Roteiros Pastorais Palavra de Vida
19/01/2020 Antônio Carlos Santini Edição 19/01/2020 – Eis o Cordeiro de Deus! (Jo 1,29-34)

PALAVRA DE VIDA

19/01/2020 – Eis o Cordeiro de Deus! (Jo 1,29-34)

            Esta foi a imagem adotada por João para identificar Jesus Cristo diante dos olhos dos discípulos do Batizador: um “cordeiro”, isto é, uma vítima como aquelas que eram sacrificadas no Templo, a cada Páscoa. Segundo os historiadores, nada menos que 250.000 cordeiros chegavam a ser imolados em uma só festa em Jerusalém.

            Em clima de Nova Aliança, o novo “cordeiro” vem substituir em definitivo todos os antigos sacrifícios. Com o seu próprio sangue (cf. Hb 9,12), Jesus nos propicia a redenção eterna. Na Última Ceia, ele apresentou a taça com o vinho, dizendo: “Este cálice é a nova aliança no meu Sangue, que é derramado por vós”. (Lc 22,20)

            O biblista Louis Bouyer comenta: “A imagem do cordeiro aplicada a Jesus é uma das particularidades dos escritos joaninos. Nós a encontramos não somente no Evangelho, mas também no Apocalipse (cap. 5). Aliás, ela é suscetível de várias significações, complementares mas distintas, ligadas a duas imagens proféticas do Antigo Testamento. O cordeiro pascal imolado (cf. Ex 13) ou o cordeiro que sofre o suplício (Is 53).

            A ideia da primeira imagem, que é a de uma oferenda total que vai até a morte consumada, de uma “oblação” que aceita a imolação necessária neste mundo para se perfeita, acha-se colocada em primeiro plano no Apocalipse. É neste sentido que a Carta aos Hebreus (11,28) recorda a Páscoa e que São Paulo se manifesta mais explicitamente em 1Cor 5,7.

            O texto de Isaías, ao contrário, se refere ao cordeiro ainda vivo, mas sofredor, e sofrendo aquilo que outros deveriam sofrer legitimamente. Ali, a ideia é a de “substituição”. Pode-se dizer que o cordeiro de Isaías “carrega” os pecados do mundo, enquanto o cordeiro pascal “tira” os pecados do mundo.

            Somente o cristianismo deveria operar a junção entre essas duas ideias, relacionando ambas a Jesus Cristo. O texto de São João, pelo verbo grego que ele emprega, por um processo frequente no 4º Evangelho, indica que o termo é suscetível dos dois significados, e que não devemos separar: carregar e tirar.

            A ideia de um Messias imolado, fazendo de seu sangue a remissão de nossos pecados, era motivo de escândalo para os judeus no início da evangelização. Já os primeiros poetas da Igreja associaram Jesus à imagem do pelicano, que bica o próprio peito até sangrar para dar alimento aos filhotes.

Orai sem cessar: “Seu sangue será precioso aos olhos deles.” (Sl 72,14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS