Destaques Em cima da hora
02/06/2021 Luis Miguel Modino Edição 3937 Dom Mário denuncia o garimpo ilegal na TI Yanomami Dom Mário Antônio da Silva denuncia “a omissão e negligência das autoridades” frente ao garimpo ilegal na TI Yanomami
F/ Facebook Anglo Soricaba
"O bispo de Roraima considera inaceitáveis “a omissão e negligência das autoridades”, dado que “a proteção dos territórios indígenas é uma obrigação constitucional”, [...] tornando-se assim principal cúmplice da violência, da depredação e da ilegalidade”, pedindo a ação urgente das autoridades."

Os ataques que sofre o povo Yanomami por parte do garimpo ilegal, especialmente desde o dia 10 de maio passado, em que aconteceu um tiroteio contra a aldeia Palimiú, tem sido motivo de repulsa por parte da diocese de Roraima.

Numa Carta à Igreja e ao povo de Roraima, Dom Mário Antônio da Silva, denuncia que diante dos ataques, que se repetiram nos dias seguintes, “poucas providências foram tomadas da parte dos órgãos responsáveis para garantir a vida e a integridade da comunidade”.

O bispo denuncia o garimpo ilegal em Roraima, “que nos últimos anos cresceu com a anuência dos poderes legislativo e executivo, inclusive com projetos de lei tentando validade e reconhecimento”. O segundo vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lembra as palavras da última assembleia, onde aparece a necessidade de se posicionar “quando a vida é ameaçada, os direitos desrespeitados, a justiça corrompida e a violência instaurada”.

Por isso, Dom Mário Antônio afirma que “o garimpo nas terras indígenas é uma atividade ilegal que não pode ser acobertada”, pois ela traz violência e provoca estragos à Casa Comum. Diante da presença de mais ou menos 20 mil garimpeiros na Terra Indígena Yanomami, o bispo se pergunta quem está atrás e quem se enriquece realmente com isso.

O bispo de Roraima considera inaceitáveis “a omissão e negligência das autoridades”, dado que “a proteção dos territórios indígenas é uma obrigação constitucional”, denunciando que “há um descumprimento sistemático por parte da União frente as suas obrigações, tornando-se assim principal cúmplice da violência, da depredação e da ilegalidade”, pedindo a ação urgente das autoridades.

Dom Mário Antônio pede “espaços de diálogo e caminhos de futuro que não passem pela degradação ambiental, pela agressão e violência aos povos indígenas e seus territórios”.

A carta finaliza manifestando a “profunda solidariedade com os Yanomami e os Ye´kwana” e todos os povos indígenas de Roraima, que estão sofrendo com o garimpo, lhes mostrando que “vocês não estão sozinhos, vamos juntos!”. 

Leia a carta de Dom Mário na íntegra

Leia também:
Por uma Igreja Sinodal
Ecologia integral: Corpo de Cristo

Continuar sendo a Igreja que não se cala

O Sínodo requer paciência

Colômbia em chamas...
Carta do CELAM ao Papa Francisco

Sinodalidade: um processo construído aos poucos

Alegria e tristeza

O Espirito age a partir de baixo: o Sínodo
Mensagem dos Bispos do CELAM ao povo de Deus
Carta aberta dos bispos da Amazônia

O vírus da corrupção

CELAM busca estrutura mais adequeda

Uma Igreja mais missionária e evangelizadora

CELAM - Promoção do discipulado e da consciência missionária

Novas relações no seio da Igreja

Pessoas ou tijolos: o que importa mais

Crise na Colômbia: manifesto dos teólogos

Maria e o Espírito Santo


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.
  

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS