0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica O Lutador 3870 Encontro Matrimonial

Encontro Matrimonial como proposta de concretização da unidade

O Encontro Matrimonial quer ser uma grande proposta de concretização da unidade com um relacionamento íntimo e profundo entre os dois sacramentos da ordem e do matrimônio. “A fim de que sejam um como nós somos um. Eu neles e tu em mim, para que sejam consumados na unidade.” (Jo 17,22-23.) “Por isso é que deixará o homem seu pai e sua mãe e se reunirá a sua mulher e serão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne.” (Mc 10,7.)

O amor leva à unidade
Claro está que, tanto no relacionamento de Jesus com os discípulos quanto no relacionamento da união do homem com a mulher em Cristo, a unidade é o desafio e a necessidade maior. E, em sua comunicação ao Pai, ele aponta para o relacionamento da Trindade como modelo.
Indo além, seja nos 30 anos como filho na Família de Nazaré, seja nos 3 anos de ministério público, Jesus se comportou como “noivo” da Igreja nascente e nos deu suficientes exemplos do que realmente significa comunidade.
Sabemos que o amor leva à unidade, mas o amor encarnado também pode chamar-se de verbo, ou comunicação. Se repararmos no estilo de comunicação da Bíblia, vemos que muito se fala do que se passa no coração: “Alegra-te, cheia de Graça!” (Lc 1,28); “rejubila meu espírito em Deus” (Lc 1,47); “Teu pai e eu, aflitos, te procurávamos” (Lc 2,48); “Jerusalém, quantas vezes quis juntar teus filhos como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas!” (Lc 13,34); “desejei ardentemente comer esta Páscoa convosco” (Lc 22,15); “os segredos de muitos corações serão revelados” (Lc 2,35); “já não vos chamo servos […], eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo que ouvi do Pai” (Jo 15,15).
De fato, desde o Antigo Testamento, conhecemos a intimidade de Abraão, de Moisés, de Davi, de Jó e, enfim, de todos os profetas e personagens importantes. O tom das Escrituras é também de intimidade e dos sentimentos.

Perguntas chaves
A pergunta que o Encontro Matrimonial faz é: será que podemos viver como cristãos com um padrão de comunicação exclusivamente professoral, intelectualizado, distante. Uma comunicação impessoal? Uma comunicação composta de ordens do dia?
A segunda pergunta é: pode a unidade cristã ser sustentada na autoridade e submissão fundada na disciplina, seja da mulher ou do homem, seja da comunidade eclesial?
O Encontro Matrimonial, que no Brasil foi conhecido como Encontro do Diálogo, entende que a unidade cristã é fundada em comunicação amorosa, e que a comunicação amorosa tem, necessariamente, certas características e valores. Somente o diálogo amoroso compatibiliza a pertença com a liberdade. E é algo que ultrapassa a intuição, necessita ser aprendido, necessita catequese.
A esta necessidade catequética sentida pelo Padre Calvo, na Espanha, se somou decisiva a complementação com a espiritualidade Inaciana aportada por um jesuíta genial, Padre Chuck Gallagher. Os dois pilares iniciais do Encontro Matrimonial.
Por isso, o Encontro Matrimonial Mundial estuda, pratica e explora os detalhes da comunicação no relacionamento esponsal, seja do sacerdote para com a comunidade de fé ou do marido para com a mulher. Ao longo de algumas décadas, o EMM acumulou, neste enfoque, uma riqueza inestimável que não se pode ignorar. Formou uma pedagogia própria, adequada e testada para mudar o estilo de comunicação pessoal. Construiu uma sequência de exposições, testemunhos, perguntas e ambientes favoráveis. Faz isso há décadas, o que não é tempo tão longo na história de Igreja, mas que lhe permitiu amadurecer experiências, já que são milhões de pessoas envolvidas.

Nosso sonho e nossa luta
O Encontro tem o sonho de renovar a vida da Igreja, a começar dos casais, sacerdotes e religiosas pela comunicação. Está organizado para atingir este objetivo e o faz através de uma experiência denominada “Fim de Semana”. Já avançou muito com apoio de grande número de bispos e párocos. Em alguns países mais que em outros, mas sonha com maiores alcances. Sonha espalhar-se em cada diocese e comunidade, porque tem consciência dos enormes benefícios que pode proporcionar.
Muitos hoje correm em direção contrária, mas acreditamos que a construção da unidade, através de uma comunicação profunda íntima e responsável, é a chave da vivência do amor incondicional que nos rejubila, eleva e dignifica. Que nos traz a cumplicidade e a pertença de que precisamos para espantar o conflito e a solidão.
Nossa luta por ser um melhor sacramento, buscando viver no júbilo, vencendo as desilusões e desafios pelo diálogo profundo, nos impele a atender à ordem de nosso Senhor Jesus Cristo de levar o presente do Fim de Semana a todos aqueles que ainda não o viveram. Venha e conheça você também! Venha e cresça você também, pois um bom relacionamento é aquele que deseja melhorar a cada dia.]

Deixe uma resposta