0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica O Lutador Lxxxvii Dezembro Cinco Grandes Enfermidades Da Era Digital

Cinco grandes enfermidades da era digital

Janet Allon

Encare a realidade: estamos todos viciados em nossos dispositivos eletrônicos. Você deve conhecer alguns poucos solitários que ainda resistem, determinados a se manter afastados e a viver fora deste cercadinho, mas eles são cada vez menos numerosos. A maioria de nós estamos vivendo em um mundo cada vez mais conectado, dependente de comunicação e informação instantâneas, e entramos em pânico quando não conseguimos achar nossos smartphones.
Ninguém quer ouvir isso, mas estamos pagando um preço alto por este comportamento. Nossos hábitos tecnológicos estão arruinando nossas habilidades e nossa saúde mental e física. Estar alerta para os possíveis prejuízos é sua primeira linha de defesa contra o envelhecimento precoce, as dores e a diminuição da capacidade cerebral – assim como desconectar com maior frequência. Aqui estão cinco enfermidades digitais sobre as quais você precisa ser alertado:

1. Text Neck [pescoço de mensagem] Você os vê em toda parte. Adolescentes, usuários do transporte público de meia idade e clientes de supermercado de todas as idades debruçados sobre objetos para os quais olham fixamente como se fossem pequenos milagres, com seus pescoços projetados para a frente e para baixo, em um estranho e aflitivo ângulo. Eles simplesmente ficam lá, como se estivessem congelados, alheios a tudo.
Legiões de pessoas estão causando a si mesmos “text neck”, um problema do mundo moderno que pode arruinar o pescoço e a espinha de alguém. As pessoas estão debruçadas sobre smartphones, absortos em conversas online, checando o Facebook, retornando E-mails, postando fotos no Instagram, sem se dar conta de que estão colocando uma imensa tensão em seus pescoços e colunas vertebrais que irá atormentá-los para o resto da vida.
A cabeça é pesada. Sob a melhor das circunstâncias, tem o peso de um objeto de 5kg. Seu pescoço e coluna trabalham sem descanso para segurá-la e são feitos para isso. Ou eram, até que os smartphones vieram e deram a todo mundo o incentivo para mover suas cabeças para frente em um ângulo antinatural, por horas sem fim.
Como explica o Washington Post, “à medida que o pescoço se projeta para a frente e para baixo, o peso sobre a coluna vertebral começa a crescer. Em um ângulo de 15 graus, o peso é ao redor de 20kg; e a 60 graus o peso é de 27kg. […] Ao longo do tempo, dizem os pesquisadores, esta triste postura pode levar a um prematuro desgaste na coluna, degeneração e até mesmo cirurgia.
27 quilos!!! Mal comparando, é como carregar uma criança de 8 anos ao redor do pescoço por quatro horas ao dia. O problema é especialmente grave para pessoas jovens, que podem estar sendo conduzidas, involuntária e inconscientemente, a uma vida de dor na coluna.
Algumas maneiras para evitar isto:
– Olhe para baixo em seu celular com os olhos. Não é necessário projetar o pescoço.
– Exercite-se: mexa a cabeça para a esquerda e para a direita várias vezes. Use as mãos para oferecer resistência e empurre a cabeça contra elas, primeiro para frente e depois para trás. Fique de pé em uma porta com os braços estendidos e empurre o peito para frente para fortalecer “os músculos da boa postura.

2. Perda auditiva
Isto é deprimente. A perda auditiva não acontece mais só com os velhos. A maioria de nós provavelmente está ouvindo pior cada vez mais cedo. Se você já não tem problemas em ouvir conversas normais cotidianas, este dia virá, e antes do que você imagina. Isto é, ao menos que você tenha protegido seus ouvidos basicamente a vida inteira.
A perda auditiva prematura e aguda não é somente resultado de nossos dispositivos digitais, também é um produto dos ruídos do dia a dia que todos nós consideramos normal, mas que estão em um nível de decibéis que causa dano: cortadores de grama, sirenes, avisos sonoros do metrô, secadores de cabelo, concertos de rock barulhentos, alarmes de carro, até mesmo sistemas de som de restaurantes e cinemas e certos brinquedos infantis podem todos ser bem ensurdecedores.
Estas coisas barulhentas mantêm nossos frágeis tímpanos vibrando e, mantidas por muito tempo e em volume exagerado, podem danificar todo este aparato insubstituível.
Mas o uso generalizado de aparelhos de música portáteis está levando esta epidemia à estratosfera. Segundo o The New York Times, “um estudo nacional feito em 2006 pela Associação Americana de Fala, Linguagem e Audição descobriu que, entre usuários de aparelhos de som portáteis, 35% dos adultos e mais de 59% dos adolescentes disseram ouvir música em altos volumes”. Fones de ouvido pequenos são piores que aqueles grandões, mas não importa: se você estiver ouvindo em um volume alto o suficiente para abafar o ruído exterior, é melhor começar a aprender a linguagem de sinais.
A perda auditiva é cumulativa e irreversível. Continue a usar seus fones de ouvido, mas abaixe o volume.

3. Exaustão Cerebral
O que o uso constante de meios digitais faz a nossos cérebros ainda é um tópico aparentemente especulativo. Mas a ciência já começa a chegar lá, e não é nada bonito o que está aparecendo. Em termos simples, o uso excessivo do smartphone nos faz menos produtivos, menos descansados, mais esquecidos e, em uma palavra, mais estúpidos.
Um monte de gente passa os dias em seus computadores, e as noites checando seus celulares, retornando mensagens e E-mails. Isto, de acordo com recente estudo conduzido pelas Universidades da Flórida, do Michigan e de Washington, rouba das pessoas a capacidade de recarregar as energias nos momentos de folga. Com isso, a produtividade, para não mencionar a saúde mental, diminui.
Checar múltiplos dispositivos e telas durante o dia também perpetuou a ideia de que as pessoas se tornaram “multitarefas”, mais capazes de passar de uma tarefa a outra, de mudar de foco rapidamente, e tudo graças aos milagres da tecnologia. Ilusão.
De acordo com pesquisadores, as multitarefas constantes restringem a habilidade de se concentrar por períodos prolongados de tempo, uma espécie de pré-requisito para realizações significativas. Finalmente, mesmo quando todas as telas estão desligadas, nossa concentração já era. […] Você não lê mais livros? Eu raramente o faço, apesar de ler copiosamente online. Acontece que estou pagando um preço cognitivo e possivelmente psicológico por isto. Ler numa tela não é tão benéfico quanto ler algo impresso. Um estudo de 2014 “descobriu que leitores de contos de mistério em um Kindle eram bem piores em lembrar a ordem dos acontecimentos do que aqueles que leram a mesma história em papel”.
E quanto mais você lê digitalmente, mais difícil fica mergulhar em um livro real. Outros benefícios da leitura incluem crescente capacidade de compreensão, diminuição do estresse e melhor sono, todos eles mais relacionados à leitura impressa do que à digital. Muito tem se escrito também sobre o impacto destrutivo da luz azul emitida pelos dispositivos digitais no ciclo circadiano, o relógio biológico do nosso corpo, resultando em um sono pobre e os consequentes problemas mentais e físicos.
Sua incapacidade de se separar de eletrônicos também irá afetar e infectar as pessoas a seu redor, amigos, colegas de trabalho e familiares. Quando perdemos a capacidade crucial de desconectar, a saúde mental e o bem-estar de todo mundo são afetados. Experts em relações familiares apontam que as crianças se sentem afetadas por pais que se encontram indisponíveis porque estão constantemente em seus celulares. Então, se não é por você mesmo, pelo menos se desconecte por causa de outras pessoas que se preocupam com você.

4. Cara de computador
Ok, basta de cérebro! Gastar incontáveis horas diante do computador está arruinando o visual das pessoas! Seu visual! Sério, se isto não o convencer a ficar mais tempo longe da tela do computador, não sabemos o que o fará.
Cirurgiões plásticos afirmam que mais e mais mulheres estão desenvolvendo a aterrorizante “cara de computador”, uma combinação de franzidos permanentes, rugas ao redor dos olhos, papada (!) e queixos duplos por olhar para baixo por longos períodos de tempo.
“Se você passa a maior parte do tempo olhando para baixo, os músculos do pescoço se encurtam e caem, dando a você um queixo duplo”, disse o cirurgião Michael Prager ao Daily Mail. Assim como quando as pessoas trabalham e estão sob estresse frequentemente têm sérias ou até mal-humoradas expressões em seus rostos, estas linhas podem ficar permanentemente estampadas em rostos jovens.
A solução: levante, alongue seu pescoço, mude sua expressão, mova a tela para a altura do olho. Ou use botox, claro, de acordo com os cirurgiões plásticos, de qualquer jeito.

5. Síndrome da visão de computador
Más notícias, embora não surpreendentes: sentar-se em frente à tela do computador hora após hora, ano após ano, como muitos trabalhos requerem que você faça, causa dor e desconforto nos olhos, visão embaçada e dores de cabeça.
A boa notícia é que os oftalmologistaas ainda não acham que a síndrome de visão do computador cause dano permanente à visão. E há algo que você pode fazer se está experimentando as consequências negativas de sentar-se em frente à tela do computador em excesso – além de levantar-se e fazer outra coisa, tipo para sempre, o que não é bem uma opção.
A maior parte deste dano visual pode ser eliminada fazendo mudanças em seu local de trabalho. O Scheie Eye Institute do Penn Medical Center diz que “reduzir o brilho e os reflexos na tela do computador, modificando a luz no ambiente, fechando as janelas, mudando o contraste ou o brilho da tela, ou colocando um filtro ou capa no monitor”, tudo isso irá ajudar.

❝Pescoço de Smartphone❞
afeta em especial adolescentes, degrada coluna e pode exigir cirurgia. Uso abusivo de aparatos também atinge visão, audição e humor.

Eles também recomendam mover a tela do computador para aumentar o conforto dos olhos. A tela deve estar à distância de um braço (ao redor de 50 a 70 centímetros) para obter uma distância de foco confortável à visão. A tela também deve estar em linha reta na frente do rosto, e não para o lado, para evitar a fadiga ocular. O centro do monitor deve estar de 10 a 20 centímetros mais baixo que os olhos, para permitir ao pescoço relaxar e para diminuir a superfície exposta do olho, o que irá reduzir a secura e a coceira.
Acho que, provavelmente, você está pronto para dar um tempo à tela do computador agora mesmo. (Tradução de Cynara Menezes)] Fonte: Outras Mídias

Texto publicado na revista Católica O Lutador – Revista Impressa em Dezembro de 2015, Ano LXXXVII

Deixe uma resposta