Formação Leigos
07/05/2019 Agenor Brighenti Edição 3912 A situação do Laicado Segundo Aparecida e o Papa Francisco [3] Pe. Agenor Brighenti
Povo
F/ Caminho do Sagrado.com
"A superação do clericalismo, em vista de uma Igreja toda ela ministerial..."

 

Agenor Brighenti

 

Nas últimas décadas, proporcionalmente ao gradativo distanciamento da renovação do Vaticano II e da tradição eclesial latino-americana, tivemos o retorno de uma Igreja-visibilidade e dos grandes templos, de eventos de massa em lugar de processos no seio de pequenas comunidades, com a volta do clericalismo, em detrimento de um laicato sujeito e corresponsável.

 

A grata surpresa de Aparecida

A Conferência de Aparecida (2007) desautorizou os segmentos da Igreja que estão “virando a página para trás” em relação à novação do Vaticano II e da tradição eclesial latino-americana. Dizem dos Bispos: “… tem nos faltado coragem, persistência e docilidade à graça, para levar adiante a renovação iniciada pelo Concílio Vaticano II, e impulsionada pelas anteriores Conferências Gerais e para assegurar o rosto latino-americano e caribenho de nossa Igreja” (100h).Prova disso, continuam, são “… algumas tentativas de voltar a uma eclesiologia e espiritualidade (e clericalismo) anteriores à renovação do Vaticano II” (100b). O Documento original de Aparecida nomeava também o clericalismo, que os censores curiais suprimiram do Documento oficial, mas que o Papa Francisco o reintroduz de maneira contundente na Evangelii Gaudium.

 

Francisco, o Papa reformador

Oficialmente, o Papa Francisco pôs fim à “reforma da reforma” do Vaticano II, resgatando, com Aparecida, o Concílio e a tradição eclesial libertadora latino-americana. A Exortação Evangelii Gaudium é um dos documentos do magistério pontifício que melhor recolhe e relança as intuições básicas e os eixos fundamentais da renovação conciliar. O Papa reformador está tendo a firmeza de desautorizar explicitamente os nostálgicos de um passado sem retorno, inclusive cardeais. E no resgate da teologia do laicato oriunda do Vaticano II, tem sido um crítico contundente da volta do clericalismo. Em entrevista a um jornalista italiano, afirmou que “o clericalismo não tem nada a ver com cristianismo. Quando tenho na minha frente um clericalista, instintivamente me transformo num anticlerical”. Adverte que “na maioria dos casos, o clericalismo é uma tentação muito atual; trata-se de uma cumplicidade viciosa: o padre clericaliza o leigo e, o leigo, lhe pede o favor de o clericalizar, porque, no fundo, lhe é mais cômodo”. Para o Papa, "o fenômeno se explica, em grande parte, pela falta de maturidade e de liberdade cristã em parte do laicato". [...]

Na superação do clericalismo, em vista de uma Igreja toda ela ministerial, o Papa alude ao lugar e ao papel das mulheres. Falando aos Bispos do CELAM no Rio de Janeiro, adverte: “não reduzamos o empenho das mulheres na Igreja; antes, pelo contrário, promovamos o seu papel ativo na comunidade eclesial. Se a Igreja perde as mulheres, na sua dimensão global e real, ela corre o risco da esterilidade”. Na Exortação Evangelii Gaudium, Francisco reconhece com alegria como “muitas mulheres partilham responsabilidades pastorais com os presbíteros, contribuem para acompanhamento de pessoas, de famílias e grupos, assim como enriquecem a reflexão teológica. Entretanto, é necessário ampliar os espaços para uma presença feminina mais incisiva na Igreja” (EG, 103). Superar o clericalismo, em relação às mulheres, equivale à Igreja despatriarcalizar-se.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS