Roteiros Pastorais Homilética
17/03/2021 Dom Emanuel Messias de Oliveira Edição 3933 DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR 28/3/2021
F/ Pixabay
"Os judeus rejeitaram Jesus, mas os pagãos o reconheceram. Por isso o oficial romano, representando os pagãos disse: “Na verdade este homem era mesmo Filho de Deus”."

DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR 28/3/2021

 1ª LEITURA - Is 50,4-7

 Estamos lendo o terceiro canto do Servo de Javé. O Senhor Deus é o Mestre, e o servo é o discípulo. Qual é o ensinamento que o Mestre dirige ao discípulo? O texto salienta uma tríplice atitude de Deus: a) “O Senhor Deus me ensinou a falar”... “e me desperta a cada manhã”. b) “O Senhor Deus abriu meu ouvido”. c) “O senhor Deus me presta socorro”.

Qual é a atitude do discípulo - o servo de Javé? a) Ele se coloca disponível e aberto como um aluno para aprender de Deus a dar uma palavra de conforto à pessoa abatida. b) Ele não fica rebelde nem volta atrás em suas atitudes. Ele não foge nem se esconde diante daqueles que o maltratam. c) Ele não se deixa vencer pelas injúrias, mas conserva o rosto insensível como pedra. E, acima de tudo isso, ele tem absoluta certeza que não vai ficar decepcionado com o seu Mestre e Senhor.

Estas atitudes do servo mostram que instruído e protegido por Deus, ele se sente bem preparado para a sua missão. Ele é capaz de suportar tudo para não trair a missão recebida, nem a opção assumida. A essa altura poderíamos nos perguntar: Afinal quem é esse Servo de Javé? Poderia ser o povo de Israel diante de sua missão universal; um anônimo, talvez, para simbolizar os sofredores, os marginalizados e empobrecidos de todos os tempos ou uma figura messiânica. De qualquer maneira, o Segundo Testamento viu em Jesus a realização plena desse enigmático personagem do Primeiro Testamento chamado o “Servo Sofredor”.

 2ª LEITURA - Fl 2,6-11

 Este hino - uma das mais belas sínteses do pensamento de Paulo sobre Jesus - mostra dois movimentos - um descendente (vv. 6-8) e outro ascendente (vv. 9-11).

O movimento descendente tem Jesus como sujeito. É a ação radical de Deus Filho que se torna servo obediente. O Filho abandona tudo o que tem direito, todas as prerrogativas de sua condição divina. Esvazia-se, aniquila-se, aceita a condição de escravo, tornando-se igual aos homens. E ainda, como homem, ele se rebaixou totalmente sendo obediente até a morte e morte ignominiosa numa cruz. Nesse movimento descendente percebemos o profundo mergulho do Filho de Deus na miséria humana para ser solidário com os mais miseráveis e desprezíveis.

O movimento ascendente tem o Pai como autor. Ele exalta o Filho com sua ressurreição, ascensão e entronização. O Filho ocupa de novo o lugar que já possuía junto ao trono do Pai. O Pai exalta o nome de Jesus acima de qualquer nome. O nome do Senhor é “Senhor”. Todos devem adorá-lo (dobrar os joelhos). E toda a língua deve proclamar para a glória do Pai que o Filho Jesus é o Senhor.

 

EVANGELHO - Mc 15,1-39

 Marcos inicia seu evangelho anunciando a tese que ele quer provar: Jesus é o Cristo-Messias e Filho de Deus. O evangelho se apresenta como um drama. Logo no início, já aparece, por parte de seus adversários, representados por fariseus e herodianos, a intenção de matá-lo (cf. 3,6). No meio do evangelho, Pedro, em nome da comunidade apostólica, professa a fé em Jesus como Messias - a primeira tese de Marcos – mas, mais tarde, Pedro renegará Jesus e por causa da traição de Judas Jesus é preso e depois condenado à morte. Diante do sumo sacerdote Jesus afirma que ele é realmente o Messias (14,62).

Diante de Pilatos Jesus endossa o título de “rei dos judeus”. Instruída pelos sumos sacerdotes a multidão troca Jesus pelo criminoso Barrabás, pedindo para soltar Barrabás e crucificar Jesus. Pilatos para satisfazer à multidão manda flagelar Jesus e o crucificar, mesmo sabendo da inocência de Jesus e que os sumos sacerdotes o haviam entregado apenas por inveja. Com um manto vermelho e uma coroa de espinhos, os soldados caçoavam de Jesus como de um rei derrotado, pois o maltratam e desprezam batendo e cuspindo nele. Na verdade, inconscientemente, eles estavam maltratando o verdadeiro rei, que veio justamente para condenar todo tipo de maldade e violência. A caminho do Calvário obrigam Simão Cirineu a carregar a cruz para Jesus. Jesus foi crucificado entre dois ladrões.

Eles simbolizam todos os marginalizados que Jesus veio abraçar e com quem Jesus veio partilhar o seu trono. Todos os que passavam por ali, juntamente com os sumos sacerdotes e doutores da Lei, zombavam de Jesus e tentavam-no, pela última vez, desafiando sua messianidade. Às 15h, Jesus morre rezando o Salmo do justo sofredor: “Meu Deus, meu Deus porque me abandonaste”. A cortina do santuário rasgou-se de alto abaixo. É a eliminação da distância entre o sagrado e o profano. No batismo de Jesus também os céus se rasgaram (1,10) mostrando que Deus desceu até nós.

A última frase do evangelho de hoje prova a segunda tese de Marcos de que Jesus é o Filho de Deus. Os judeus rejeitaram Jesus, mas os pagãos o reconheceram. Por isso o oficial romano, representando os pagãos disse: “Na verdade este homem era mesmo Filho de Deus”.

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS