Destaques Igreja Hoje
22/06/2022 Luis Miguel Modino - Regional Norte 1 Edição 3948 Escuta, clareza e avançar sem medo de errar, chamados aos bispos na Visita ad limina 2º dia da Viagem Ad Limina do Regional Noroeste e Norte1
F/ L M Modino
"Tanto o Papa como desde os dicastérios existe na opinião dos bispos uma grande apertura e um grande impulso para que avancem, sem medo, mesmo com a possibilidade de errar. Quando o erro acontece, não por má vontade, mas pelos erros que fazem parte do caminho, o chamado é para voltar atrás e recomeçar."

Uma agenda carregada, mas cheia de momentos marcantes, que ajudam a viver a catolicidade e a comunhão, a encontrar caminhos comuns entre o Papa, a Cúria Vaticana e as Igrejas locais, a tecer o caminho da sinodalidade. No segundo dia da visita ad limina dos bispos dos Regionais Norte1 e Noroeste da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a jornada começou com a celebração da Eucaristia na Basílica de São João de Latrão, “a catedral do Bispo de Roma”.

Presidida por Dom Adolfo Zon, no dia em que completou 36 anos de ordenação presbiteral, o Bispo da Diocese do Alto Solimões convidou seus irmãos a rezar pelas suas igrejas locais, a viver e caminhar em uma Igreja Santa, Católica e Apostólica. Segundo o bispo, “uma Igreja que está fundamentada nessa pedra fundamental que é Cristo, ela deve transformar toda a humanidade no templo de Deus, onde Deus se faz presente, onde Deus se manifesta como o Deus conosco”.

Uma Igreja que “se faz presente para resgatar a dignidade dos filhos e filhas de Deus e assim transformar nossa humanidade em uma autêntica presença de Deus nas nossas vidas e nas nossas igrejas locais”, segundo Dom Adolfo Zon. Ele afirmou que “somos privilegiados por poder vivenciar no dia a dia essa construção dessa Igreja”, chamando a sair fortalecidos para espalhar a graça de Deus pelos territórios a eles confiados.

Bispos, Doutrina da Fé, Leigos, Família e Vida, e a Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica foram os 4 dicastérios visitados pelos bispos na terça-feira. Encontros marcados por uma agenda que nem sempre dá para aprofundar em todas as questões, mas que ajudam a ter uma visão geral dos diferentes dicastérios e partilhar situações presentes nas diferentes igrejas particulares, neste caso da Amazônia brasileira, segundo relatam os bispos.

Presididos pelo cardeal Marc Oullet, o Cardeal Luis Ladária, o Padre Alexandre Awi Mello e o Cardeal Braz de Aviz, alguns bispos destacam a presença de mulheres nas equipes que fazem parte dos dicastérios, algo valorizado positivamente. Os bispos enfatizam o espírito dos encontros, que definem como momentos de conversa, de escuta, não de discurso, algo que já se fez presente no encontro com o Papa Francisco, acontecido na segunda-feira, dia em que começou a visita ad limina, que será encerrada na sexta-feira, 24 de junho.

O diálogo e a escuta estão se concretizando como atitudes fundamentais na atual Cúria Vaticana, que sabe reconhecer que nem tudo é conhecido nos dicastérios, algo valorizado pelos bispos. Eles também destacam a clareza diante dos questionamentos e dúvidas, buscando respostas marcados por um sentido muito pastoral.

Tanto o Papa como desde os dicastérios existe na opinião dos bispos uma grande apertura e um grande impulso para que avancem, sem medo, mesmo com a possibilidade de errar. Quando o erro acontece, não por má vontade, mas pelos erros que fazem parte do caminho, o chamado é para voltar atrás e recomeçar. Nesse sentido, o Direito Canónico não pode ser visto como algo que leve a ter medo de errar, segundo os bispos. O importante é caminhar, e o erro nem sempre pode ser visto como irresponsabilidade, pois o caminho se faz caminhando.

Escuta, clareza, com pontos já definidos a partir de outras experiências, e caminhar, mesmo com o risco de errar, sabendo que sempre pode pedir desculpas, voltar e continuar caminhando para frente.

Aqueles bispos que já participaram de outras visitas ad limina afirmam que aquelas eram marcadas pelas falas da Cúria, respondendo a perguntas que eram previamente enviadas pelos bispos. Um estilo que não era dialogal, mais marcado por relatórios e respostas a partir de documentos, que em alguns momentos provocou situações de tensão. Agora, insistem os bispos, a partir da realidade se busca como caminhar e avançar, um outro estilo bem, bem diferente, onde os bispos dizem se sentir à vontade, pudendo conversar em um clima de serenidade, sem medo ao que possa acontecer diante das falas dos bispos.

 Leia também:
CNLB realiza sua 40ª Assembleia Geral em São Luís-MA
Revisitar o passado, fazer memória

Mensagem do IV Encontro da Igreja na Amazônia legal

Santarém: Texto muito simples, mas prático...

O mundanismo, o funcionalismo e o pragmatismo...

50 anos de Santarém: Igreja com vitalidade...

Carta do Papa pelos 50 anos do Documento de Santarém

"O protesto dos pobres é a voz de Deus" 

Papa Francisco, a Sinodalidade e a eclesiogênese

"A Igreja da Amazônia não ficou esquecida do Papa"

Inteligência artificial, luz para a evangelização

Obrigados a desobedecer

Encontro Eclesial da Região Andina

Encontro Eclesial do Caribe

Encontros Eclesiais regionais

Reavivar Aparecida: corajosa profecia
15 anos de Aparecida: Sua Vitalidade

Entrevista Pe. Dario Rossi: mega mineração no Brasil
Igreja repudia violência contra indígenas
Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS