Formação Família
04/03/2020 Pe. Sebastião Sant’Ana Silva, SDN   Edição 3921 Fraternidade, vida e famílias samaritanas
F/ comshalom.org
"O tema vida emerge em nossos dias como um clamor que brota de tantos corações que sofrem de inúmeras formas e da criação que se vê espoliada."

 

Desde seu início (1964), a Campanha da Fraternidade (CF) vem sendo um modo privilegiado pelo qual nossa Igreja procura viver a Quaresma. Somos convidados a não separar a conversão do múltiplo serviço: aos irmãos e irmãs, à sociedade e ao planeta Terra, nossa Casa Comum. Neste ano, em sua 57ª edição, a CF nos motiva a olhar, de modo mais atento e detalhado, para a vida. "Fraternidade e vida: dom e compromisso" é o tema da CF 2020. O lema: "Viu, sentiu compaixão e cuidou dele" (Lc 10,25-37).

A CNBB, ao apresentar o Texto-Base (TB), afirma que "o tema vida emerge em nossos dias como um clamor que brota de tantos corações que sofrem de inúmeras formas e da criação que se vê espoliada. (...) Será uma Campanha que, olhando transversalmente as diversas realidades, nos interpelará a respeito do sentido que estamos atribuindo, na prática, à vida, nas suas diversas dimensões: pessoal, comunitária, social e ecológica".

 

Fazer o que o bom samaritano fez

A CF 2020 "proclama: a vida é dom e compromisso! Seu sentido consiste em ver, solidarizar-se e cuidar. A vida é essencialmente samaritana. (...) Não se pode viver a vida passando ao largo das dores dos irmãos e irmãs" (TB, Apresentação). A parábola do bom samaritano, pela grandeza de seu ensinamento, é considerada chave de leitura não só da experiência de Jesus Cristo, mas também da teologia e da antropologia cristãs. À luz do bom samaritano entende-se a dimensão sublime da misericórdia. Ajuda não só a compreender melhor quem é Deus, mas também a humanidade querida por Deus e como devem ser nossas comunidades eclesiais missionárias.

A CNBB, apresentando a CF, implora: "Permita o Bom Deus que cada pessoa, grupo pastoral, movimento, associação, Igreja Particular, enfim, o Brasil inteiro, motivado pela Campanha da Fraternidade, possa ver fortalecida a revolução do cuidado, do zelo, da preocupação mútua e,portanto, da fraternidade".

 

Jesus, verdadeiro bom samaritano

"Jesus é o verdadeiro bom samaritano que se aproxima dos homens e mulheres que sofrem e, por compaixão, lhes restitui a dignidade perdida. A encarnação é sinal concreto da proximidade de Deus que salva aqueles que jazem nos sofrimentos" (TB,19). Pouco adiante o documento (TB, 33) explicita: "A vida é um dom que recebemos de Deus e que somos chamados a partilhar em busca da plenitude: 'De tal modo Deus amou o mundo que deu seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna' (Jo 3,16). Eis o nosso compromisso com essa vida, dom de Deus: levá-la à plenitude de Cristo. Criados à sua imagem e semelhança, somos filhos no Filho e os seus gestos de fraternidade nos ensinam este caminho: 'Viu, sentiu compaixão, cuidou dele' (Lc 10,33-34)".

Fraternidade e Vida! Dom e Compromisso! Vida é Dom de Deus! Vida é compromisso fraterno! Com os olhos fixos em Jesus e na realidade sofrida de muitos irmãos e irmãs entenderemos melhor a opção evangelizadora que a Igreja nos propõe.

Objetivo geral e objetivos específicos

Eis o objetivo geral da CF 2020: "Conscientizar, à luz da Palavra de Deus, para o sentido da vida como Dom e Compromisso, que se traduz em relações de mútuo cuidado entre as pessoas, na família, na comunidade, na sociedade e no planeta, nossa Casa Comum".

Entre os objetivos específicos estão:

  • Apresentar o sentido da vida proposto por Jesus nos Evangelhos;
  • Propor a compaixão, a ternura e o cuidado como exigências fundamentais da vida para relações mais humanas;
  • Fortalecer a cultura do encontro, da fraternidade e a revolução do cuidado como caminhos de superação da indiferença e da violência;
  • Promover e defender a vida, desde a fecundação até o seu fim natural;
  • Despertar as famílias para a beleza do amor que gera vida nova;
  • Despertar os jovens para o dom e a beleza da vida, motivando-lhes o engajamento em ações de cuidado mútuo;
  • Valorizar e divulgar as inúmeras iniciativas existentes em favor da vida;
  • Cuidar do planeta, nossa Casa Comum, comprometendo-se com a ecologia integral.

 

Na família, vida acolhida e protegida

A família “é o lugar onde a vida, dom de Deus, pode ser acolhida e protegida contra os múltiplos ataques a que está exposta. (...) Determinante e insubstituível é, e deve ser, considerado o seu papel para promover e construir a cultura da vida" (S. J. Paulo II, TB 187).

As novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil reconhecem que "é imprescindível reafirmar o valor da família e motivar, organizar, ainda mais a Pastoral Familiar em todos os lugares e ambientes como resposta a esse desafio de tornar nossos lares, nossas casas, nossas comunidades de fé e de cuidado para com a vida. A família é o ponto de chegada para nossa ação pastoral e o nosso ponto de partida para a vida comunitária mais ampla" (DGAE 2019–2023, n. 138 – Ver TB, 188).

"Nos setores pré e pós-matrimonial e casos especiais, a Pastoral Familiar tem uma série de iniciativas para cuidar da vida em família, desde a concepção até o seu declínio natural, sem perder de vista o horizonte da plenitude. Bom caminho de ação é valorizar, formar e potencializar todos os serviços pastorais em favor da família" (TB,189).

 

Santa Dulce dos Pobres, a samaritana

A presidência da CNBB, ao apresentar a proposta da CF 2020, nos incentiva: "Não temamos se nos sentirmos pequenos diante dos problemas. Lembremo-nos de Santa Dulce dos Pobres, mulher frágil no corpo, mas fortaleza peregrinante pelas terras de São Salvador da Bahia de Todos os Santos. Dulce, presença inquestionável do amor de Deus pelos pobres e sofredores. Dulce, incansável peregrina da caridade e da fraternidade. Dulce, testemunho irrefutável de que a vida é dom e compromisso. Dulce que via, se compadecia e cuidava. Dulce que intercede por nós no céu".

O Texto-Base da CF 2020 é permeado de frases dessa "mulher corajosa e samaritana no meio em que viveu. Ela é para nós exemplo de fé, amor, cuidado com a vida e compromisso cristão com aqueles que mais necessitam" (TB, 29).

No Cartaz da CF 2020, Santa Dulce dos Pobres, o Anjo Bom da Bahia, é uma representação do "bom samaritano de nossos tempos".

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS