Destaques Religião
01/06/2021 Marcelo Barros Edição 3937 Ecologia Integral: Corpo de Cristo
F/ Pixabay
"A Carta da Terra sublinha que todos os seres vivos formam uma verdadeira “comunidade da vida”. A festa de Corpo de Cristo pode lembrar aos cristãos que, atualmente o universo inteiro se constitui como um imenso “corpo de Deus”, ou seja, uma presença amorosa do Espírito Divino em todos os seres vivos."

 

A ONU celebra no sábado 05 de junho, o dia mundial do ambiente e nesta quinta-feira, 03 de junho, a Igreja Católica celebra a festa da Eucaristia (Corpo de Cristo). É uma festa criada na Idade Média para, em meio a polêmicas doutrinais, ressaltar a importância da presença do Cristo na eucaristia. Por isso, essa celebração contém um desafio ecumênico. Reforça um estilo de espiritualidade dogmática que agrava a divisão entre as Igrejas.

O que estamos esperando?

O elemento ecumênico é que a nossa fé valoriza o corpo, seja o corpo do homem e da mulher, seja o corpo cósmico do universo, no qual podemos também contemplar a presença do Espírito. Theillard de Chardin afirmava que os cristãos sempre valorizaram em Jesus a sua natureza humana e sua natureza divina. Agora deveriam reconhecê-lo em seu corpo cósmico: a Terra e o universo.

Mesmo se até hoje, se discute a origem do Coronavírus, uma coisa é certa: a sua disseminação mortífera por todo o mundo tem muito a ver com a destruição da natureza e as mudanças climáticas. É urgente uma reação da humanidade.

Há seis anos, o papa Francisco surpreendeu o mundo ao escrever a carta encíclica Laudato Si sobre o cuidado com a casa comum dirigida a toda humanidade. Há poucos dias, encerramos as comemorações de um ano, proposto para a releitura e revisão da carta. O objetivo deste ano Laudato Si era atualizar para os nossos dias as propostas fundamentais da ecologia integral.

Por uma ecologia integral

Depois da publicação da encíclica, tivemos o evento importante do Sínodo para a Amazônia que mobilizou as forças vivas da Igreja Católica e até de outras Igrejas em solidariedade à Amazônia, à biodiversidade da região e aos povos amazônicos, diversos em suas culturas, mas unidos em sua pobreza.

O documento final do Sínodo falava da Ecologia Integral como missão essencial das Igrejas cristãs e não como algo alheio à fé e à espiritualidade. Em outubro de 2020, o papa Francisco publicou a encíclica sobre a fraternidade universal e amizade social (Fratelli Tutti). A partir de então, os dois documentos (Laudato Si e Fratelli Tutti) formam um só apelo a todas as pessoas e comunidades. Fica, então, claro: “ou nos salvamos juntos ou ninguém se salva” (Cf. FT 137).

As Igrejas têm como missão educar as pessoas para viverem e estimularem a fraternidade entre todos os seres humanos e a comunhão com todos os seres vivos. De fato, a vida depende de ecossistemas, necessários para que animais e vegetais possam sobreviver e se proteger uns aos outros.

Buscar e viver a comunhão

A Carta da Terra sublinha que todos os seres vivos formam uma verdadeira “comunidade da vida”. A festa de Corpo de Cristo pode lembrar aos cristãos que, atualmente o universo inteiro se constitui como um imenso “corpo de Deus”, ou seja, uma presença amorosa do Espírito Divino em todos os seres vivos.

Ao cear com os discípulos e discípulas, Jesus tornou a refeição profecia de uma forma de viver. Ao participar do mesmo pão, a comunidade cristã propõe que se organize o mundo a partir da partilha e não da concorrência e do individualismo. Em outras religiões, também há ritos através dos quais o Espírito Divino vem participar da mesa das comunidades.

De um modo ou de outro, as diversas tradições espirituais revelam que a convivência humana pode ser organizada a partir da comunhão. Nos cultos afro-brasileiros, mesmo nas comunidades mais pobres, em todas as festas, as refeições são sempre abertas a todos/as que querem participar da comida dos Orixás.

No século IV, a respeito da Eucaristia, Santo Agostinho ensinava aos fieis: “Na ceia de Jesus,  esse pão representa o que vocês são: corpo de Cristo. O pão é símbolo e sacramento da comunidade. É quando vivemos em comunidade que somos a presença de Cristo no mundo” (sermão 277).  

 Leia também:
O Sínodo requer paciência
Colômbia em chamas...
Carta do CELAM ao Papa Francisco

Sinodalidade: um processo construído aos poucos

Alegria e tristeza

O Espirito age a partir de baixo: o Sínodo
Mensagem dos Bispos do CELAM ao povo de Deus
Carta aberta dos bispos da Amazônia

O vírus da corrupção

CELAM busca estrutura mais adequeda

Uma Igreja mais missionária e evangelizadora

CELAM - Promoção do discipulado e da consciência missionária

Novas relações no seio da Igreja

Pessoas ou tijolos: o que importa mais

Crise na Colômbia: manifesto dos teólogos

Maria e o Espírito Santo

Parturientes do Novo - I Congresso de Teologia Pastoral

Sinodalidade, diálogo, discernimento

Desafio contínuo de trabalhar a humanização


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
  

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS