Juventudes Fique por dentro
29/03/2021 Dom Paulo Mendes Peixoto Edição 3934 Amizade social
F/ Pixabay
"Não ajuda no desenvolvimento de um grupo, de uma família e até de uma nação, quando se alimenta o ódio e a retaliação, porque desencadeia uma série de vinganças, impedindo as pessoas de viverem a paz interior, necessária para a amizade social. "

No meio dos grupos sociais, presentes nas comunidades, acontecem os conflitos, principalmente em relação de inconformidade dos setores mais pobres e vulneráveis. Todos aqueles que ocupam cargos de responsabilidade devem olhar, reconhecer, garantir e reconstruir os caminhos que garantam a paz social. Os últimos da sociedade não são reconhecidos e acabam sendo agredidos.

As desigualdades e a falta de desenvolvimento humano integral impedem a construção da paz. Sem uma real igualdade de oportunidades, as formas de agressão entre os excluídos aumentam sempre. Devemos entender que os conflitos, a violência e as rupturas fazem parte do desenvolvimento normal de um povo, mas também que nos grupos humanos existem as lutas de superação.

O problema é alguém querer ser dominador da situação, dificultando o equilíbrio de forças entre os diferentes grupos. Aqui o Papa Francisco alude à necessidade do perdão e da reconciliação como instrumentos de paz, que são critérios cristãos, mas sem a prática de fatalismo, injustiça, intolerância e violência. Esses últimos dados nunca fizeram parte dos ensinamentos de Jesus Cristo.

Ao falar dos atos das autoridades e do perdão para construir a amizade social, dois textos bíblicos podem corroborar com nossa reflexão: Mateus 20,25-26 e 18,23-35. Mas para costurar uma via de paz são necessários paciência, tolerância e compreensão. Usar de insensatez na administração da sociedade nunca consegue chegar ao bem comum, porque fere a liberdade dos indivíduos.

Os conflitos de interesses acompanham a trajetória dos povos. Em muitos casos eles dificultam a paz e a concórdia social, mas as pessoas capazes e bem intencionadas precisam tomar posição decidida e coerente diante deles. Os conflitos conseguem desfigurar o ser humano na sua dignidade e fragilizar sua capacidade de defesa em relação à justiça e aos direitos que lhes são próprios.

Não ajuda no desenvolvimento de um grupo, de uma família e até de uma nação, quando se alimenta o ódio e a retaliação, porque desencadeia uma série de vinganças, impedindo as pessoas de viverem a paz interior, necessária para a amizade social. Nunca vencer o mal com o mal, apesar de não ser tarefa tão fácil. Um dos caminhos é a prática da bondade como verdadeira força interior.

Dom Paulo Mendes Peixoto

Arcebispo de Uberaba.

Leia também:
Vida sim, vacina sim
Dia de oração pela paz em Myanmar

Probidade e responsabilidade

O povo não pode pagar com a própria vida

BBB21 - o sucesso dos Realitys Shows e a cultura do cancelamento 

O Papa na terra de Abraão

Paz na rua - Paz da rua

Visita do Papa ao Iraque

Fariseus de ontem, fariseus de hoje

Caim e coronavac
Fraternidade amor: espírito e lei

Sombras que quebram a fraternidade

Quem tem medo do diálogo ecumênico

CFE 20221 e o medo do diálgo
Papas Francisco, Bento e João Paulo apoiam a Campanha da Fraternidade
Nota oficial da CNBB sobre a CFE 2021
Marreta profética 
Manifesto contra as críticas caluniosas à CFE 2021
Populismo e liberalismo
O trumpismo se infiltrou na Igreja católica dos EUA
O legado de Francisco
 Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS