Destaques Sociedade
Compartilhe esta notícia:
13/11/2022 Luis Miguel Modino Edição 3953 A REPAM grita pela Amazônia à COP27: "Sem a Amazônia, não há vida nem humanidade possível"
F/ CNBB Norte 1
"Um grito pela Amazônia à COP27, um grito lançado pela Rede Eclesial Pan-Amazônica através do Núcleo de Direitos Humanos..."

Um grito pela Amazônia à COP27, um grito lançado pela Rede Eclesial Pan-Amazônica através do Núcleo de Direitos Humanos, com base no território e nos povos que habitam este território amazônico. Ele o faz desde Manaus, a maior cidade do território amazônico, onde está sendo realizado o Comitê Ampliado.

Algo que é visto como um momento para “seguir gritando junto com o Papa Francisco, por seu sonho de uma Amazônia que luta por seus direitos, os direitos dos mais esquecidos (mulheres, homens e crianças, camponeses, indígenas, ribeirinhos e quilombolas) para que sua voz seja ouvida e sua dignidade respeitada".

Um grito que denuncia que "se encontram numa corrida desenfreada rumo à morte”. Uma situação que "exige mudanças radicais e urgentes, caso contrário terá consequências catastróficas para todo o planeta", denunciando abertamente que "sem a Amazônia, não há vida nem humanidade possível".

Por esta razão, as palavras do Papa Francisco em Querida Amazônia são lembradas, onde ele afirma que a humanidade sempre tem a possibilidade de superar "as diferentes mentalidades de colonização para construir redes de solidariedade e desenvolvimento; o desafio é assegurar uma globalização na solidariedade, uma globalização sem marginalização". E junto com isto, também no número 17 deste documento pontifício, ele afirma que caminhos como a COP, tratados como Escazú, não serão "para devolver aos mortos a vida que lhes foi negada, nem para compensar os sobreviventes daqueles massacres, mas ao menos para hoje sermos todos realmente humanos".

Diante desta realidade, eles lançam um Grito pela Amazônia, denunciando que "os consensos políticos de nossos países e governos não podem mais permanecer como letra morta com total indolência e sem qualquer garantia ou justiça". Um grito que diz basta e que um mundo que promove os direitos humanos de forma eficaz, que inclua culturas, espiritualidades, justiça ancestral e que não desenraize pessoas e povos, especialmente os jovens, se torna uma realidade.

Um mundo onde são tomadas medidas urgentes que não prejudicam os direitos humanos dos povos da Amazônia e deixam milhares de pessoas sem meios de subsistência e sem futuro. Um mundo que tem como protagonistas os verdadeiros sábios e sábias sobre a água, a terra, as árvores e as plantas; homens e mulheres aos quais temos uma dívida. É por isso que a situação atual é definida como uma injustiça e um crime, diante do qual gritamos aos governos reunidos na COP27 que o futuro de centenas de milhares de meninas e meninos está em jogo, o futuro não só da Amazônia, mas de toda a humanidade.

Leia também:
50 anos do CIMI: Resistência...
7 anos do crime de Mariana, resultado de uma violência sistêmica

"Salvar a Amazônia é salvar a vida da humanidade"

Do silêncio ao êxtase

Dai-lhes vós mesmos de comer: VI Jornada Mundial dos Pobres

Documento da Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe

A CEAMA é um pequeno, mas gincantesco passo...

Cultura digital e desafios da evangelização

Cardeal Steiner beatifica a menina Benigna

Aprovação canônica da CEAMA: Conferência Eclesial

Papa Francisco: a grande voz moral da sociedade

Pistas de ação a partir da X Assembleia dos OPD

Comunhão, participação e missão: eixos de unidade

70 anos da CNBB e abertura da X Assembleia dos Organismos do Povo de Deus

Pão, paz e fraternidade: os vinhos que hoje faltam no Brasil

60º Aniversário do Concílio Vaticano

Tecendo redes de esperança

Dia das eleições - Dom Paulo Peixoto

Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador.

Compartilhe esta notícia:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS