Variedades Extras
11/05/2021 Ir. Afonso Murad Edição 3936 Maria e o Espírito Santo
F/ Pixabay
"Maria é ungida pelo Espírito Santo, tanto como uma pessoa única, como também um membro da comunidade, que soma com outros homens e mulheres."

Maria e o Espírito Santo

O compositor Zé Vicente inicia o seu “Hino ao Divino” cantando assim: “Presente tu estás desde o princípio, nos dias da criação, Divino Espirito! És sopro criador, que a terra fecundou e a vida no universo despertou!”. De fato! Já no início da Bíblia se diz que “o Espírito de Deus pairava sobre as águas” (Gen 1,2). Deus cria, conserva e estimula a evolução de todo o Universo pela força do Espírito Santo. Por isso também cantamos, baseados no Salmo 104,30: “Envia teu Espírito, Senhor. E renova a face da Terra”.

O Espírito atua em Maria, no momento em que Jesus é concebido nela. O anjo Gabriel anunciou-lhe: “O Espírito Santo virá sobre você e o poder do Altíssimo a cobrirá com a sua sombra“ (Lc 1,35). É uma “nova criação”, que fecunda Maria e desperta a vida para a humanidade e a Terra!

O Espírito Santo atuou na missão de Jesus. Quando ele começou a sua vida pública, tomou um texto do profeta Isaías que dizia: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para anunciar a Boa Nova aos pobres” (Lc 4,18). Jesus traz para este sopro renovador do Espírito Santo, desta vez como perdão que recria, cura, misericórdia, esperança, mensagem de libertação. Assim canta novamente Zé Vicente: “Quando o espirito de Deus soprou,  mundo inteiro se iluminou. A esperança na terra brotou, e o povo novo deu-se as mãos e caminhou”.

Maria não é somente a mãe de Jesus. Ela também faz parte do “povo novo”, da grande família de discípulos missionários, que escutam sua Palavra, cultivam no coração e a praticam (Lc 8,21). Desde o começo, quando ela está grávida, e encontra Isabel. Sua parenta ficou “cheia do Espírito Santo” (Lc 1,41). Maria também. Tanto que ela canta os louvores de Deus e proclama sua justiça recriadora, em vista de uma nova sociedade. É o Hino que chamamos deMagnificat (Lc 1,46-55).

Por fim, depois da morte e da ressurreição de Jesus, Maria está junto com a comunidade, preparando a vinda do Espírito Santo, que acontece no dia de Pentecostes (At 1,18 e At 2,1). Então podemos dizer que Maria é ungida pelo Espírito Santo, tanto como uma pessoa única, como também um membro da comunidade, que soma com outros homens e mulheres. A anunciação e Pentecostes são dois momentos fortes de uma bela história de vida. Começa no silêncio e na intimidade de Nazaré. Manifesta-se como palavra, anúncio, força, vigor na missão de Jesus e de sua comunidade. Maria é sempre assim: presença viva e atuante, pela força do Espírito Santo!

 Leia também:
Parturientes do Novo - I Congresso de Teologia Pastoral
Sinodalidade, diálogo, discernimento

Desafio contínuo de trabalhar a humanização

Direitos humanos dos encarcerados

Teologia Pastora: realidade, desafios e tarefas

I Congresso de Teologia Pastoral
Aberto processo de escuta para Assembleia Eclesial

Colocar as mãos a serviço

Igrejas (fechadas) e a pandemia

A CNBB nos respresenta: 58ª Assembleia Geral

Assembléia dos bispos, um olhar sobre a realidade

Podcast Mobon: confira!

Senso Crítico, duvidas e suspeitas

Paixão de Cristo e crucificados pela covid
Vida sim, vacina sim

Dia de oração pela paz em Myanmar

Probidade e responsabilidade

O povo não pode pagar com a própria vida


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS