0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Ponde Karnal

Duas carecas, duas cabeças…

Outro dia, no noticiário da TV Cultura, que vejo na E-Paraná, o assunto era a devastação do furacão Matthew no infeliz Haiti. Leandro Karnal, filósofo, careca e professor da UNICAMP, aproveitou a deixa para fazer teologia. Em outros termos, com um risinho sardônico, perguntou:
– “Como é que ficam as pessoas que dizem que Deus é bom? Como é que Deus permite assim um desastre com tantas mortes? Parece que Deus criou o mundo e disse aos homens: se virem!”

Para o douto comentarista, um tufão é a prova cabal da inexistência de Deus. De fato, é assunto para filosofar. Talvez seja este o maior desafio à filosofia de to dos os tempos: a origem do mal. E, dentro da teologia propriamente dita, aí está o mysterium iniquitatis , o mistério do mal. Como é que um Deus bom permite o mal?

Claro, o filósofo careca não teve tempo para dizer que o Cosmo não está pronto, mas ainda evolui em busca de sua forma final. Os pessimistas dizem que será um big bang invertido. Karnal não teve tempo para lembrar que toda criatura é imperfeita. Se o Criador – ele, sim, per feito – criasse um universo igualmente perfeito, teria criado outro deus. Karnal poderia ter lembrado que boa parte dos males que nos assolam é devida ao mau uso da liberdade concedida ao homem pelo Criador. Aqui, alguns acusam Deus de temerário por não ter criado autômatos em vez de pessoas…

Mas há outras carecas cintilando entre as constelações televisivas. Dois dias depois, no mesmo noticiário, lá estava a brilhante cabeça de Luís Felipe Pondé, filósofo, calvo e professor de Ciências da Religião na PUC SP. Desta vez, o tópico era a violência na sociedade atual. O âncora pedia palpites sobre os meios de conter o terremoto da violência no Haiti brasileiro. Como sempre, fala-se em urbanizar as favelas, investir na educação etc. Mas Pondé teve a coragem – a ousadia, reconheçamos! – de falar em religião. E, sem pressa, para arrepios de muitos teóricos sociais, ele insistiu que as pessoas que praticam uma religião são gente mais pacífica. Frisou que a falta de religião é um dos vetores que culminam no tsunami que devasta especialmente a população mais jovem.

Assíduo espectador do noticiário da TV Cultura, creio que eu nunca vi as duas carecas juntas no mesmo dia. Mas seria interessante vê-las lado a lado, um dia desses, para assistir ao entrechoque de dois crânios luzidios, em cujo interior a massa cinzenta trabalha e teima e lima e sofre e sua, como disse Olavo Bilac.
Em tempo: Bilac tinha vasta cabeleira…

Deixe uma resposta