0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica Olutador Junho 3889 F 1 P 33B

DINÂMICA Sentindo o Espírito

 

Objetivo: mostrar que não adianta falar sobre o Espírito Santo se não o provarmos e não o sentirmos em nossas vidas.

Material: uvas.

Como fazer?

  1. O coordenador deve falar um pouco do Espírito Santo para o grupo.
  2. Depois, o coordenador da dinâmica deve mostrar o cacho de uva e perguntar a cada um como ele acha que está o sabor destas uvas.
  3. Obviamente, alguns irão discordar a respeito do sabor destas uvas, por exemplo: acho que está doce, que está azeda, que está suculenta etc.
  4. Após todos terem respondido, o coordenador entrega uma uva para cada um comer.
  5. Então, o coordenador deve repetir a pergunta: “Como está o sabor desta uva?”

Conclusão: Só saberemos o sabor do Espírito Santo se “provarmos” dele e se deixarmos espaço e ocasião para que ele possa agir em nós.

Fonte: PJB

f/catequisar.com.br

Deixe uma resposta