Formação Espiritualidade
30/06/2021 Dom Paulo Mendes Peixoto Edição 3937 Frutos do testemunho
F/ Pixabay
"Os dois apóstolos da fé, Pedro e Paulo, passaram por profunda transformação em suas vidas. Podemos até dizer de uma mudança de identidade. Pedro era pescador; Paulo, proclamador da Lei antiga. Ambos se transformam em apóstolos..."

Dizem que as palavras podem sensibilizar alguém, mas é o testemunho que consegue arrastar as pessoas. Estamos em tempos fortes de muitas palavras, de ouvir pouco e raros gestos concretos que revelam compromisso de transformação. É como construir um prédio com perfeita engenharia em ralação aos andares e apartamentos, mas sem uma base firme de sustentação.

A bíblia reflete sobre essa realidade. A base de sustentação da vida cristã é o próprio Cristo, em quem os apóstolos se apoiaram e executaram sua missão de evangelizar. Assim foi o que aconteceu, no compromisso de fé e missão, com Pedro e Paulo, as colunas de sustentação da Igreja. Pedro, um pescador, fez parte do grupo dos primeiros discípulos enviados por Cristo para anúncio da boa-nova.

Pedro foi chamado de pedra, como uma rocha, fundamento e sustentação, para confirmar os irmãos na fé. Ele fez parte de um grupo fiel a Jesus Cristo que, pelo testemunho, incomodava muita gente, e acabou sendo perseguido, preso e martirizado. Ser fiel supõe não abrir mão, nem se deixar abater, diante do que tiver assumido de forma livre e consciente e com objetivos concretos.

Paulo de Tarso foi outra figura de caráter exemplar dentro do cristianismo, de autêntico testemunho e de fidelidade à missão por ele assumida a serviço da evangelização. Sua vida teve as marcas de um verdadeiro testamento espiritual. Com uma vida de intempéries, de grandes perseguições e sofrimentos, enfrentando a mesma sorte de Pedro, de muitos outros apóstolos e martírio por causa de Cristo.

Os dois apóstolos da fé, Pedro e Paulo, ícones de verdadeiro testemunho na missão, passaram por profunda transformação em suas vidas. Podemos até dizer de uma mudança de identidade. Pedro era pescador; Paulo, proclamador da Lei antiga e perseguidor dos cristãos. Ambos se transformam em apóstolos e seguidores fieis dos ensinamentos de Jesus Cristo e sustentação da Igreja nascente.

A autenticidade de vida deve fazer parte da preocupação de todas as pessoas. Isto está intimamente ligado à conduta e do ser dos indivíduos, como compromisso de construção do bem viver para todos. No caso dos cristãos, dos que procuram seguir Jesus Cristo no testemunho de fidelidade aos ensinamentos da fé cristã contidos no Evangelho, devem ajudar na construção do Reino de Deus.

Dom Paulo Mendes Peixoto

Arcebispo de Uberaba.

Leia também:
O processo de Escuta deve ser mútuo e transformador
"O diaconato de mulheres só precisa ser reconhecido..."

Para que serve um velho?

Precisamos de leigos como sujeitos eclesiais
Sinodalidade e espiritualidade

Catequese Papa Francisco: Introdução aos Gálatas

Sínodo vai exigir repensar as estruturas da Igreja
A irresponsabilidade das autoridades

Sínodo 2023: Equipe de animação do Brasil

500 mil vidas presentes em nossas vida
s
Uma vida doada aos esquecidos do mundo

Nota de solidariedade a Dom Vicente Ferreira

Toda vida importa: CNBB prepara mobilização

Oração para a Assembleia Eclesial

Ação na Pandemia

A Igreja no mundo urbano

Uma Igreja samaritana que chega aos recantos

Uma Igreja Sinodal

Procuram-se pessoas loucas...

REPAM e CEAMA, dois rios para a sinodalidade na Igreja

Dom Mário denuncia o garimpo ilegal

Por uma Igreja Sinodal


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.  

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS