0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica O Lutador 3868 Da Natureza A Criacao

Da natureza à Criação

Antônio Carlos Santini

Quando se fala em “natureza”, fica implícita a compreensão de que se trata de algo “natural”. Céus e terra, lagos e rios, savanas e pradarias, tudo brotou “naturalmente” em função de um poderoso agente chamado Acaso.
Se, porém, eu falo em “Criação”, dou a entender que uma Inteligência está na fonte e na origem de tudo o que existe. Mais ainda: tudo o que existe brota de um desígnio, de uma Liberdade pessoal que chamou os seres à existência.
Em sua recente Encíclica Laudato si’, o Papa Francisco realça esta importante diferença:
“Na tradição judaico-cristã, dizer ‘Criação’ é mais do que dizer natureza, porque tem a ver com um projeto do amor de Deus, onde cada criatura tem um valor e um significado. A natureza entende-se habitualmente como um sistema que se analisa, compreende e gere, mas a Criação só se pode conceber como um dom que vem das mãos abertas do Pai de todos, como uma realidade iluminada pelo amor que nos chama a uma comunhão universal.” [LS, 76.]

Não é a mesma coisa relacionar-se com um depósito de matérias-primas acumuladas pelo acaso ou com um acervo de dons recebidos do Criador e a nós, humanos, confiado como “cosmo” a ser trabalhado e aperfeiçoado.
No mesmo documento, Francisco observa: “O universo não apareceu como resultado duma onipotência arbitrária, duma demonstração de força ou dum desejo de autoafirmação. A Criação pertence à ordem do amor. O amor de Deus é a razão fundamental de toda a Criação: ‘Tu amas tudo quanto existe e não detestas nada do que fizeste; pois, se odiasses alguma coisa, não a terias criado’. [Sb11,24.] Então, cada criatura é objeto da ternura do Pai que lhe atribui um lugar no mundo. Até a vida efêmera do ser mais insignificante é objeto do seu amor e, naqueles poucos segundos de existência, Ele envolve-o com o seu carinho.” [LS, 77.] Esta visão revelada ao povo da Bíblia dá à ciência as bases para dessacralizar os astros e libertar os homens do estado de terror permanente de quem se sente ameaçado por forças cósmicas impenetráveis. Reduzidos a lâmpadas e relógios –como se lê no Livro do Gênesis–, os astros tornam-se meros objetos de análise; em lugar de culto e sacrifícios, de horóscopos e mapas astrais, os corpos celestes inspiram agora a pesquisa dos astrônomos e dos climatologistas.
Mas são frágeis esses dons recebidos do Criador. A ação predatória do homem –que um teólogo dos anos 60 apelidou de “câncer da Terra”– já demonstrou essa fragilidade: lagos secos, rios exauridos, nascentes mortas, espécies animais extintas são uma interpelação para nossa mudança de atitudes e de estilo de vida.
A Encíclica Laudato Si’ comenta: “Se reconhecermos o valor e a fragilidade da natureza e, ao mesmo tempo, as capacidades que o Criador nos deu, isto permite-nos acabar hoje com o mito moderno do progresso material ilimitado. Um mundo frágil, com um ser humano a quem Deus confia o cuidado do mesmo, interpela a nossa inteligência para reconhecer como deveremos orientar, cultivar e limitar o nosso poder. [LS,78.] No fundo, ouve-se o Poverello de Assis a entoar seu hino ao Criador. Cotovias revoam a seu redor, um gamo vem lamber sua mão. E nós todos somos convidados a assumir uma atitude de criadores que se inspiram a cada dia no mesmo impulso inicial que chamou os seres à existência.
Louvado seja!]

Deixe uma resposta