Formação Cidadania
31/03/2022 Luis Miguel Modino - Regional Norte 1 Edição 3945 1º Ajuri de Ecologia Indígena: novos compromissos para o cuidado da Casa Comum no Alto Solimões
F/ Blog Ajuri
"A voz das mulheres e jovens indígenas tem iluminado os participantes do encontro para 'compreender aonde precisamos avançar para amadurecer como povos indígenas das terras Eware I e Eware II, com protagonismo e responsabilidade para com a nossa Mãe Terra e as futuras gerações'."

Uma Igreja com rosto amazônico é construída em sinodalidade, caminhando junto com os povos indígenas. Belém do Solimões, na Diocese de Alto Solimões tem se tornado uma referência de Igreja inculturada, que acompanha as comunidades do povo Ticuna, o mais numeroso da Amazônia, espalhado na Tríplice Fronteira entre o Brasil, a Colômbia e o Perú, mas também outros povos indígenas da região. Acompanhe a matéria de Luis Miguel Modino.

Nessa caminhada, aconteceu de 27 a 30 de março de 2022 o 1º Ajurí de Ecologia Indígena, organizado pela Associação de Desenvolvimento Artístico e Cultural da Aldeia Indígena de Belém do Solimões (ADACAIBS) e a Associação de Mulheres Indígenas MAPANA, com a participação de mais de 300 indígenas, de mais de 30 comunidades das Terras Indígenas Eware I e Eware II, entre caciques e lideranças, com grande participação de jovens e mulheres, dos povos Ticuna, Kokama e Kambeba.

Na busca de soluções possíveis

O objetivo era “buscar juntos soluções possíveis, abraçar novos compromissos e projetos para os problemas urgentes, crescentes e comuns das comunidades participantes”, tendo como lema: Ngi’ã tadaugü torü ?pata ya guanearü! (Vamos cuidar de nossa Casa Comum!).

Nos encontros, onde a língua indígena é a forma de se comunicar, também se fazem presentes outras expressões culturais da região, que mostram a mística que acompanha a vida dos povos originários, o que facilita a compreensão aos indígenas de diversas etnias e línguas presentes nos encontros. Nesta ocasião foi apresentado em forma de teatro diferentes realidades que atingem aos povos: diminuição e falta de peixes, diminuição e falta de madeira, aumento do lixo, falta de saneamento básico, alcoolismo, drogas, violência...

O fato de se reunir as comunidades indígenas, de caminhar juntos, em prol do cuidado da Casa Comum, se torna um elemento importante, também para a vida da região e de uma Amazônia constantemente ameaçada. O encontro foi momento para socializar experiências que ajudam entender que é possível mudar a realidade, também nas comunidades indígenas.

Nesse sentido, os participantes do encontro conheceram o Projeto Guardiões ecológicos, da REPAM-Brasil; o Projeto Agrovida  (REJICARS); o Projeto Vida, das irmãs Cordimarianas, financiado por MISEREOR/FUCAI; a Eco Cooperativa Manaus; projetos de Avicultura/Agricultura da MAPANA (IDAM). Mas também escutaram os gritos que vem das comunidades, o que levou a buscar possibilidades de somar entre as diferentes instituições que trabalham na região, dentre elas a Paróquia São Francisco de Assis de Belém do Solimões, a Diocese de Alto Solimões, a Caritas, o CIMI, a REPAM-Brasil, e as comunidades indígenas.

Novos passos na caminhada

A voz das mulheres e jovens indígenas tem iluminado os participantes do encontro para “compreender aonde precisamos avançar para amadurecer como povos indígenas das terras Eware I e Eware II, com protagonismo e responsabilidade para com a nossa Mãe Terra e as futuras gerações”.

Tudo o que foi vivenciado no encontro foi recolhido no Documento Final, onde são relatadas as ações que devem ser realizadas a curto, médio e longo prazo, nascidas “de uma atenta escuta e de uma maior conscientização de todos”, e apoiadas por unanimidade.

A curto prazo serão realizadas oficinas sobre cada uma das temáticas, no mês de junho, para professores e estudantes indígenas; a preparação do 9º Festival de Cultura Indígena do Eware, a ser realizado de 4 a 9 de julho de 2022, com a temática da Ecologia; prosseguimento do 1º AJURI de Ecologia Indígena, envolvendo também as comunidades que não se fizeram presentes.

A médio e longo prazo, os participantes decidiram elaborar o projeto de um centro cultural de formação; realizar, durante o 9º Festival de Cultura Indígena, o próximo Encontro Geral das comunidades do Eware I e II, com a presença dos caciques, para dar vida oficial ao Centro Cultural e planejar os próximos passos; projeto para um centro de triagem de materiais recicláveis para comercialização; projeto para abertura de uma delegacia indígena em Belém de Solimões.

Leia também:
Encontro Eclesial: Continuar o caminho
15 anos da Rede Um Grito pela Vida

Rússia e Ucrânia

Abolir a guerra antes que ela apague a humanidade da história

A guerra jamais justa

Ataques implacáveis contra o Papa Francisco

O Papa ao Fórum da àgua

Encontro Eclesial Virtual - Assembleia Latinoamericana e caribenha

Serviço Jesuíta a migrantes e refugiados da Ucrânia

Primeiro o amor e a unidade, depois a estratégia

Não há Eucaristia sem povo

Equilíbrio paz e guerra

Quaresma e guerra
Igreja denuncia graves consequências da "PL do Veneno"

A semente da sinodalidade plantada na amazônia

Dom Mário Antônio: vou para Cuiabá com o coração livre

Povo Ticuna: a bíblia em sua língua materna

Encontro do Papa Francisco com jovens universitários - Construindo pontes Norte-Sul

CF 2022 - Escutar: antes de ensinar, aprender
CF 2022 - Discernir: Jesus mestre e educador
CF 2022 - Agir: iniciar, promover processos
Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS