Formação Juventude
16/07/2021 Luis Miguel Modino Edição 3938 “Vocação: Graça e Missão”, tema do Ano Vocacional de 2023
F/ ADN CELAM - Ateliê 15
"O coração que arde ao ouvir a Palavra do Ressuscitado e os pés que se propõem a anunciar o encontro com Cristo. Por isso, a comissão organizadora espera que “ o Ano Vocacional ajude cada um a aceitar o chamado de Jesus como graça..."

A 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada em abril passado, aprovou por unanimidade a celebração do terceiro Ano Vocacional da Igreja no Brasil em 2023, a ser celebrado de 20 de novembro de 2022 a 26 de novembro de 2023 A iniciativa comemora o 40º aniversário do primeiro ano temático dedicado à reflexão, oração e promoção vocacional no país.

Toda a comunidade cristã é responsável pelas vocações

O primeiro Ano Vocacional ajudou a dinamizar a Animação Vocacional e a Pastoral Vocacional e a produção de subsídios. Foi uma iniciativa que “ favoreceu e ampliou o reconhecimento de que toda a comunidade cristã é responsável pela animação, cultivo e formação vocacional ”, segundo Dom João Francisco Salm, Bispo de Tubarão e presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados.

Desde o mês de abril, após a aprovação do Ano Vocacional, surgiram diversas propostas em relação ao tema, as quais manifestaram um desejo muito forte de uma Igreja mais unida (sinodal), mais missionária, mais diaconal e mais próxima do povo, segundo ao assessor da Comissão para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada, Padre João Cándido Neto. Ele insiste que o Ano Vocacional deve tratar a vocação em seu sentido mais profundo e amplo (integral), pessoal e comunitário.

Promova as várias vocações específicas

O assessor da Comissão deixa claro que o Ano Vocacional “ deve promover com muita clareza a identidade das mais diversas vocações específicas da Igreja (somos um povo de chamados homens e mulheres). Ao mesmo tempo, deve superar tanto uma visão reducionista (exclusiva, privilegiada e clericalista) da vocação, como uma generalização sombria que não atinge o indivíduo que, na verdade, 'Deus chama pelo nome'. A vocação pessoal e a Igreja (como comunidade de homens e mulheres chamados) são indissociáveis ”.

A fonte de inspiração para o tema está no Documento Final do Sínodo dos Bispos sobre “Jovens, e discernimento vocacional”. O tema é adicionado ao tema, que será “Corações em chamas, pés na estrada”, inspirado em Lc. 24, 32-33. Segundo o Documento Final do Sínodo para a Juventude, no seu número 78, «a vocação surge verdadeiramente como dom da graça e da aliança, como o mais belo e precioso segredo da nossa liberdade », que está na base da escolha do tema.

Vocação é iniciativa de Deus

Segundo a comissão organizadora, o texto de Mc 3,13-19, onde Jesus chama e envia quem quer, ajuda a reconhecer na pessoa de Jesus a origem, o centro e a meta de toda vocação. Nesse sentido, afirmam que “a vocação é iniciativa de Deus, é mistério, é graça, é uma experiência de encontro com Jesus, é fascínio e alegria, é espanto, é sensibilidade ao chamado, é inconformismo, é uma resposta pessoal, é um compromisso comunitário É missão, é tarefa, é serviço, é disponibilidade para se sacrificar, é dar vida, é coragem e determinação, é esperança e firme convicção, é um testemunho de fé, é uma 'espiritualidade' como aquela que comoveu o próprio Jesus e marcou a sua personalidade, dando-lhe carácter e identidade ”.

O lema lembra os discípulos de Emaús. O coração que arde ao ouvir a Palavra do Ressuscitado e os pés que se propõem a anunciar o encontro com Cristo. Por isso, a comissão organizadora espera que “ o Ano Vocacional ajude cada um a aceitar o chamado de Jesus como graça, que seja uma oportunidade para que cada vez mais corações ardam e pés iniciem o caminho missionário .

Com informações da CNBB - Fonte: ADN CELAM

 Leia também:
1ª Assembleia Eclesial e a conciência de discipulos
O futuro começa agora

#Voces: um pacto educativo global

8º Intereclesial das CEBs no Paraná

A vida de Lázaro também importa
Lei da ficha limpa - Nota de Repúdio
Igreja apostólica e sinodalidade
O processo de Escuta deve ser mútuo e transformador

"O diaconato de mulheres só precisa ser reconhecido..."

Para que serve um velho?

Precisamos de leigos como sujeitos eclesiais
Sinodalidade e espiritualidade

Catequese Papa Francisco: Introdução aos Gálatas

Sínodo vai exigir repensar as estruturas da Igreja
A irresponsabilidade das autoridades

Sínodo 2023: Equipe de animação do Brasil

500 mil vidas presentes em nossas vida
s
Uma vida doada aos esquecidos do mundo

Nota de solidariedade a Dom Vicente Ferreira

Toda vida importa: CNBB prepara mobilização

Oração para a Assembleia Eclesial


Acesse este link para entrar nosso grupo do WhatsApp: Revista O Lutador Você receberá as novas postagens da Revista O Lutador em primeira mão. 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS