Formação Leigos
29/07/2019 Pe. Agenor Brighenti Edição 3914 A irrupção do laicato às vésperas do Vaticano II (6)
f/ elcerebrohabla.com
"Povo de Deus é todo ele um povo profético, sacerdotal e régio. Por isso, não há duas classes de cristãos - clero-leigos – mas um único gênero de fiéis."

 

Pe. Agenor Brighenti

 

Em busca da emancipação do laicato

Uma primeira iniciativa de emancipação do laicato, deu-se na segunda metade do século XIX, com o Catolicismo Social, um movimento que promoveu a inserção dos cristãos na sociedade, através de obras de assistência e promoção humana. Frente à situação precária da classe trabalhadora, fruto do capitalismo selvagem nascente, surgiram escolas católicas, círculos operários e associações de caridade como a de São Vicente de Paula. O movimento culminou com a publicação da primeira encíclica social pelo Papa Leão XIII – a Rerum Novarum - em 1891. O Catolicismo Social tinha o apoio de alguns bispos e presbíteros, mas em grande medida, foi um movimento de leigos, em especial, de operários da indústria nascente. Entretanto, embora fosse portador de uma forte crítica social, o movimento não fazia nenhum questionamento à configuração da Igreja em duas classes de cristãos – clero e leigos. 

Na sequência do Catolicismo Social, uma segunda iniciativa importante que também iria contribuir com a emancipação do laicato, foi o movimento da Ação Católica. Ele começou no pontificado de Pio X como “Ação Católica geral”, atrelada à mentalidade de cristandade, restrita ao âmbito da piedade e da paróquia, assim como submissa ao clero. A segunda fase é inaugurada com a criação da “Ação Católica especializada” pelo padre belga J. Cardijn, no pontificado de Pio XI. O movimento não mais estará confinada ao interior da Igreja, mas inserido nos diferentes “meios específicos de vida” dos jovens – os meios operário, estudantil e agrário. Agora, os jovens são enviados para fora da Igreja, a “cristianizar os ambientes”, para além do espaço religioso.

 

Da colaboração à cooperação dos leigos com o clero

Os leigos e leigas da Ação Católica, enviados a “cristianizar os ambientes”, passam a receber um “mandato” da hierarquia, pois se compreende que sua missão é de “participação” no “apostolado hierárquico” da Igreja. Justifica o Papa Pio XI, que “só a Igreja recebeu o mandato e a missão de intervir no mundo” e, por isso, “a hierarquia católica é a única autorizada a dar mandatos e diretrizes”. Anos mais tarde, o Papa Pio XII dará um passo a mais na emancipação do laicato. Em lugar de “participação” dos leigos no ministério hierárquico, ele vai falar de “cooperação”, de uma “delegação de poder”, o que confere ao apostolado do laicato um caráter “público e oficial”. Com isso, embora o Papa frise que “o apostolado dos leigos não significa o acesso à hierarquia e ao poder na Igreja”, entretanto, na medida em que o clero não mais preside a Ação Católica, mas apenas a acompanha como “assistente eclesiástico”, se reconhece que os leigos não só “pertencem” à Igreja, como “são” Igreja. 

 

A superação do binômio clero-leigos

É a partir da década de 1950 que a teologia do laicato vai dar um salto qualitativo, rompendo com o binômio clero-leigos e contribuindo para a configuração da Igreja na perspectiva de um novo binômio – comunidade-ministérios. O avanço deveu-se muito aos jovens da Ação Católica, ou seja, à militância dos próprios leigos. Por ocasião do II Congresso Mundial da Ação Católica, o Papa Pio XII afirmaria em seu discurso, que o movimento “tem o mandato da hierarquia, mas o clero não tem o monopólio do apostolado livre”.

Na década de 1960, os questionamentos dos leigos da Ação Católica desembocariam num confronto com o clero, em especial com os bispos, gerando uma profunda crise no movimento e sua posterior dissolução. Entretanto, sua contribuição não estava perdida, pois seus frutos seriam acolhidos pelo Concílio Vaticano II. Muito da nova teologia do laicato, gestada pelas práticas dos próprios leigos e leigas, estava recolhida nas obras pioneiras do teólogo Y. Congar e, do fundador da JOC, J. Cardijn. Ambos participariam do Concílio e fariam ecoar na aula conciliar a voz do movimento leigo: a identidade e missão do laicato não é derivada da hierarquia, pois se funda no sacramento do batismo, de onde brotam todos os ministérios na Igreja, dado que o Povo de Deus é todo ele um povo profético, sacerdotal e régio. Por isso, não há duas classes de cristãos - clero-leigos – mas um único gênero de fiéis, que conforma “uma Igreja toda ela ministerial”.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS