Destaques Igreja Hoje
12/04/2021 Luis Miguel Modino Edição 3935 Assembleia dos bispos inicia com um olhar sobre a realidade Sofrimento com a doença e a fome e Sinodalidade marcam Análise de Conjuntura da 58ª Assembleia Geral da CNBB
F/ CNBB
"Estamos diante de uma crise com muitas faces, “uma gravíssima pandemia” que coloca à prova a sobrevivência da humanidade e que ameaça a repetir-se de modo ainda mais grave."

Um momento importante do primeiro dia da 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB tem sido a Análise de Conjuntura social e eclesial, elaboradas por uma equipe de assessores e assessoras, que destacam que não representa a opinião da Conferência.

“O Povo de Deus sofre com a doença e a fome”.

O título da análise de conjuntura social apresentada aos bispos do Brasil, que nos mostra a realidade de um país profundamente atingido pela pandemia da Covid-19, que oficialmente está próximo de 13,5 milhões de casos e já superou os 353 mil mortos.

Estamos diante de uma crise com muitas faces, consequência da primazia do dinheiro e das finanças, que tem provocado “uma gravíssima pandemia” que coloca à prova a sobrevivência da humanidade. E que ameaça a repetir-se de modo ainda mais grave. A crise sanitária tem impactado as diversas dimensões da sociedade, provocando um mundo em mudança.

A análise relata o desenvolvimento do maior colapso sanitário e hospitalar da história do Brasil, com longas filas de espera, trabalhadores com uma carga excessiva de trabalho. Diante dessa realidade o texto destaca “a importância da vacina e do distanciamento social para a superação da pandemia”, junto com o uso de máscaras. A vacinação está “muito aquém do necessário”, o distanciamento social “nunca foi feito de forma plena e organizada em todo o país”.

No Brasil a crise econômica e a crise sanitária estão fundamentalmente correlacionadas. Se faz necessário investimentos públicos e fomento à economia, para assim evitar um colapso econômico cada vez mais próximo, que vai se traduzir em fome, miséria e desesperança, uma realidade presente nas periferias das grandes cidades. No campo da economia também tem se dado uma grave desvalorização do real, consequência do fato de que nos últimos meses o Brasil se tornou o epicentro da pandemia. Isso favorece as exportações, principalmente do agronegócio, mas tem elevado o preço dos produtos importados, dos itens mais presentes na vida dos mais pobres, a inflação e os juros.

A pergunta que surge na análise é o efeito das medidas econômicas que estão sendo tomadas no campo econômico, mas também os efeitos no meio ambiente. Junto com isso o desemprego bateu recordes ao final de 2020 na maioria dos estados brasileiros. Esse “terrível quadro econômico do ano passado não foi pior, em parte, por conta da política fiscal adotada para mitigar os efeitos da pandemia”, mas o PIB e a dívida externa estão numa situação muito complicada. Uma das mais graves consequências disso é a fome, que atinge a 19,1 milhões de brasileiros, com mais da metade da população sem segurança alimentar. As perspectivas, após “a catastrófica gestão da pandemia e da economia”, são pouco alentadoras, com “ausência de crescimento econômico (exceto para alguns setores), junto com considerável inflação ao consumidor”.

O fenômeno da “psicopolítica”,

O texto entregue aos bispos afirma que o Brasil mudou, algo que se faz visível na conjuntura política, no aumento das possibilidades de comunicação, surgindo o fenômeno da “psicopolítica”, que é “o fluxo contínuo da comunicação, a instabilidade da emoção, não permitindo a reflexão, o racionalismo”. Isso se traduz numa difícil relação entre política e cultura e as dificuldades enfrentadas pelo sistema democrático, cimentado em “relações de mando e subserviência”, tornando cada vez mais evidente o que texto chama de “uma paixão pela ignorância”, também chamado de “ódio à inteligência, ao conhecimento, à ciência, ao esclarecimento, ao discernimento”, exercendo um “uso elitista do conhecimento”.

A educação, junto com a cultura, também se tornou uma dificuldade no Brasil. Tem aparecido distintos universos culturais, que têm motivado “uma perda do respeito pelo mundo da cultura e da educação, o maior alicerce da esfera pública”. Essa realidade, que já estava em crise, piorou muito com a pandemia. O texto analisa a figura do atual presidente, Bolsonaro e o identifica como “um entrave para a superação da crise”, por realizar uma política marcada pela militarização, por querer fazer a vontade do povo, o messianismo, pela hostilidade à ciência e pelo anticomunismo. Frente a ele está o fator Lula, que tem retornado para a corrida eleitoral, e tem provocado “a notória a mudança política do governo federal”.  Junto com isso, a análise destaca a grande presença militar no atual governo.

O texto conclui relatando a postura do governo federal e do presidente diante da pandemia, que o levou a minimizar a doença e desrespeitar as vítimas; descumprir o isolamento social, o uso de máscaras e incentivou o uso de medicamentos sem eficácia científica comprovada; realizar uma má gestão da área da saúde; criar desavenças com governadores, prefeitos e instituições da sociedade civil. A análise afirma que “muitas mortes e sofrimentos poderiam ter sido evitados”.

Diante disso, as propostas são: vacinas e vacinação com a maior velocidade possível; distanciamento social; auxílio emergencial. Estamos diante de um quadro “de fome, doença e de desgovernos”, a proposta é de “maior unidade e uma profunda e resistente união do coro dos lúcidos”, construindo pontes e diálogos, “tarefa dos cristãos e de toda pessoa de boa-fé”.

Compromisso de “Caminhar Juntos” = Sinodalidade

A análise de conjuntura eclesial teve como ponto central a sinodalidade, que promove uma experiência de comunhão e participação. De fato, pode ser considerada como uma reflexão teológica sobre essa dimensão. O ponto de partida tem sido o Magistério do Papa Francisco, para quem a sinodalidade é “o caminho que Deus espera da Igreja do terceiro milênio”, Uma proposta de “caminhar juntos”, em chave missionária e tem como fundamento teológico a infalibilidade “in credendo”  (no ato de crer) de todo o povo de Deus, o “sensus fidei”(o sentido da fé) e o “consensus fidelium” (consenso dos fieis), o que faz de cada batizado um “sujeito ativo da evangelização”.

O Santo Padre vê a sinodalidade como “dimensão constitutiva da Igreja”, de onde surge o “dinamismo de comunhão que inspira todas as decisões eclesiais”, que tem como base a escuta e a decisão de entrar num processo. A realização da sinodalidade começa nas igrejas particulares (dioceses e prelazias) e continua nas regiões eclesiásticas e conferências episcopais, chegando finalmente ao âmbito da Igreja universal.

A teologia da sinodalidade do Papa Francisco tem como base a inspiração do Espírito Santo, algo que no Sínodo para a Amazônia quis tornar-se visível nos “momentos de silêncio que Francisco introduziu na Aula do Sínodo, durante as Assembleias, após cada cinco Intervenções”. Essa sinodalidade não pode fugir do discernimento e da escuta, e tem que ter um forte caráter missionário, com consequências ecumênicas e para o serviço cristão à sociedade. O Papa adverte, enfatiza o texto, sobre os equívocos e riscos nos processos sinodais, o primeiro e fundamental, vê-lo “como um Parlamento”.

Partindo da doutrina do Concilio Vaticano II, o texto faz uma análise da realidade brasileira, onde a Assembleias Diocesanas de Pastoral tem sido mais comum do que os Sínodos Diocesanos. São relatados alguns eventos e realidades sinodais, como as comunidades eclesiais de base – CEBs e os encontros intereclesiais, e as assembleias da CNBB em diferentes níveis. Junto com isso, faz uma análise da produção teológica sobre a sinodalidade, cada vez mais abundante.

* Luis Miguel Modino é assessor de comunicação CNBB Norte1

 Leia também:
Podcast Mobon: confira!
Senso Crítico, duvidas e suspeitas

Paixão de Cristo e crucificados pela covid
Vida sim, vacina sim

Dia de oração pela paz em Myanmar

Probidade e responsabilidade

O povo não pode pagar com a própria vida

BBB21 - o sucesso dos Realitys Shows e a cultura do cancelamento 

O Papa na terra de Abraão

Paz na rua - Paz da rua

Visita do Papa ao Iraque

Fariseus de ontem, fariseus de hoje

Caim e coronavac
Fraternidade amor: espírito e lei

Sombras que quebram a fraternidade

Quem tem medo do diálogo ecumênico

CFE 20221 e o medo do diálgo
Papas Francisco, Bento e João Paulo apoiam a Campanha da Fraternidade
Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS