0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais

Do Leitor

Acordem!

“Como é bom e encantador poder contar com a contribuição e a ajuda

da Revista O Lutador em nossas atividades Pastorais e Sociais onde atuamos e servirmos. Como tem artigos de diversos pensadores, matérias que abordam todas as dimensões eclesial e social. Ela nos desperta para a missão, é como se nos dissesse: “Acordem”!!!

No contexto em que vivemos, onde quase todas as coisas parecem ter passagem rápida e sem alegria, faz bem para nós termos acesso a um meio de comunicação que circula mundo afora despertando em nós a capacidade de servir, apontando caminhos de vida em todas as situações. Deste modo deixo aqui este leve recadinho afim de compartilhar com todos da Equipe que editam a Revista e com meus irmãos leitores que curtem este meio de comunicação e utiliza para o exercício de sua missão seja social ou eclesial. Abraço cheio de gratidão e esperança.”

Missionária Fátima Alves CMC – Distrito da Nossa Senhora da Guia – Cuiabá.

 

Linguagem difícil

“Vejo que a revista O Lutador não está com a mesma linguagem clara de quando era no formato jornal. Para nós estudiosos é fácil compreender, mas para os leigos, a linguagem é de difícil compreensão, há outros amigos que fizeram a mesma observação. No formato jornal havia uma linguagem que atingia as pessoas mais humildes, já a revista está com uma linguagem mais para estudiosos.”

Pe. Walmor Zucco SCJ

 

Da Redação:

Caro Pe. Walmor. Temos feito um esforço para que a Revista O Lutador tenha uma linha mais pastoral, que se converta numa ferramenta de evangelização capaz de favorecer o trabalho dos leigos e leigas. Sua observação é importante. Muito obrigado! Reiteramos aqui nosso compromisso de lutar para que ela seja ainda mais acessível, mais prática e de fácil compreensão para nosso povo. Esse é nosso anseio e nossa meta…

 

Não esqueçam Manhumirim

“Causou-me um favorável impacto, constatar pela primeira vez, a nova Revista “O LUTADOR” em uma nova roupagem ilustrativa brindando-nos com materiais bem preparados de cunho variado religioso, e, de interesses abrangentes a toda camada do nosso povo. Impressionou-me ainda mais, por forçar-me à lembrança da minha infância/adolescência, quando eu e a minha irmã Wanda Pereira Lino, integrantes fervorosos dos “Cruzadinhos” acompanhávamos o saudoso Frei Pio em caminhadas pela cidade, vendendo assinaturas. (…) A minha lembrança é muito nítida. Quantas vezes eu me encontrei com o Pe. Júlio no espaço de recreação do Seminário e recebi de sua bondade, agradecimentos pelo meu trabalho espontâneo e gratuito de cooperação.

Quando observo a ascendência deste Jornal, hoje traduzido em PADRÃO REVISTA, causa-me estranheza, subjugada a uma dor saudosista, relativa à Manhumirim que foi berço profícuo deste Jornal, graças ao estilo dinâmico, corajoso do nosso querido Vovozinho. Em função do deslocamento das oficinas para Belo Horizonte pareceu-me um propósito não muito nacionalista, tirar a imagem simples do seu local nascedouro, para dar mais impacto modernista à programação da hoje Revista que, apesar das belas e bem ilustradas reportagens hoje inseridas no periódico, os redatores se esqueceram de prestar homenagem à cidade que foi seu berço, posto que, Manhumirim tem muito a mostrar atinentes às obras do Pe. Júlio Maria. Fotos de seus prédios imagens de tradicionais escolas humanísticas como do Colégio Pio XI, Colégio Santa Terezinha, Hospital, Asilo, Patronato e porque não, mostrar a cidade onde o nosso Missionário escolheu como berço de suas propostas caritativas para com o próximo.

O Jornal (REVISTA) precisa mostrar que, Manhumirim com sua Igreja Gótica concluída pelo Pe. Júlio, foi a primeira construída em concreto-armado na América Latina. Em Setembro está Matriz deverá receber uma leva de turistas quando do Centenário do Jubiléu do Bom Jesus.. Mostrem fotos da cidade. Divulguem a sua proximidade como circuito do Pico do Caparaó (Bandeira), O seu Parque Municipal do SAGUI, a sua tendência agrícola cafeeira do qual já foi o maior produto e exportador. Tive orgulho sim, de no passado ter feito parte no promover esse Jornal. Essa é a razão do meu pedido. Promovam a Revista e o nosso herói Pe Júlio, mas não se esqueçam da cidade de Manhumirim.

Márcio Pereira Lino – Belo Horizonte – MG. E-mail: linoleonebh@yahoo.com.br

F/ Marcelo Arquivo Lutador

Deixe uma resposta