0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista O Lutador 3865 Corpus Christi

Corpus Christi da Juventude

Pe Luiz Paulo Fagundes, SDN *

Em 11 de agosto de 1264, o Papa Urbano IV, com a Bula “Transiturus”, instituiu a festa de Corpus Christi [Corpo de Cristo], que acontece na quinta-feira após a solenidade da Santíssima Trindade. Com o rito da procissão com o Santíssimo Sacramento pelas ruas, a festa difundiu-se primeiramente na Alemanha, depois na França e na Itália. Aqui, no Brasil, tem-se notícia desta festa desde 1549, realizada pela primeira vez na Bahia. Agora, pode-se dizer que celebrá-la, a cada ano, é como que firmar uma tradição que há séculos faz parte do calendário religioso e civil do povo brasileiro.
Os jovens adoram festas, sejam religiosas ou não. Mas Corpus Christi, a juventude ama de paixão e tem razões para amá-la. Primeiramente, porque os jovens gostam de novidades, e essa é cheia delas. Começa já nos preparativos: definição da trajetória da procissão; desenhos a elaborar; serragem para ser colorida; pó de café para ser ajuntado; casca de ovos triturada; folhas secas e verdes para recolher… A novidade está na maneira como se organiza para que tudo esteja na mais perfeita harmonia e concluído na hora de Jesus passar.
Por outro lado, os jovens gostam de estar no meio de gente, de pessoas que os fazem sentir-se importantes, que reconhecem seu valor, sua criatividade e sua capacidade de inovação como marca própria do seu jeito de ser. Isto se dá com nitidez no decorrer da festa de Corpus Christi. Os jovens são procurados e boa parte deles sente-se na obrigação de participar junto às demais pessoas.
Assim, a união faz a festa acontecer. Seu espírito de animação é marca constante nos preparativos que começam bem cedo, de madrugada. Gritos, alegria, entusiasmo e vibração, som alto nos fones de ouvidos, sorrisos nos lábios, olhares curiosos… Parte do seu ser provocante derrama-se no gosto de fazer, com arte e beleza, os tapetes que enchem as ruas de vida e sentido.
Desse modo, no colorido do pó de serra e de café, da casca de ovos, das folhas secas e verdes se encontram tons harmoniosos que compõem as figuras religiosas e os tapetes traçados no chão; numa singeleza colossal, eles convidam a todos para se unirem no grande momento da caminhada com o Cristo Eucarístico.
Ele vem e traz consigo uma enorme multidão que abre alas para a sua passagem. O povo manifesta a sua fé em Cristo vivo que caminha à sua frente, visível no Pão Eucarístico. Por sua vez, a juventude, misturada ao povo, sente-se feliz por ter dado sua contribuição aos preparativos dos festejos, e agora canta, reza, louva, pede e caminha com Cristo, que abençoa a todos com a sua presença.
A festa de Corpus Christi proporciona à juventude uma verdadeira participação no Corpo de Cristo, pois a juventude e toda a comunidade, ali reunida, formam a Igreja viva e peregrina, o Corpo místico do Senhor. Uma Igreja jovem e servidora, que se coloca a serviço daqueles que mais precisam; uma Igreja orante, que busca forças do alto para continuar com os pés firmes na missão a ser desenvolvida na sociedade e no mundo. Fé, união, solidariedade e espírito fraterno sinalizam que um mundo melhor, mais justo e solidário é possível.

E a juventude acredita nisso.]

Deixe uma resposta