingo do Palavra

Risco de instrumentalização do Cristianismo
Migração e povos indígenas

Poesia: o teu olhar

A vida não é mercadoria...

Redação: "Pátria Madrasta Vil"

O risco de instrumentalização do Cristianismo

Missão, Palavra, Serviço e Cuidado com a Criação

Manual Oficial para o Sínodo Bispos

Material para a V Jornada Mundial dos pobres

Ousadia para inculturar a fé e a espiritualidade
Trazer a verdade do que acontece

Pablo Richard: Força espiritual da Palavra de Deus

Somos um em Cristo Jesus

Na força da Eucaristia: XVII Capítulo Geral Sacramentino


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
 

 

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS