Variedades Assembleia Eclesial
15/11/2021 Luis Miguel Modino - Prensa CELAM Edição 3942 Ir. Birgit Weiler: Assembleia Eclesial: discernindo a realidade à luz da fé
F/ Asamblea Eclesial
"Acaba de ser lançado o Documento para o Discernimento Comunitário da Primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe. Ir. Birgit Weiler foi uma das coordenadoras da equipe que preparou este Documento. "

Fruto da forte experiência de sinodalidade que tem sido o processo de escuta.

Qual a importância deste documento para o discernimento da Primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe?

Este Documento quer ajudar a aprofundar o discernimento dos sinais do nosso tempo na sociedade e na Igreja, 14 anos depois de Aparecida e a partir do que quase 70.000 pessoas contribuíram no processo de escuta. Neste processo, aqueles que participaram discerniram juntos como povo de Deus no caminho sobre qual é a vontade de Deus para sua Igreja nesta região? E o que significa concretamente na situação atual na América Latina e no Caribe o fato de sermos todos discípulos missionários cessantes?

O Documento é oferecido em primeiro lugar aos delegados da Primeira Assembleia Eclesial como apoio à missão que lhes foi confiada; ao mesmo tempo, é um documento para todo o povo de Deus, chamado a continuar participando de várias formas no processo de discernimento e acompanhando a Assembleia com a oração.

O Documento para o Discernimento Comunitário é fruto da forte experiência de sinodalidade que tem sido a escuta. O referido documento nos encoraja a continuar no processo de escuta recíproca e de discernimento na Primeira Assembleia Eclesial, a fim de identificar e formular orientações pastorais prioritárias para a América Latina e o Caribe. Propõe uma leitura lenta, orante e criteriosa do texto e uma reflexão pessoal, à qual as questões propostas no texto também são motivadoras.

Estas questões nos convidam a contemplar os diferentes aspectos vinculados a cada um dos temas centrais do documento e não só a fazer uma reflexão individual, mas também a buscar a interação e o intercâmbio com os outros no discernimento como comunidade e no caminhar juntos como “peregrinos apaixonados por o Evangelho, aberto às surpresas do Espírito ”, disse o Papa Francisco na Missa de Abertura do Sínodo sobre a Sinodalidade.

No batismo, todos nós recebemos o dom do Espírito

O Documento fala de discernimento comunitário. Uma das grandes novidades da Assembleia é que já não é apenas uma assembleia de bispos, mas é uma assembleia do Povo de Deus. Qual a importância da participação de todos os que fazem parte do Povo de Deus neste processo de discernimento?

A participação de todos é fundamental porque é uma característica central da sinodalidade. Em repetidas ocasiões, o Papa Francisco foi muito claro ao afirmar que sem a participação ativa do povo de Deus não há sinodalidade. Ele nos encoraja a abraçar a eclesiologia do Vaticano II mais profundamente, colocando-a em prática. Para o Papa, a sinodalidade é a mais bela herança do Vaticano II. Ele nos chama a nos reconhecermos como membros plenos do povo de Deus e a aprofundarmos a consciência de nossa “dignidade e liberdade” de filhos e filhas de Deus “em cujos corações o Espírito Santo habita como em um templo” (LG 9) .

Essa dignidade é mantida por todos os membros do povo de Deus, sem exceção. No batismo, todos recebemos o dom do Espírito. Este dom significa também um compromisso, isto é, assumir nossa corresponsabilidade como batizados pela missão de nossa Igreja na América Latina e no Caribe e participar ativamente do processo de discernimento. Nesta Primeira Assembleia Eclesial procuramos refletir sobre a nossa missão de discípulos de Jesus Cristo e membros de uma Igreja «que é dada a todos, sem exceção», como nos recordou o Papa na sua vídeo-mensagem de 24 de janeiro deste ano na início do caminho para a primeira Assembleia Eclesial da América Latina e Caribe.

O “sensus fidei” do Povo de Deus exprime-se nos múltiplos conteúdos, interpelações e recomendações pastorais presentes nas contribuições para o Processo de Escuta. Um grande esforço foi feito para incluir em meio às restrições causadas pela pandemia muitas vozes de pessoas nas periferias sociais, culturais e existenciais de nossas sociedades. Em um processo sinodal, as vozes dos pobres não devem faltar.

Superar o clericalismo

Que passos esta Igreja deve dar para se renovar, para se converter, para estar aberta à novidade do Espírito e para que esta seja realmente discernida entre todos?

Isso exige que o clericalismo, que é um grande obstáculo para uma Igreja sinodal, seja superado. Bem, isso impede maneiras de se relacionar como irmãos e irmãs na fé, maneiras que correspondem ao espírito do evangelho. O Papa Francisco considera o clericalismo um dos grandes males da Igreja na América Latina e no Caribe; Requer uma conversão profunda não só da parte dos sacerdotes nos diferentes níveis de autoridade em nossa Igreja, mas de todo o povo de Deus, porque a mentalidade clerical e as atitudes e práticas correspondentes também ocorrem em leigos, leigos, religiosos e religiosas. .

O clericalismo é caracterizado por um mau uso do poder. Isso tem sido muito destacado em várias contribuições para o processo de escuta ao observar que “muitos membros do clero assumem aquele lugar como um espaço de poder e superioridade e não como um serviço”, como aparece na Síntese Narrativa. Conforme resumido no Documento para o Discernimento da Comunidade, freqüentemente “padres e bispos não compartilham suficientemente os processos de discernimento e decisão com suas comunidades”. Em muitos casos, relacionamentos verticais ainda prevalecem em uma igreja piramidal.

Para crescer na sinodalidade, é essencial que vivamos um processo de profunda conversão para novos modos de relacionamento que permitam o florescimento das diversas vocações, carismas, ministérios e serviços em nossa Igreja e que novos ministérios possam surgir também segundo a pastoral. necessidades nas várias realidades eclesiais. É essencial que haja uma participação muito maior das mulheres nos espaços eclesiais de discernimento e decisão, bem como nas lideranças e cargos de governo da Igreja nos diversos níveis.

Isso foi mencionado com ênfase em muitas contribuições. Que tudo isso seja feito para o bem da Igreja, na qual todos fazemos parte do corpo de Cristo, e para a sua missão de anunciar o Evangelho com palavras e sobretudo com obras, para que em Jesus Cristo os nossos povos tenham vida, como ela. aparece no Documento de Aparecida.

É necessário continuar com a prática consistente de escuta aberta e criteriosa do Povo de Deus e de reconhecer e valorizar o “sensus fidei” deste Povo, como se fez no processo de escuta da Primeira Assembleia Eclesial. Nesse processo, um grande esforço foi feito para incluir, em meio às restrições causadas pela pandemia, muitas vozes de pessoas das periferias sociais, culturais e existenciais de nossas sociedades. Em um processo sinodal, as vozes dos pobres não devem faltar.

Para que a Igreja se torne uma Igreja que cresce em sinodalidade, é fundamental que se ponham em prática as orientações sinodais contidas na Constituição Apostólica Episcopalis Communio do Papa Francisco, na qual atribui grande importância à escuta do Povo de Deus no todo. processo sinodal. Encoraja os bispos a exercerem o seu ministério conscientes de que todos os baptizados receberam o dom do Espírito e colocando-se “na escuta da voz de Cristo que fala por meio de todo o Povo de Deus”. Por isso, convida os bispos a "seguirem também o nariz que o Povo de Deus tem para encontrar novos caminhos" e a terem "os ouvidos abertos para escutar 'o que o Espírito diz às Igrejas' (Ap 2, 7). "

É muito importante que a prática sinodal iniciada a caminho da Primeira Assembleia Eclesial, a prática da escuta recíproca e da escuta conjunta do Espírito, continue a crescer e a se estabelecer na nossa Igreja. A metodologia criteriosa e sinodal que se usará na Assembleia eclesial será uma importante contribuição a este processo de conversão e renovação para uma sinodalidade crescente. Pois bem, nesta metodologia cada um é convidado a tomar consciência de ser sujeito de fé e a ser convidado a um discernimento pessoal; do pessoal e do "eu" é chamado a dar o passo para o "tu" partilhando os frutos do autodiscernimento; Do "tu" é necessário dar o próximo passo rumo ao "nós" que discerne e decide juntos na escuta atenta do Espírito e da sua novidade.

Grande desejo de viver uma transformação profunda em nossa Igreja

No Documento de Discernimento aparece a proposta de escutar e discernir os sinais do nosso tempo e eclesial. Quando você vê o que disse o Povo de Deus da América Latina e do Caribe, o que gera mais esperança?

Em minha opinião, gera muita esperança que o Povo de Deus da América Latina e do Caribe em sua grande maioria queira viver uma fé encarnada no seguimento de Jesus. Reconhece as interpelações nos sinais do nosso tempo, como a pandemia e as grandes desigualdades sociais que tem revelado, os danos cada vez mais graves causados ??ao nosso lar comum, as ameaças sem precedentes que a crise climática e os seus impactos desastrosos sobre tudo no vida das populações mais pobres e vulneráveis, a violência crescente em nossas sociedades e em nossas famílias e o apelo a promover a prática da não violência ativa, a contribuir de forma mais decisiva de nossas instituições educacionais para a superação das lacunas educacionais,

Em todos estes campos já existem compromissos assumidos e vividos por muitas comunidades, o que é um importante motivo de esperança. Trata-se de fortalecer muitos desses compromissos diante dos desafios dos sinais de nosso tempo. Também os olhares de muitos participantes no processo de escuta são esperançosos porque percebem em meio e junto com as realidades preocupantes e ameaçadoras também os sinais de uma nova vida que estão surgindo como no caso da pandemia.

E em relação aos sinais eclesiais, há um grande desejo de experimentar uma profunda transformação em nossa Igreja para uma maior sinodalidade nas estruturas e práticas eclesiais; e há uma grande vontade de contribuir ativamente para essa transformação. É grande a esperança de que nos sinais eclesiais que nos desafiam se identifiquem os âmbitos prioritários nos quais a Igreja é chamada a se renovar para ser Igreja sinodal e para anunciar o Evangelho com credibilidade. Comentam a necessidade de uma conversão a uma Igreja para todos e para todos, para superar as várias formas de discriminação e exclusão que ocorrem não só em nossas sociedades, mas também na Igreja.

Também se menciona o grande desafio de anunciar o Evangelho às famílias de hoje, reconhecendo as suas várias realidades e a necessidade de a Igreja com as suas paróquias, comunidades e instâncias eclesiais estar mais aberta aos jovens, para que sejam protagonistas da pastoral juvenil e abrir novos caminhos e explorar formas inovadoras no ministério. Enfatiza também a grande necessidade de uma renovação da presença da Igreja nas cidades e de passar de uma pastoral tradicional nas cidades a uma pastoral urbana que implique explorar novos caminhos pastorais e acolher muitas propostas valiosas de isto.

Como já foi referido, em muitas contribuições para o processo de escuta há uma clara consciência das transformações necessárias em nossa Igreja para superar o clericalismo e os abusos de poder a ele vinculados e para enfrentar de forma decisiva os casos de abuso na Igreja. Quebrar o silêncio, trabalhar para recompensas abrangentes para as vítimas e para estabelecer medidas preventivas abrangentes e monitorar sua implementação na prática.

A esperança é, certamente, que em todos esses campos não há apenas muito a ser feito, mas, ao mesmo tempo, há práticas transformadoras já iniciadas. O grande espírito e compromisso que estão sendo gerados ao longo deste processo sinodal da Primeira Assembleia Eclesial dá grande esperança de que também na fase pós-sinodal o processo de renovação da Igreja na América Latina e no Caribe continuará graças à força transformadora do Espírito que sopra onde quer e nos inspira com a ousadia de trilhar novos caminhos.

Leia também:
Pré Assembleia Eclesial
Cardeal Barreto na COP26

Sinodalidade, ensaio de um mundo novo

Violência estrutural

Bispos, CEAMA e REPAM à COP26

O que é sínodo sobre a sinodalidade

Alternativas a uma economia que mata

É urgente uma mudança de cultura ambiental

Menos armas, mais comida

Aliança de redes eclesiais - COP 26

Violência como forma de governo

Sinodalidade: rosto de uma Igreja comunhão

Precisamos recuperar o sopro do Espírito

Dois anos do Sínodo Amazônico

Papa: "O Espírito muda o coração..."

Encontro da Rede CLAMOR

Papa nomeia Pe. Joel Bispo auxiliar de BH

Dia Nacional do Leigo 2021

Que o sonho de Deus brilhe para nós

MOBON, a busca da animação bíblica

Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.  

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS