Variedades Extras
Compartilhe esta notícia:
12/02/2022 Benedetta Capelli e Andrea De Angelis Edição 3945 Francisco: crianças-soldado, um grito que se eleva a Deus
F/ Vatican News
"Crianças soldados são roubadas de sua infância, de sua inocência, de seu futuro, muitas vezes de sua própria vida. Cada uma delas é um grito que se eleva a Deus e que acusa os adultos que colocaram as armas em suas pequenas mãos."

No Dia Internacional contra o Uso de Crianças-Soldado, o Papa recorda em um tweet o drama de tantos menores, vítimas de violência. Segundo a ONU, mais de 8.500 crianças foram usadas em cenários de hostilidade em 2020.

"Uma tragédia", "um crime abominável". Ao longo dos anos, o Papa sempre fez ouvir a sua voz sobre a terrível chaga das crianças-soldado, tornando-se assim o intérprete da dor de muitos menores, arrancados da infância e obrigados a pegar em armas, tornando-se instrumentos de morte. Em um tweet em sua conta @Pontifex, publicado por ocasião do Dia Internacional contra o Uso de Crianças-Soldado, Francisco escreve:

Crianças soldados são roubadas de sua infância, de sua inocência, de seu futuro, muitas vezes de sua própria vida. Cada uma delas é um grito que se eleva a Deus e que acusa os adultos que colocaram as armas em suas pequenas mãos.

Grave violação dos direitos das crianças

Crianças empregadas como combatentes, mas também como cozinheiras, porteiros, guardas, mensageiros. Meninas que estão envolvidas em várias atividades, como transporte, assistência médica, cozinhar, limpar e cuidar de outras crianças, mas que podem se tornar parte ativa do conflito, como na África, onde quase 40% das meninas recrutadas por forças ou grupos armados participam diretamente das hostilidades, ou no Oriente Médio onde existem apenas unidades femininas para o uso de armas táticas.

No entanto, ambos são vítimas de sequestros, ameaças, manipulações. Alguns são movidos pela pobreza, obrigados a gerar renda para suas famílias. Outros ainda unem forças para sobreviver ou proteger suas comunidades. Independentemente do seu envolvimento, o recrutamento e utilização de crianças por forças armadas - sublinha o UNICEF - constitui uma grave violação dos direitos da criança e do direito internacional humanitário.

Um fenômeno crescente

A ONU sublinha que em 2020 existiam mais de 8.500 crianças-soldados recrutadas e empregadas em zonas de guerra, um aumento em relação aos 7.750 casos registrados em 2019. Mais de 93.000 crianças-soldados entre 2005 e 2020. Apenas dois anos atrás as Nações Unidas verificaram 26.425 violações graves.

Quase 75% dos conflitos envolvem o recrutamento de crianças e bem mais da metade destas são meninas. O que as crianças sofrem são formas extensas de exploração e abuso que também se tornam sexuais no caso das meninas. O casamento precoce é outra ferramenta preferida por algumas partes em conflito: as meninas são forçadas a se casar com combatentes adultos do sexo masculino e vivem sob seu controle, muitas vezes submetidas à violência sexual diária.

Fonte: Vatican News

 Leia também:
Ser felizes mesmo no meio de tanta dor
Metaverso e a vida Eclesial

Dia dos Enfermos: Cuidado humano integral

O assassinato de Moïse e os refugiados no Brasil

Templos, Igrejas e protestos, é preciso refletir

O Espírito continua a transbordar desde a Amazônia

Norteamento mais lúdico para dinâmicas do seminário

Igreja dos Estados Unidos e os migrantes

Dia da vida consagrada: Chamados a ser Igreja sinodal

Santarém: 50 anos do Vaticano II da Amazônia

Dom Walmor: Cristianismo...

Superar o negacionismo climático

Francisco  e o combate às mudanças climáticas
Ouvir o irmão para ouvir a Deus - DMC 2022

CNBB visita o Papa Francisco
1. Superar o ambientalismo
2. Adotar uma nova Cosmologia
3. Uma nova visão do mundo
4. Uma nova visão de nós mesmos
Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão

Compartilhe esta notícia:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS