Destaques Em cima da hora
02/02/2022 VATICAN NEWS Edição 3944 Dia da Vida Consagrada, chamados a ser Igreja sinodal
F/ CEBs Continental
"Quem são as irmãs, os irmãos que escutamos e, sobretudo, por que os escutamos? Uma pergunta que, repetimos, todos somos chamados a fazer-nos, porque não podemos chamar-nos comunidade vocacional e muito menos comunidade de vida, se falta a participação de alguém..."

Em carta para o XXVI Dia Mundial da Vida Consagrada, o cardeal João Braz de Aviz e Dom José Rodríguez Carballo exortam a refletir sobre a palavra "participação" ligada ao caminho sinodal.

 

 

“Uma ocasião de encontro marcada pela fidelidade de Deus, que se manifesta na alegre perseverança de tantos homens e mulheres, consagradas e consagrados em institutos religiosos, monásticos, contemplativos, nos institutos seculares e "novos institutos", membros do ordo virginum, eremitas, membros de sociedades de vida apostólica de todos os tempos”.

É o que escrevem o prefeito e o secretário da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica – cardeal João Braz de Aviz e o arcebispo José Rodríguez Carballho O.F.M., respectivamente – na carta por ocasião do XXVI Dia Mundial da Vida Consagrada, a ser celebrado em 2 de fevereiro

Se em 2020 o convite era para “praticar a espiritualidade de comunhão”, neste ano a ênfase recai sobre a segunda palavra do Sínodo, “para convidar cada um de nós a fazer sua parte, a participar”. Assim, que ninguém se sinta excluído ou excluída deste caminho, que ninguém pense “não me diz respeito”, mas a todos é pedido para entrar no “dinamismo da escuta recíproca, conduzido em todos os níveis de Igreja, envolvendo todo o povo de Deus”, recordando as palavras do Papa Francisco à Diocese de Roma.

Na mensagem dirigida à Vida Consagrada, é explicado que se trata, sobretudo, “de um caminho que interpela cada comunidade vocacional no seu ser expressão visível de uma comunhão de amor, reflexo da relação trinitária, de sua bondade e de sua beleza, capaz de suscitar novas energias para nos confrontarmos concretamente com o momento atual”.

“Se voltarmos ao nosso chamado vocacional – escrevem -, reencontraremos a alegria de sentir e fazer parte de um projeto de Amor para o qual outros irmãos e irmãs, antes de nós e conosco, colocaram a própria vida à disposição”:

“Quanto entusiasmo no início das nossas histórias vocacionais, quanto encanto ao descobrir que o Senhor também me chama a realizar este sonho de bem para a humanidade! Reavivemos e cuidemos de nossa pertença porque, o sabemos muito bem, com o tempo corre o risco de perder força, sobretudo quando substituímos a atratividade do nós pela força do eu.”

E enquanto é percorrido esse caminho eclesial, o convite é para interrogar-se:

“Quem são as irmãs, os irmãos que escutamos e, sobretudo, por que os escutamos? Uma pergunta que, repetimos, todos somos chamados a fazer-nos, porque não podemos chamar-nos comunidade vocacional e muito menos comunidade de vida, se falta a participação de alguém.”

Assim, a exortação para entrar neste caminho de toda a Igreja, “com a riqueza dos nossos carismas e da nossa vida, sem esconder fadigas e feridas, firmes na convicção de que só podemos receber e dar o Bem, porque "a vida consagrada nasce na Igreja, cresce e só pode dar frutos evangélicos na Igreja, na comunhão viva do Povo fiel de Deus” (Papa Francisco, 11 de dezembro de 2021).

Nesse sentido, “a participação torna-se então uma responsabilidade”:

“Não podemos faltar, não podemos deixar de estar entre os outros e com os outros, nunca e ainda mais neste chamado a ser Igreja sinodal! E mesmo antes disso, sabemos bem que a sinodalidade começa dentro de nós: de uma mudança de mentalidade, de uma conversão pessoal, na comunidade ou fraternidade, em casa, no trabalho, em nossas estruturas para expandir-se nos ministérios e na missão.”

Trata-se de uma dinâmica gravada em nossa vida, e como um eco daquela primeira resposta ao Amor do Pai que nos alcançou:

“É aí, nessa dinâmica de apelo e de adesão que reside a raiz desta atitude de estar dentro dos processos que dizem respeito à vida da comunidade e de cada pessoa, a sentir na nossa carne as feridas e as expectativas, a fazer o que pudermos, a começar por colocar tudo nas mãos de Deus com a oração, a não substrair-se do esforço de testemunhar a esperança, dispostos a perder contanto que se alimente aquele caminho juntos que começa com a escuta, que significa abrir espaço para o outro em nossa vida, levando a sério o que é importante para ele.”

A participação assume assim o estilo de co-responsabilidade de referir-se antes ainda que à organização e ao funcionamento da Igreja, à sua própria natureza, a comunhão e ao seu sentido último: o sonho missionário de chegar a todos, de cuidar de todos, de sentir que todos são irmãos e irmãs, juntos na vida e na história, que é a história da salvação.

Vatican News

Leia também:
Santarém: 50 anos do Vaticano II da Amazônia
Dom Walmor: Cristianismo...

Superar o negacionismo climático

Francisco  e o combate às mudanças climáticas
Ouvir o irmão para ouvir a Deus - DMC 2022

Enchentes: ser uma presença humana e solidária

CNBB visita o Papa Francisco

Meu quintal, minha cesta

1. Superar o ambientalismo
2. Adotar uma nova Cosmologia
3. Uma nova visão do mundo
4. Uma nova visão de nós mesmos
5. Uma nova espiritualidade
6. Uma conversão ecológica

7. Praticar uma ecologia integral
Nasce a
 fundação Sacalabriniana
As mulheres na Igreja e o diaconato feminino
Sinodalidade e Missão da Igreja
Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS