Variedades Assembleia Eclesial
25/11/2021 Anjo morillo - ADM CELAM Edição 3942 Assembleia Eclesial, uma oportunidade que Deus dá aos membros da Igreja latino-americana Rodrigo Guerra, secretário da Pontifícia Comissão para a América Latina, em entrevista à revista Vida Nueva
F/ Prensa Celam
"O clericalismo é um vício profundo que aparece e reaparece em gestos, atitudes e pequenos ou grandes detalhes de padres e leigos. O moralismo e o clericalismo são criadouros de ambientes de 'puros', de 'cátaros' que acreditam que a agenda cristã essencial são as lutas culturais reacionárias."

Rodrigo Guerra, secretário da Pontifícia Comissão para a América Latina, assegurou, em entrevista à revista Vida Nueva, que esta Assembleia Eclesial “é uma oportunidade que Deus dá aos membros da Igreja latino-americana de reaprender a ouvir, e fazer deste gesto um método permanente na vida cristã e no discernimento social e pastoral ”.

Ouvir a Deus sem preconceitos

“A Assembleia é uma nova experiência eclesial, mas sustentada por algo muito antigo e carinhoso: a escuta da voz de Deus. Escutar a Deus que não fala tanto no ruído, nos alto falantes, mas no silêncio interior, no coração, na ferida íntima e na objetividade do irmão, sobretudo quando é pobre e marginalizado », disse. disse.

Para o leigo mexicano, “tudo o mais que se possa dizer sobre a Assembleia gira em torno desta afirmação breve, mas poderosa: ouvir a voz de Deus onde quer que ela se manifeste, sem preconceitos”.

Quanto a distinguir a voz de Deus das outras vozes para não cair em uma sociologização, ele destacou que “primeiro é preciso lembrar que bem-aventurados os puros de coração porque verão a Deus”.

Por isso - afirma - a presença de Deus se faz sentir na escuta de coração reto, limpo, eclesial, a todo o povo e não apenas a um setor e na escuta se dá na fé, em contato íntimo com a Palavra de Deus. Deus, e não como quem lê o resultado de uma pesquisa.

«Isto significa que a voz de Deus se faz ouvir quando a experiência cristã é vivida com o coração em comunhão», acrescentou.

Reativar Aparecida

A respeito do objetivo almejado pela Assembleia Eclesial, mencionou que “para o Papa Francisco, o principal desafio que a Assembleia Eclesial deve enfrentar é como reativar Aparecida e como promover profundamente a Evangelii Gaudium”.

De fato: A Assembleia não pretende ser uma VI Conferência Geral, um Parlamento democrata ou um laboratório de teologias, por mais interessantes que sejam. A Assembleia deve se perguntar com seriedade: por que algumas das questões levantadas em “Aparecida” não se tornaram ação sustentada?

A esse respeito, ele indica que “Aparecida tem uma riqueza enorme. Levaria muito tempo para fazer uma lista completa de questões e questões pendentes ou mal desenvolvidas na prática. O mais importante, porém, está expresso nos números 11 e 12 do documento. É preciso mais do que nunca recomeçar a partir de Cristo e evitar qualquer redução moralista, seja ela conservadora, seja liberal ”.

“A missão da Igreja é letárgica, cada vez que reaparece a doença do moralismo. A única coisa que energiza fortemente e de forma sustentada é redescobrir o frescor e a liberdade de Jesus ”, disse.

Perigos: moralismo e clericalismo

Também Guerra explicou que “o moralismo e o clericalismo são duas das causas que mais inibem o sentido missionário e que fortalecem o nascimento de pequenos grupos, atitudes sectárias e mulheres eclesiais gnósticas dentro da Igreja”. Por outro lado, “o clericalismo é um vício profundo que aparece e reaparece em gestos, atitudes e pequenos ou grandes detalhes de padres e leigos”. Pois “o moralismo e o clericalismo são criadouros de ambientes de“ puros ”, de“ cátaros “que acreditam que a agenda cristã essencial são as lutas culturais reacionárias”.

Precisamente Aparecida e Evangelii Gaudium “são como a Carta Magna da autêntica evangelização, conscientes da mudança dos tempos e de afirmar com coragem que a fé antes do combate é um anúncio de uma misericórdia infinita que exalta a dignidade de cada pessoa e abre novos caminhos para repensar” .

Guerra é claro em algo: “Afirmar a comunhão sem sinodalidade pode levar a rigidez e rigidez indesejável. A defesa da sinodalidade sem comunhão pode levar a uma assembleia que esconde a lógica do poder em vez do desejo de aprender do outro”.

Fonte: Prensa CELAM

  Leia também:
Sinodalidade uma sinfonia cantada...
Estar presente onde a vida mais clama

Levar aos outros o transbordamento do Espírito

Reacender Aparecida para responder aos Clamores da AL

Dispor o coração para discernir em comum

A Escritura nos tira do analfabetismo espiritual

Unidos na diversidade de ministérios e carismas

Marcelo Barros: um monge para os dias de hoje

Sinodalidade: Podemos caminhar juntos!

Fofoca: um mal a ser combatido

Hino oficial da I Assembleia Eclesial

Documento para discernimento: Asembleia Eclesial

Pré Assembleia Eclesial

Cardeal Barreto na COP26

Sinodalidade, ensaio de um mundo novo

Violência estrutural

Bispos, CEAMA e REPAM à COP26

O que é sínodo sobre a sinodalidade

Alternativas a uma economia que mata

É urgente uma mudança de cultura ambiental

Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS