0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
5

Eu celebro, nós celebramos

Serginho Valle *

A celebração da Missa é nossa. Mas tem algo mais! Quando você participa da Missa, ali está para celebrar e, na celebração, cada celebrante tem uma função. Alguém terá a função de presidir a celebração. Esta é a função do presidente. Na missa, o exercício dessa função compete ao bispo ou ao padre.
Mas existem outras. Há quem anima a celebração, quem entoa os cantos, quem proclama leituras, quem proclama salmos, quem proclama as preces da comunidade (oração dos fiéis), quem serve o altar, quem faz a coleta, quem traz as oferendas… Todas estas funções estão presentes, de modo mais visível, numa missa dominical.
Na liturgia da missa e em outras celebrações litúrgicas, a palavra que define cada função especial é “ministério”. Denota uma função, mas com um sentido a mais: ministério traz consigo a qualidade de “serviço”. Por isso, quem está diante da assembléia não exerce apenas uma função – a função de ler ou de fazer uma leitura, por exemplo –; faz mais que isso: presta um serviço aos irmãos reunidos em assembléia litúrgica.
O padre realiza seu serviço como presidente da celebração. O leitor presta serviço enquanto anuncia a Palavra de Deus. O menino que ajuda como coroinha presta um serviço de ajuda ao padre no altar. O cantor está a serviço da liturgia e da assembléia para favorecer a louvação através da música. O povo reunido em assembléia também tem seu ministério, seu serviço na celebração litúrgica, pois serve a Deus com o louvor, com a ação de graças, com orações e súplicas. É o que se entende por participação.
Em conclusão, a assembléia litúrgica, de modo particular a assembléia eucarística, se caracteriza como servidora. Todos estão a serviço de todos, além de um fato importante: o próprio Deus se serve do serviço ministerial da assembleia para servir os celebrantes, alimentando-os com o Pão da Palavra e o Pão da Eucaristia.
Você pode perguntar se existe razão para tudo isso. Há uma razão, sim. Aliás, não uma, mas várias, embora aqui baste lembrar a atitude de Jesus Cristo, na Última Ceia, quando instituiu a Eucaristia. A atitude de humildade e de serviço ao lavar os pés de seus amigos: “Eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, lavei-lhes os pés; vocês também devem lavar os pés uns dos outros”. (Jo 13,14.)
Pois bem. Na primeira Missa celebrada por Cristo no mundo, a Eucaristia aconteceu em clima de serviço. O mesmo clima serviçal continua em nossas celebrações eucarísticas de nossos dias. Ninguém tenha a pretensão de estar diante da assembléia para aparecer ou promover-se. Quem for chamado para exercer algum ministério, que o exerça como servidor de Deus e dos irmãos.]

Deixe uma resposta