0800 940 2377 - (31) 3490 3100 - (31) 3439 8000 assinaturas@olutador.org.br
A tentação da Igreja Participação ativa Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as) Chamados para uma missão Comitê de Bacia investe em saneamento

A tentação da Igreja

Carlos Scheid

Uma rápida varredura na História da Igreja permite identificar a tentação permanente que ronda o “pessoal da Igreja” – expressão de Jacques Maritain – quando a missão parece difícil, as barreiras se multiplicam e a solução aparente est…

Leia Mais

Participação ativa

Um dos princípios orientadores da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II foi o da “participação ativa”, como lemos no número 14 da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium [SC]: “É desejo ardente na mãe Igreja que todos os fiéis cheguem à…

Leia Mais

Um porto seguro para casais, sacerdotes e religiosos(as)

O EMM nos dá um presente, que é viver o FDS, um verdadeiro encontro consigo, com o outro e com Deus, que nos mostra o caminho para a conversão com mudanças de atitudes, a escuta com o coração e com a decisão de amar sempre. Isto tem sido um porto seg…

Leia Mais

Chamados para uma missão

João da Silva Resende, SDN*

 

“Eu te segurei pela mão, te formei e te destinei para unir meu povo e ser luz das nações. Para abrir os olhos aos cegos, tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão os que moram nas trevas.” (Is 42,6-7.) Assim …

Leia Mais

Comitê de Bacia investe em saneamento

CBH-Manhuaçu conclui 16 Planos Municipais e agora acompanha sua implantação.

Passam-se os anos, trocam-se governos, novas políticas públicas são anunciadas e o saneamento básico segue um descalabro no Brasil. Embora seja um direito previsto na Const…

Leia Mais
Revista Catolica O Lutador 3870 Autoridade A Servico Da Missao 01

Autoridade a serviço da missão

Rosinha Martins *

Para o jesuíta e escritor Padre Carlos Palácio, a Vida Religiosa Apostólica, pelo seu próprio modo de vida, tem que se organizar em função da missão, uma especificidade e uma dinâmica diferente da Vida Monástica e Contemplativa. Portanto, o modo de exercer a autoridade também deve ser diferente, embora a Vida Religiosa Apostólica carregue ainda hoje as marcas do modelo monástico. Isso, segundo ele, requer uma mudança de paradigma. “A passagem da vida apostólica pelo modelo monástico deixou marcas indeléveis que ainda não estão absorvidas e saradas também. Isso faz parte do processo que nós estamos vivendo”, afirmou Palácio por ocasião do encontro internacional das missionárias scalabrinianas, realizado em na cidade de Porto Alegre, RS, nos dias 28 a 31 de agosto.

Pe. Carlos Palácio, o tema deste encontro é ‘Liderança como serviço’. Que caminhos o senhor pretende fazer nesta reflexão com as religiosas scalabrinianas?
Pretendo refletir, primeiro, sobre o lugar e a função da autoridade e do governo na Vida Religiosa apostólica, ou seja, que sentido tem essa estrutura e qual é a finalidade dela, antes de a gente pensar nas formas mais adequadas que deveria ter hoje essa função. A questão da liderança está relacionada com isso, evidentemente, mas é como uma variante no mesmo tema, porque opera um deslocamento de perspectivas que se faz visível na metamorfose da linguagem. Digamos assim, a linguagem vai-se deslocando em diversos sentidos e assumindo expressões novas que tratam muitas vezes de responder a impasses que hoje se vivem.
Por exemplo, alguns anos atrás se falava ou se deixou de falar de superior e superiora (vejo isso mais entre as Irmãs), e se falava em coordenadora, evitando certas expressões; e então, algo semelhante acontece com o termo liderança.

As Congregações, hoje, tendem a uma troca da expressão de ‘Superiora’, para ‘liderança’, ‘coordenadora’. Faz sentido, tem algum resultado prático essa mudança de nomenclatura?
Hoje se fala mais em liderança que em superior ou superiora. Por quê? Não que a troca de nome resolva os problemas que existem, mas é porque se percebe que, neste momento, a VR precisa ter à frente pessoas capazes de terem um horizonte aberto e dilatado, universal; pessoas que intuam e vislumbrem caminhos novos e respostas aos problemas atuais. É um tipo de serviço que não se encontra unicamente a partir de uma estrutura jurídica.
Por exemplo, um líder não é algo que possa ser nomeado, não posso nomear um líder. Ou uma pessoa tem liderança ou não a tem. É um dom, uma coisa inata na pessoa. Posso nomear um superior, uma superiora, porque, por um ato jurídico eu posso instituir uma pessoa numa função, mas eu não posso fazer o mesmo com um líder.

O que pode significar isso para a Vida Consagrada, padre?
Isso significa que a Vida Religiosa e, em geral, a sociedade, hoje estão carentes de líderes, isto é, de pessoas capazes de apontar caminhos novos para o futuro, capazes de animar as pessoas, suscitar vontade de resolver os problemas, e assim por diante. Neste sentido, também a Vida Religiosa, vive neste contexto e experimenta esta necessidade.

Uma vez que liderança é um dom, os critérios para nomear alguém para essa função na Vida Consagrada não deveriam ser outros?
Claro. Com certeza. Se eu escolho uma pessoa como liderança, é porque estou esperando que ela conduza o grupo numa certa direção que ela, como líder, é capaz de fazer. Coisa que não se dá, necessariamente, por um ato jurídico. Quando eu nomeio uma pessoa juridicamente como diretor ou diretora de um colégio, de uma obra, superior ou superiora de uma província, superior ou superiora de uma comunidade, esse ato jurídico dá à pessoa autoridade para tomar decisões, medidas, etc., mas não dá carisma de liderança. São coisas diferentes.

É por isso que a liderança hoje em dia está muito em função do que se espera da Vida Religiosa ou do que seria o desejo e os caminhos pelos quais deveria enveredar a Vida Religiosa para o futuro. Para isso, a gente tem que escolher as pessoas. Se eu quero ter este tipo de líderes, isso não pode ser criado por um ato jurídico. Tenho que ver onde eles estão e captá-los para ver se são capazes, porque nem toda liderança tem o mesmo valor e a mesma orientação.

O senhor que dizer que existem lideranças negativas, destrutivas, é isso?
Há lideranças negativas, também, evidentemente, e mesmo lideranças loucas. Por exemplo, o caso de Hitler, que a si mesmo se chamava de Führer, ou seja líder. Uma pessoa, por exemplo, que tem incidência sobre outros, que tem capacidade de agrupar as pessoas, mas não no sentido de somar, de construir, mas no sentido negativo de criticar e destruir, não de inventar o futuro, mas quase de voltar ao passado. Isso também pode acontecer e é outro tipo de liderança.

A Vida Consagrada parece viver uma crise no campo das lideranças, da autoridade. Um dos grandes desafios da vida em comum parece ser o de uma gestão mais participativa, horizontal em detrimento do autoritarismo. O senhor concorda?
Sim. Hoje se fala muito em liderança na Vida Religiosa Apostólica, mas a passagem de uma concepção de governo para outra não se faz por um golpe mágico. Não basta utilizar outra linguagem; é preciso mudar de mentalidade, trocar de paradigma. Senão a prática continuará a ser a mesma. E desse ponto de vista nós estamos apenas engatinhando. É uma mudança muito grande passar de um paradigma para outro. Trata-se de passar de um paradigma para outro.
O antigo paradigma, quando é vivido por uma pessoa que também, além de ser juridicamente nomeada, tem liderança, pode ser exercido de uma forma muito diferente, libertadora, se for uma liderança de quem abre caminhos, de quem cria coisas novas, está voltada para o futuro.
Mas isso não é uma coisa que se possa esperar de todos, e não é uma coisa automática. Essa mudança de paradigma supõe uma aprendizagem que a Vida Religiosa ainda não tem e levará um tempo para fazer a transposição das categorias de autoridade e governo para outra estrutura mais dialogante, participativa, que envolva a todos.
O problema da liderança mais importante não é, digamos, o modo de exercer, porque mesmo numa estrutura tradicional nas empresas, hoje em dia, a participação e o envolvimento das pessoas é muito maior, e na Vida Religiosa também há muito mais diálogo, estrutura de participação, mesmo que haja ainda muito risco de pessoas exercerem essas funções de uma maneira muito autoritária, muito impositiva.
O mais importante não é o modo, embora isso tenha que mudar, também, mas o fundamental é acertar com pessoas que sejam verdadeiramente inspiradoras do novo e capazes de animar as pessoas a buscarem e a caminharem na direção do novo. É do que precisa hoje a Vida Religiosa.
Evidentemente que, para mim, o problema fundamental da autoridade na Vida Religiosa é que a mudança de paradigma a que me referi antes supõe não só uma mudança de mentalidade, mas uma prática diferente; coisas que chocam com a perspectiva dominante que é ainda jurídica.

Essa visão jurídica de autoridade, então, não cabe mais na Vida Consagrada?
Essa visão jurídica é, cada vez mais claramente, uma visão unilateral e insuficiente, e ela só pode ser corrigida na medida em que percebermos que o que dá sentido à função da autoridade na Vida Religiosa Apostólica só pode ser o horizonte da missão. Quer dizer, autoridade não é para mandar e exercer despoticamente e tomar decisões. Autoridade é para ajudar as pessoas a buscarem juntas qual é a missão que Deus pede de nós num momento determinado.
Enquanto não se fizer essa mudança de horizonte, poderá haver reformas no modo de exercer autoridade, mas a concepção de fundo continuará a mesma. Essa mudança de paradigma jurídico para o horizonte da missão é fundamental nesse processo que estamos vivendo atualmente.

Tudo isso diz respeito ao modo de exercer autoridade no horizonte da Vida Apostólica. Então, no horizonte da Vida Monástica seria outra coisa?
Sim. É outra coisa porque o modelo é diferente. Quer dizer, a Vida Contemplativa, a Vida Monástica é uma vida que se realiza em si mesma dentro dos limites do mosteiro. Eles não têm propriamente uma missão ad extra, para fora, apostólica com outros. Poderão fazer, ajudar pessoas pela escuta, de outras formas, mas como Vida Religiosa, a vida se processa dentro desse quadro e tudo gira ao redor do movimento da comunidade.

Talvez seja por isso que as nomenclaturas para a autoridade na Vida Monástica sejam diferentes, como abade, prioresa?
Certamente. Não é à toa que na Vida Monástica o superior é chamado de abade, ou abadessa, prior ou prioresa. Abade vem de Abbá, que significa ‘pai’. A função dessa estrutura de governo na Vida Monástica é cuidar da casa, cuidar da família, como um pai de família ou uma mãe de família que cuida dos filhos, é o pai, a mãe espiritual etc. Na Vida Apostólica não é assim, porque eu posso ter um pai espiritual, uma mãe espiritual que não é necessariamente o superior, a superiora. A função do superior, da superiora está para a missão apostólica, não é para a minha vida pessoal ou para a vida da comunidade.
Essa estrutura monástica exige uma estrutura de autoridade e de governo que é muito diferente e que está voltada para alimentar e fazer, digamos, fecunda essa vida em comunidade. A estrutura é outra, embora chamemos de superiores também as abadessas e abades, mas o cuidado é sobre a casa, a família que lhes é concedida.
A gente compreende melhor isso quando a percebe a origem da Vida Religiosa. Primeiro eram cristãos que viviam sozinhos, eremitas que viviam dispersos e sozinhos, e faziam sua vida evangélica como eram inspirados por Deus. Depois, aos poucos, foram aparecendo figuras que chamavam a atenção, por exemplo, em tal lugar, vez ou outra corria a notícia de que em determinado lugar havia uma mulher eremita que era ótima conselheira ou então algum ermitão de fama etc. E com frequência os/as eremitas iam à sua procura para serem orientados ou receberem algum conselho.
Isso foi propiciando esta convivência em comum que depois se desenvolveu propriamente na Vida Monástica, mas sempre buscando ajuda de alguém como referencial para poder viver plenamente essa dedicação ao Evangelho. Na Vida Religiosa Apostólica, o acento recai sobre a missão e não recai sobre a vida em comum, embora tenhamos também vida fraterna, mas é outra função. Nossa vida está para a missão e não para nos alimentarmos e nos sentirmos bem. Percebe a diferença?

Parece-me que há uma confusão entre esses horizontes. A Vida Religiosa Apostólica parece estar estabelecida na dinâmica de vida contemplativa. Certo?
Sim. É o que eu disse antes, a passagem da Vida Apostólica pelo modelo monástico deixou marcas indeléveis que ainda não estão absorvidas e saradas também. Isso faz parte do processo que nós estamos vivendo.]

*Jornalista e Assessora
de Comunicação da CRB Nacional
Fonte: CRB Nacional

Deixe uma resposta