Variedades Assembleia Eclesial
21/11/2021 Luis Miguel Modino - Prensa CELAM Edição 3942 Austen Ivereigh: Estou aqui para aprender as lições da Igreja líder em sinodalidade. Entrevista com Austen Ivereigh, Biógrafo do Papa Francisco presente na I Assembleia Eclesial Latino-Americana
F/ By L M Modino
"O Papa Francisco insistiu várias vezes que a Igreja latino-americana é chamada pelo Espírito Santo a desempenhar um papel muito importante na Igreja universal de hoje. Alguns teólogos falam hoje da Igreja latino-americana como a Igreja fonte da Igreja universal, no sentido de que o resto da Igreja reflete, em certa medida, este dinamismo. "

Austen Ivereigh sente-se privilegiado por poder participar como membro da Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe. O biógrafo do Papa Francisco será uma das cerca de 80 pessoas que participarão na Cidade do México da Assembleia.

Ivereigh diz que vem "para aprender, acima de tudo, as lições da Igreja líder em sinodalidade no mundo". Uma Igreja que "desenvolveu ao longo dos anos mecanismos e hábitos de escutar o povo", algo em que o Sínodo para a Amazônia desempenhou um papel decisivo. O jornalista inglês também reflete sobre a virtualidade da Assembleia, afirmando que "toda a Igreja tem que aprender métodos muito variados, muito flexíveis de escuta".

Para ele, referindo-se à opinião de alguns teólogos, "a Igreja latino-americana hoje é a Igreja fonte da Igreja universal, no sentido de que o resto da Igreja reflete este dinamismo em certa medida". Por esta razão, ele diz estar certo de que retornará com memórias muito bonitas de um povo e de uma Igreja que se uniram para "perguntar o que o Espírito Santo está pedindo de nós".

Para alguém que vem de fora, que vive outra realidade eclesial, como ele reage a este momento sem precedentes na história da Igreja, como uma Conferência Eclesial em nível continental?

Tendo estado aqui apenas por algumas horas, estou experimentando uma mistura de emoções. Primeiro, um sentimento de privilégio, porque vou participar de um evento sem precedentes na história da Igreja, onde toda uma Igreja continental se reúne após um longo e profundo processo de escuta, que chegou realmente ao povo, e estou aqui para aprender, sobretudo, as lições da Igreja líder em sinodalidade no mundo.

É por isso que há aqui tantas outras pessoas que vieram de fora da América Latina, incluindo muitos cardeais, incluindo o Cardeal Grech e o Cardeal Hollerich, que também vieram para aprender estas lições. Pessoalmente é uma grande emoção, porque é um grande privilégio estar aqui e estar entre tantos amigos.

Na apresentação da Assembleia Eclesial, em 24 de janeiro deste ano, o Papa Francisco enviou um vídeo onde disse que não queria que fosse algo de uma elite. O senhor acha que esta Igreja sem elites é mais fácil de descobrir na América Latina e mais difícil de ver em outros continentes, em outras realidades, por exemplo, na Europa?

Sem dúvida. É por isso que eu digo que a Igreja latino-americana é líder em sinodalidade, porque ao longo dos anos ela desenvolveu mecanismos e costumes de escutar o povo. Tem também uma longa tradição de colegialidade continental, precisamente por causa do CELAM, por causa das conferências gerais do episcopado que se realizaram.

Mas eu diria que estou impressionado com o fato de que isto não é simplesmente uma continuação do que veio antes. Se pensarmos em Aparecida, que foi a grande Conferência Geral da América Latina, após 15 anos, em um momento muito importante da história, não apenas na América Latina, mas na Igreja universal, que produziu este pontificado, e antes de Aparecida houve muitas reuniões em nível continental e local. Mas a impressão que tenho é que foram mais reuniões de especialistas, de comissões especializadas em certos assuntos.

Acredito que a primeira experiência de realmente escutar o povo foi na preparação do Sínodo Amazônico, onde 87.000 pessoas na região amazônica foram ouvidas. O processo de preparação para esta Assembleia Eclesial é mais parecido com o processo de preparação para o Sínodo Amazônico. Agora houve muitos obstáculos, especialmente a Covid, sem a pandemia teria havido, naturalmente, mais participação, mas o que foi alcançado, mesmo assim, foi um marco na história da Igreja e na história da humanidade. O processo sinodal global que acaba de começar será o maior processo de escuta da história, e acredito que, até hoje, foi isso que a Igreja latino-americana conseguiu.

Outra novidade desta Assembleia é que ela vai ser realizada com um pequeno grupo presencial e cerca de mil pessoas virtualmente. Tem sido insistido que todos participarão em pé de igualdade, tanto aqueles que estão aqui no México como aqueles que estão em casa diante de seus computadores. O que isso significa para o Sínodo sobre a Sinodalidade, para o futuro da Igreja?

Se o grande objetivo do processo sinodal global é uma Igreja sinodal, é óbvio que toda a Igreja tem que aprender métodos muito variados e muito flexíveis de escuta. Nestes meses aprendemos a nos comunicar de mil maneiras simultaneamente, aprendemos a fazer muito mais coisas por zoom, pelo Skype, além de reuniões pessoais.

Penso que a Igreja tem que refletir isso, é necessário que o processo de escuta seja às vezes em pessoa, quando pode ser em pessoa, claro que é melhor, mas também é importante não deixar que os limites de espaço e tempo restrinjam o processo de escuta. Nesse sentido, os métodos virtuais podem ser um grande presente para a Igreja a esse respeito.

Foi o Papa Francisco quem sugeriu esta Assembleia Eclesial quando lhe foi proposta a VI Conferência Geral do Episcopado da América Latina e Caribe. Ele parece ter estado atento a todo o processo, e para alguém que conhece seu pensamento, o que o senhor diria que o Papa Francisco espera desta Assembleia?

O Papa Francisco insistiu várias vezes que a Igreja latino-americana é chamada pelo Espírito Santo a desempenhar um papel muito importante na Igreja universal de hoje. Alguns teólogos falam hoje da Igreja latino-americana como a Igreja fonte da Igreja universal, no sentido de que o resto da Igreja reflete, em certa medida, este dinamismo. Acima de tudo, em como ser uma Igreja sinodal, de escuta, de participação, de comunhão, de missão, minha impressão é que o Papa vê a Igreja latino-americana como uma mestra que pode ajudar a todos nós a sermos mais sinodais.

É interessante que sua reação à proposta para uma nova conferência geral foi, não, temos que implementar a Conferência de Aparecida. É também um pouco como sua visão do Concílio Vaticano II. A questão não é convocar um novo concílio ecumênico, mas implementar o Concílio Vaticano II. Estamos na metade do processo de implementação, e é sua própria convicção, algo que ele já disse várias vezes, que para ele estamos a 50% do caminho do processo de implementação de Aparecida.

Portanto, esta Assembleia Eclesial é uma ideia, é também um fenômeno muito rico, porque mostra que depois de fazer um grande discernimento em nível continental, como foi Aparecida, 14 anos depois, pode-se reunir o Povo de Deus para ver onde estamos em termos da implementação daquele Documento. Isso poderia se tornar uma prática regular da Igreja universal.

Quando o senhor entrar no avião de volta à Europa, o que gostaria de lembrar desta Assembleia?

Tenho certeza de que levarei comigo memórias de algumas experiências muito, muito belas do povo latino-americano, que se reuniram com seus pastores, com seus religiosos, para realmente se perguntarem o que o Espírito Santo está pedindo de nós. Estou certo de que isso me dará uma experiência muito rica e profunda de eclesialidade, e que contribuirá para minha própria fé, que sempre foi muito, muito enriquecida pela Igreja latino-americana.

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS