0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica Olutador Junho 3889 F 1 P 24

Exílio e liberdade

Dom Paulo Mendes Peixoto – Arcebispo de Uberaba, MG

Sentimos que os contrários se tocam na nova cultura. Não é fácil encarar o que está acontecendo no Brasil, no meio de tantas situações, que criam insatisfação nos cidadãos, e certa “revolta” em relação às práticas daqueles que deveriam defender a liberdade das pessoas. Parece que vivemos totalmente exilados, com a liberdade ferida, e cada vez mais pressionados e condenados à prisão.

O povo brasileiro não pode perder a esperança diante dos desafios atuais, porque isso desestimula a força de trabalho e de produtividade. Foi o que aconteceu com o povo hebreu quando exilado na Babilônia, que viveu longo tempo no “fundo do poço” e sem forças para agir. Sua saída dessa situação aconteceu quando conseguiu recuperar a liberdade até então perdida.

O dom do Espírito Santo é força de libertação, porque revigora o coração deprimido pelos condicionamentos sociais e econômicos. Quando Deus habita no coração das pessoas, as situações de desânimo e de morte temam outros rumos. Elas conseguem se refazer, se transformam, se fortalecem e passam a lutar pela construção de uma realidade de vida nova.

Diante do momento político brasileiro e da preocupação com as reformas no cenário nacional, parece que o povo vive numa profunda e generalizada crise. Basta dizer da insatisfação em relação à atuação de muitos dos nossos atuais políticos, porque não estão preocupados com as necessidades dos mais pobres e desamparados. Apesar do direito de manifestação, reina uma liberdade tolhida.

O erro aprisiona a pessoa. Ninguém pode viver na liberdade e na escravidão ao mesmo tempo. Todos nós fomos criados para viver na liberdade (cf. Rm 5,1). Muitas das obras realizadas hoje são motivadas pelo contexto capitalista, que ludibria nossa consciência e nos leva a ser desonestos. Esse não é o melhor caminho para a conquista de uma identidade totalmente livre e feliz.

Os brasileiros têm encontrado muitas barreiras que impedem sua plena realização. Para as pessoas de fé, o conforto está em Jesus Cristo, porque veem nele Alguém que é capaz de lhes dar dignidade e liberdade. Os mecanismos humanos, quando mal conduzidos, amarram as pessoas deixando-as em situação de opressão e de exílio, incapazes para realizar suas potencialidades.

Deixe uma resposta