Roteiros Pastorais Palavra de Vida
16/07/2020 Antônio Carlos Santini Edição 3925 16/07/2020 – Quem é minha Mãe? (Mt 12,46-50)

PALAVRA DE VIDA

16/07/2020 – Quem é minha Mãe? (Mt 12,46-50)

            Há muitas formas de maternidade. Muitos tipos de parentesco. Há mães biológicas. Há irmãos adotivos. Há uma família espiritual. E nem sempre os “irmãos de sangue” são aqueles com quem temos maior afinidade...

            Os “irmãos” de Jesus (isto é, os membros de seu clã, já que os semitas não dispunham de termos para designar “primos”, “tios” e parentes próximos – cf. Bíblia Ecumênica, TEB, em nota a Mt 12,46) estavam assustados com a irradiação do ministério de Jesus, chegando a duvidar de sua sanidade mental (cf. Mc 3,21). Procuram-no, pois, para tentar detê-lo em sua missão. Maria, sem dúvida, acompanha-os a contragosto.

            É quando Jesus aponta para a multidão que o segue, atenta às suas palavras, e diz: “Eis a minha Mãe e meus irmãos... Todo aquele que faz a vontade de meu Pai, esse é meu irmão, e minha irmã e Mãe...” Isto é, o Pai comum é quem irmana a todos os “filhos”. Quem obedece à sua Palavra está incluído na “família”.

            Se alguém pensa usar esta passagem para desmerecer a Mãe de Jesus, lembre que ela é o modelo perfeito e acabado dos que fazem a vontade do Pai. Ninguém como ela foi tão submissa e abandonada aos desígnios divinos. Ela, filha dileta, esposa do Espírito, foi a mesma que assim respondeu à proposta de ser a Mãe do Filho: “Faça-se em mim segundo a tua Palavra!” (Lc 1,38.)

            Em Maria, a obediência à vontade de Deus chegou a tal ponto, que gerou na carne o próprio Filho de Deus. Sua maternidade conjuga o biológico e o espiritual. Toda a sua pessoa é posta a serviço da missão que o Senhor lhe apresenta. Por isso mesmo, torna-se modelo e espelho para a ação e a cooperação da Igreja com o Espírito Santo.

            Uma homilia de São Bernardo de Claraval comenta a resposta de Maria ao Anjo: “Não se faça em mim a palavra escrita e muda, mas encarnada e viva; isto é, não escrita em mudos caracteres, em peles mortas, mas impressa vitalmente na forma humana em minhas entranhas castas, e isto não com os traços de uma pena, mas por obra do Espírito Santo. Em suma, faça-se para mim daquele modo que para ninguém se fez até agora, antes de mim, e para ninguém se fará depois de mim.”

            E nós? Somos da família de Deus? Estamos dispostos a obedecer à vontade do Pai em nossa vida?

Orai sem cessar: “Guardo no fundo do coração a vossa Palavra!” (Sl 119,11)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS