Roteiros Pastorais Homilética
20/12/2019 Dom Emanuel Messias de Oliveira Edição 3917 1o Domingo do Advento - 1º/12/2019
F/ Pixabay
"Você, como cristão, está puxando esta fila na caminhada para os novos tempos?"

 

Leituras: Is 2,1-5; Rm 13,11-14a; Mt 24,37-44

 A paz total. "Este oráculo é um acréscimo posterior e relembra os temas do Terceiro Isaías (Is 56-66): no futuro, os povos pagãos se dirigirão a Jerusalém para participar da Aliança, e então haverá paz definitiva." O v. 1 mostra claramente que se trata de uma visão para o futuro, não um futuro que se deve esperar, mas sim, um futuro que deve ser antecipado no presente a partir de uma tomada de consciência dos empobrecidos que mantêm acesas suas esperanças de dias melhores e sua coragem de lutar.

O monte do Templo de Javé é a cidade de Jerusalém, que está construída sobre o monte de Sião. Ali está o Templo. O monte era o lugar onde o povo se encontrava com Deus. Isaías quer dizer que, um dia, o mundo todo vai prestar culto ao único Deus verdadeiro. Do Templo, Deus mostrará seus caminhos a todos os povos. "De Sião sairá a Lei, e de Jerusalém a Palavra de Javé". Nesse templo, "Deus julgará as nações e será o árbitro de povos numerosos".

Então, haverá paz total e um relacionamento novo entre os povos. As armas serão transformadas e não haverá mais treinamento para a guerra. Os instrumentos de destruição, espadas e lanças, serão transformados em instrumentos de produção de vida, enxadas e foices. Quem vai puxar a fila será a casa de Jacó, ou seja, o povo de Deus: "Venha, casa de Jacó; vamos caminhar à luz de Javé".

Você, como cristão, está puxando esta fila na caminhada para os novos tempos?

 Um tempo novo. É interessante observar as imagens usadas por Paulo. Todas se referem aos compromissos batismais lembrados aos primeiros cristãos que assumiram a vida nova com Cristo. A expressão "vocês conhecem o tempo” (kairós, em grego) é uma referência ao tempo da atuação da graça de Deus e da salvação. Nesse tempo, o comportamento deve ser novo, ou seja, fundamentado no amor (vv. 8-10).

Aqui aparece a imagem do despertar do sono, pois a salvação já está mais perto de nós agora do que quando começamos a acreditar. Depois aparecem as imagens da noite e do dia. A noite vai avançando e o dia está próximo. A noite corresponde às obras das trevas, ou seja, uma vida desonesta com orgias, bebedeiras, prostituição e libertinagem, brigas e ciúmes.

O dia corresponde às armas da luz. É a imagem da veste do soldado romano, suas armaduras de guerra. Vestir as armas da luz é fugir dos vícios que a noite propicia e, como afirma o v. 14, vestir-se do Senhor Jesus e não seguir os desejos dos instintos egoístas relembrados no v. 13. "Liberto do egoísmo que corrompe a pessoa e a sociedade, o cristão vive a madrugada de um tempo novo."

Através do batismo, através do compromisso sério com Cristo, o cristão percebe que a longa noite da injustiça e do pecado já vai dando lugar a uma madrugada de tempos novos. Foram os vv. 13 a 14 que ocasionaram a conversão de Santo Agostinho.

 Vigiem comigo! Mt 24 e 25 formam o discurso escatológico, onde aparecem dois temas importantes. O primeiro diz respeito ao fim do Templo e à destruição de Jerusalém, que marca o início de uma nova época surgida da prática de Jesus e seus seguidores. O segundo é o desconhecimento em relação à vinda do Filho do Homem e a consequente vigilância ativa.

É sobre este segundo tema que trata o Evangelho de hoje. Ninguém sabe quando será o fim (v. 36). Mas é bom lembrar que a segunda vinda de Cristo e o fim do mundo serão um acontecimento só. Jesus compara sua vinda ou o fim do mundo ao tempo de Noé. Ninguém percebia nada. Foi só Noé entrar na arca e veio o dilúvio e arrasou a todos; do mesmo modo ninguém vai perceber quando Jesus voltar. Será de uma hora para a outra. O importante é vigiar.

Os vv. 40-41 falam que "dois homens estarão trabalhando no campo: um será levado, e o outro será deixado”. O mesmo acontecerá com duas mulheres que estão moendo no moinho. Qual será o critério para esta seleção? É, sem dúvida, o critério do compromisso com Jesus Cristo. Há quem trabalhe construindo o futuro através da vigilância ativa. Estes estão preparados. Sua casa não será arrombada, pois vivem vigiando. Há, entretanto, quem viva como se o futuro não existisse. Não leva a vida com seriedade. Não anda vigilante, nem preparado. Quando vier o ladrão ele não poderá evitar o roubo.

Vigiar é comprometer-se com Jesus. Em Mt 26,28.40.41, na agonia de Jesus no Jardim das Oliveiras, ele pede aos discípulos: "Fiquem aqui e vigiem comigo" (v.38). Vigiar é, portanto, ser solidário com Jesus, partilhar a vida com os mais pobres, ser solidário com o irmão na alegria e na tristeza.

 

Leituras da semana

dia 2: Is 4,2-6; Sl 121[122],1-2.3-4a.4b-5.6-7.8-9; Mt 8,5-11

dia 3: Is 11,1-10; Sl 71[72],1-2.7-8.12-13; Lc 10,21-24

dia 4: Is 25,6-10a; Sl 22[23],1-3a.3b-4.5.6; Mt 15,29-37

dia 5: Is 26,1-6; Sl 117[118],1.8-9.19-21.25-27a; Mt 7,21.24-27

dia 6: Is 29,17-24; Sl 26[27],1.4.13-14; Mt 9,27-31

dia 7: Is 30,19-21.23-26; Sl 146[147A],1-2.3-4.5-6; Mt 9,35 – 10,1.6-8

 

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS