0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica O Lutador Mae Preta 800×350

Mãe-preta

Raul Bopp (1898-1984)

 

– Mãe-preta, me conta uma história.

– Então feche os olhos, filhinho:

.

Longe muito longe

era uma vez o rio Congo…

.

Por toda parte o mato grande.

Muito sol batia o chão.

.

De noite

chegavam os elefantes.

Então o barulho do mato crescia.

.

Quando o rio ficava brabo

inchava.

.

Brigava com as árvores.

Carregava com tudo, águas abaixo,

até chegar na boca do mar.

.

Depois…

.

Olhos da preta pararam.

Acordaram-se as vozes do sangue,

glu-glus de água engasgada

naquele dia do nunca-mais.

.

Era uma praia vazia

com riscos brancos de areia

e batelões carregando escravos.

.

Começou então

uma noite muito comprida.

Era um mar que não acabava mais.

.

… depois…

.

– Ué, mãezinha,

por que você não conta o resto da história?

 

 

Deixe uma resposta